Aviso: Voltamos Envie seu Conto estamos aguardando, recupere sua senha caso ja foi cadastrado antes !
Já está liberada a área de Cadastro de contos. Cadastre-se e evie-nos o seu conto

DONA LOURDES, O PADRE E EU – II

** Esse conto descreve cenas que podem chocar principalmente a sensibilidade religiosa de alguns, se este é o seu caso não continue lendo**



No dia seguinte, já devidamente paramentado recebi Dona Lourdes no meio do corredor central da Igreja, diferente do dia anterior havia quatro carolas rezando nos bancos da frente. Dona Lourdes se aproximou, fez a mesma mesura que eu virá na filmagem da sacristia e beijou minha mão, um beijo quente e demorado.



Quando ela se levantou me aproximei do seu ouvido e pedi que levanta-se a saia. Ela já estava totalmente dominada e fez como eu pedi.



"Dona Lourdes, ainda está apegada à vaidade. Vejo que termos muito trabalho contigo. O que lhe disse ontem sobre essas calcinhas?".



"Perdão santo padre, mas tenho vergonha de sair sem, sinto que estou nua". Disse ela com o rosto corado.



"Por acaso os mártires que foram devorados pelos leões tiveram vergonha de ter sua carne exposta? Quando as roupas de Santa Joana foram queimadas e seu corpo nu exposto na fogueira ela tive vergonha? Deixe de ser uma pecadora vaidosa e tire isso agora".



Apesar de algum nervosismo ela tirou a calcinha de algodão, branca como a que usava no dia anterior. Estava claro que ela estava excitada com a possibilidade de ser vista tirando a calcinha no meio da igreja.



"Agora siga até a sacristia, eu irei ter com a senhora em um minuto. Padre Anselmo a receberá". Assim que ela deu alguns passos me abaixei e peguei sua calcinha. Puta que o pariu! Como a boceta dela cheirava bem, comecei a entender a tara do padre em cheirar o meio das pernas dela.



Assim que entrei na sacristia vi o padre conversando com Dona Lourdes. Me dirigi ao velho safado ordenando que nos esperasse na ante-sala; enquanto eu estivesse ali aquele corno não iria mais ver boceta na frente.



Dona Lourdes estava agitada, perguntei se o demônio a visitara novamente naquela noite e ela toda vermelha de vergonha disse que sim.



"Ele usou seu corpo de forma impura outra vez?"



"Sim santo padre." disse ela quase murmurando.



"A senhora gostou? Diga toda a verdade, não há como mentir aos olhos do Senhor". Disse eu já totalmente à-vontade no meu papel.



"Nos sonhos eu gosto senhor, até peço para que ele faça sujeira comigo. Mas eu lhe juro que não sou assim, sempre fui muito religiosa, nunca deixei meu marido fazer nada errado comigo". Disse ela visivelmente perturbada.



"Seu caso é grave Dona Lourdes, estou quase sem esperanças... Mas vamos ver o que Deus pode fazer por nás. Tire a roupa Dona Lourdes, lembres-se que está na presença do espírito santo, não sou um homem mortal, sou apenas o veículo do espírito sagrado." Quanta bobagem eu dizia, minha dúvida era se ela acreditava mesmo naquilo ou, como o padre, sá estava afim da putaria.



Ela tirou a roupa e pude ver diante de mim um corpo delicioso. Segundo minhas sondagens ela tinha 42 anos, mas aquele era um corpo que muita menina morreria de inveja, tudo no lugar, sem barriga, pernas grossas e bem definidas, dois peitos enormes apontando para cima e a cheirosa boceta coberta de pelos castanhos.



Apertei os seios com força, eram firmes e gostosos, ela soltou um gemido e senti um arrepio que lhe percorreu o corpo. Passei as mãos nos seus ombros, senti a pele macia das costas e passei-lhe as mãos na bunda, ela recebia bem as carícias. Mandei que se reclinasse sobre a mesa, como ela já estava bem treinada pelo padre safado se posicionou rapidamente. Nesta posição eu tinha acesso fácil à sua boceta, comecei a introduzir dois dedos no seu buraco quente, mas ela ainda não estava bem lubrificada. Abri as polpas da bunda e comecei a lamber seu cu, ela deu um gritinho de espanto, pois não esperava que eu a chupasse assim, seu cu piscava na minha língua.



Fui até a gaveta e encontrei o chicote que o padre costumava usar naquela bunda, comecei a bater. Ela gemia a cada lambada, mas permanecia na mesma posição. Eu patia forte, e rapidamente a bunda foi ficando vermelha. Alisei a bunda algumas vezes e dei mais umas lambidas no cuzinho gostoso antes de voltar a usar o chicote.



Voltei a testar a boceta, desta vez um caldo grosso e abundante escorria e meus dedos entraram fácil, explorei sua vagina com meus dedos, arrancando gemidos mais fortes dela que se contorcia sobre a mesa. Não deixei que gozasse, voltei a chicotear sua bunda. Quando achei que ela já estava no ponto, comecei a enterrar o grosso cabo do chicote no seu cu que estava bem melado com a minha saliva, à medida que a barra de couro ia entrando ela rebolava para receber com mais facilidade.



Cheguei bem perto do seu ouvido e sussurrei: "É a sim que o demônio faz com a senhora toda a noite Dona Lourdes? "



"Sim santo padre, assim que ele me pega!" Disse ela com uma voz rouca pelo tesão. A superfície rugosa do chicote castigava as paredes do seu reto enquanto eu a fodia cada vez mais rápido. "Ai meu Deus, me acuda..." ela dizia entre gemidos.



Outra vês eu tirei antes que ela gozasse, seu mel já escorria da boceta formando um fiozinho fino e pegajoso que logo chegaria ao chão. Peguei o cabo do chicote coberto com os líquidos do seu cu e ordenei que chupasse. Ela praticamente arrancou o objeto da minha mão e meteu na boca chupando com gula.



Peguei uma vela grossa, mas não tão grossa como uma de sete dias, e foi enfiando no seu cu, deixando o pavio para fora... Acendi e fiquei observando, com a vela inclinada não demorou para a cera derretida escorrer até atingir seu anel que se contraiu de dor, ela gritou! Um grito abafado pelo cabo do chicote que ela não tirava da boca. A cera derretida já estava escorrendo para a entrada da sua boceta suculenta. Ela gemia e mexia a bunda vigorosamente, isso fazia com que mais cera escorresse.



Depois que a entrada da sua xota estava completamente coberta de cera eu apaguei a vela e comecei a fode-lá com ela. Seu cu recebia bem o tarugo de cera e eu socava cada vez mais forte. Depois de lhe foder o cu por mais de dez minutos, tirei meu cacete duríssimo para fora e encostei a cabeça inchada na porta da boceta. Esfreguei um pouco limpando a cera que endureceu na entrada e foi metendo o pau na sua xota. Ela soltou um grito de gozo e eu sentia os músculos da sua vagina mordendo meu pau.



Soquei o cacete com vontade naquela boceta gulosa, ela rebolava e jogava a bunda de encontro ao meu pau que entrava de uma vez até o fundo. Agarrei seu peitões e continuei metendo, esperei que ela gozasse mais uma vez o que não demorou. Na minha vez espalhei minha porra na sua bunda e costas.



Virei-a sobre a mesa com os peitos para cima e as pernas pendendo para fora. Abri ao máximo deixando a boceta inchada e vermelha toda à mostra.



"Apesar dos meus esforços por fazer disso uma penitência, a senhora insiste em agir como uma puta! Já contei uns dois orgasmos não é verdade?" Ela concordou com a cabeça. "Terei que ser mais enérgico. Ela não falou nada continuava chupando o cabo do chicote, retirei-o da sua boca e comecei a usá-lo nos seus peitos. Ela estendeu os braços recebendo com gosto cada pancada na pele macia. Usava muita força para marcar bem aqueles peitões, e ela sá gemia.



Depois que os peitos estava bem vermelhos e marcados, passei a chupá-los com vontade, suas mãos acariciavam minha cabeça, forçando-a mais contra suas tetas. Ela estava adorando a putaria.



Deitado sobre ela sentia o calor da sua boceta na minha virilha. Parei de chupar os peitos, acendi duas velas e coloquei nas mãos dela.



"Dona Lourdes, seus pecados são muitos e gravíssimos, toda penitência é pouca para uma rameira como a senhora. Agora quero que banhei esses peitos com essas velas sagradas. Despeje a cera quente até cobrir toda sua vergonha."



Ela ergueu as velas e começou a pingar cera quente nos mamilos, fazendo cara de dor egemendo.



Fiquei vendo aquela cena até cair de boca no bucetão peludo. Como era gostosa, doce e cheirosa! Chupei com vontade não me importando mais se ela gozava, acho que fiquei uns dez minutos chupando e pela quantidade de líquido que escorria ela deve ter gozado mais uma vez.



Quando levantei a cabeça seus peitões estavam cobertos pela cera esbranquiçada já endurecida. Limpei a cera fria com as mãos e ordenei que continuasse, seus peitos estavam muito vermelhos das chicotadas e queimaduras.



Peguei o chicote e comecei a marcar o interior das suas cochas. Dei umas vinte chicotadas em cada cocha e apontei para o meio das pernas. No primeiro golpe ela gritou muito alto e fechou as pernas.



"Dona Lourdes! E o inferno ou a salvação! Prefere sofrer a dor no teu corpo agora ou ter a alma consumida no fogo do inferno por toda eternidade!" Gritei para ela.



Ela abriu as pernas. "Ai meu Deus! Isso santo padre cumpra sua vontade, essa puta merece ser punida". Gritou ela, eu sá imaginando o que o corno do Padre Anselmo estava pensando.



Passei a chicotear a sua boceta, ela gritava a cada lambada, mas permanecia toda arreganhada. Torturei sua boceta até meu braço cansar, peguei o cabo do chicote e soquei de uma vez no buraco melado. Com uma vela enorme no cu, sendo fodida pelo cabo e tendo o grelo massageado por mim não foi difícil faze-la gozar mais uma vez entre gritos e gemidos.



"Agora ajoelhe-se prostituta perdida!"



Ela saltou da mesa jogando as velas no chão e posicionou-se de joelhos na minha frente. Meti-lhe o pau duro na boca e ela mamou desesperadamente, em dois minutos eu estava jogando minha porra na cara dela, espalhando por todo o rosto com a cabeça do pau.



"Pode ser vestir pecadora, mas apenas o vestido. Não quero que use nada alem disso sempre; você já está quase condenada por sua luxuria não piore as coisas com a vaidade. A vela fica onde está até você chegar em casa, seu rosto também deverá ficar como está para sua maior humilhação."



Depois que ela se vestiu, pediu minha benção de joelhos, desta vez beijou minha mão com toda paixão.



"Irmã. Sinto que o demônio que lhe consome é forte demais, talvez não possa livrá-la sozinha desse mal. Se esta noite ainda for tomada pela tentação volta aqui amanhã e faremos mais uma tentativa de salvar sua alma. Agora vá com Deus".



Ela saiu, a cara de espanto do padre Anselmo quando ela passou por ele com a cara e os cabelos cheios de porra foi ridícula.



Estava tudo armado para um show final.



Continua...



[email protected]

VISITE NOSSOS PARCEIROS

SELEÇÃO DE CONTOS


Online porn video at mobile phone


contos calcinha da filha tava cheia de porraconto erotico mendiga carentewww contos eroticos de incestos como minha mae e minha irmaconto herotico fiz ela grita de dor na buceta mas estorei o cabacinho delameu tio nem eu ter pelo na buceta e arregaçou elacontos erótico me rasgaram mo acampamento trasano com entregado coroachantagiei minha irmã parte 2xvedeo foi brincar com a prima efreguei pau nelaesposa e filha de fio dental e eu contoscontos de esposa estrupada por coroa bem dotadocontos.casado curte travesticontos sexo.eu meu sogro sograConto erotico incesto, mae evangelica transa com o filhocontos eroticos Supresan bate papoboqueteira gaucha contocontos eróticos primeira vez q peguei na buceta da minha namorada camiseta sem calcinha. contos de casada.minha esposa deixa a buceta cabeluda e da pra o meu melhor amigo em relatosmulher no carnaval gozando muito no camarote ela ea amigaenteada nua contoscontos eroticosTravesti com homes:karolzinha baixinha ruiva gostoza fodenoconto erotico eu e minha sobrinha de menor no matinhoO pau preto do papai contos eróticosnovinha com peso na barriga usando churrasco de vídeo pornôcontos travesti e mulher casada juntas dando o cu pra homem e o cãocontos eroticos com mts mamadas nos peitos/sexo com o amigoconto gang bang com crentecontos eroticos gosto de levar surra de piça ggsou cadela pratico zoofiliaestrupada contosconto eróticos mana so de calcinhaContos Eróticos De Eu Vera Dei Para O Amigo Do FilhoComtos casadas fodidas pelo filho e o sobrinhoCONTOS EROTICOS DE.BUCETAS ARROMBADAScasa conto - eu minha namorada e sua amiga part 1estou sendo chantageada mas não posso contar meu marido quantos eróticoscontos eroticos festa a fantasiaminha irma envagelica encestoconfesso fui bolinada por debaixo da mesa sem mau marido vercontoseroticos cagando na boca do viadocontos de sexo comi minha sogra vadia na frente da irma delapai examina a xoxota da filha contoscontos eróticos da sobrinha toma leitinho na cama do tiosou o tesaozinho do papaibuceta inchada da cunhada...contospotranca de mini saia fodendoxcontos eroticos.com casada gostosona deficientemeus tios uma historia real 1vou contarcomo transei com minha primacontos eroticos syrubasEu já não era mas virgem quando meu pai me comeumeu policial chupou meus seios gostosoContos eróticos gay homem enfiou cu pivetinhomeu marido liberou também conto cuum pivete me engravidou contosmenina matuta contos eroticosdois gay fudendo violentamentw/entre siFodi o cu e a cona da minha sogra e gozei muito na boca dela porno conto meu primeiroamorLambuzada de mel pro cachorro lambercontos eroticos vó.contoseroticospapaicontosminha primeira vez lesbicabotamos pra fuder contosminha sobrinha pediu pra mim gozar dentro da sua Bucetacabacinho rasgadinhoo negao me comeuconto clube de amamentacao de adultoscoroa dona de banca em teresina dando bucetacontos eróticos cunhadadeu pro vizinho trans e ficou grávida contoscasada desfilado de calcinha contos eroticoMães chupando filho contoseroticosContos Eróticos Nega bebada de leguinvai cunhadinha goza na minha bocacontos de quen comeu coroas dos seios bicudoscontos eroticos incesto bate com a pica/na cara/da cunhafaconto erotico;eu e a professora de artesconto erótico de primo cdzinhacontosincestofilhaminha cunhada quis que eu a visse nuacontos de corno com pedreiros negros hiper dotados e jumentosGozando na boca incesto Contocontos de coroa com novinhoEu e meu macho padrastoesposa grupal com 18 aninhos contoscontos eróticos virei cd para usar fio dentalmeus alunos rasgarao minha bucetinha contoscontos erotico incesto pai filha caminhaoo tio ceduzino adolecente metendo odedo priguitinhaficou vixiada bo inxesto