Aviso: Voltamos Envie seu Conto estamos aguardando, recupere sua senha caso ja foi cadastrado antes !
Já está liberada a área de Cadastro de contos. Cadastre-se e evie-nos o seu conto

O CALMANTE DA FILHA

O “CALMANTE” DA FILHA



Sexahh



Foi mais para depois do meio da noite que ela chegou, sem que ele notasse, tanto era o seu sono, cheio de uísque e cerveja. Ele roncava, evidentemente, de barriga para cima, enrolado num roupão esquisito. Ela deslizou para baixo do lençol, ao lado dele, já inteiramente nua; havia vindo para o quarto dele vestida com um pijama que costumeiramente usava e que deixava entrever sua calcinha e seus peitões bicudos, estes sem sutiã e com uma aréola tão redonda, ampla e marrom que pouco deixavam à imaginação. Mas, antes de escorregar para a cama, havia se despido em completo silêncio, deixando suas roupas num montinho no chão.



Ela se acomodou ao lado dele, bem devagarinho para não assustá-lo, e ficou quieta, sentindo o calor que dele emanava, encostando-se a ele centímetro a centímetro, suportando seu denso bafo. Ele dormia do lado direito da ampla cama de casal, e ora se esparramava de pernas abertas, ora se encolhia em posição quase fetal, situação esta em que ela o encontrou e tornou mais fácil se aconchegar. Ficou assim um bom tempo, afinal ela havia dormido cedo, descansado, até que acordara preocupada com ele, sentindo uma ausência, uma quentura por dentro, e se havia decidido a confortá-lo, dado que notara a tristeza e os profundos silêncios dele, sinal de que estava muito sozinho e magoado.



Ele não deu qualquer sinal de haver notado sua presença, no torpor alcoálico em que estava, o que a animou a achegar-se mais, retirando delicadamente os excessos de pano do roupão, por baixo do qual ele nada usava, encostando suas coxas ardentes na bunda e nas pernas dele e a abraçá-lo, colando os peitões pulsantes nas costas dele e mantendo-se, quanto ao mais, absolutamente quieta, apenas sentindo o bater de seu coração acelerado e perguntando-se: “Será que estou fazendo a coisa certa? Afinal, sou filha dele, será meu direito isso?”



Passado mais um tempo, ele dormindo a sono solto, ela ousou uma mão: colocou-a sobre a virilha dele, sentindo o pinto adormecido sob seus dedos e o agarrou de leve, apenas para sentir o volume... e gostou: não era pequenino e também não era pé-de-mesa, simplesmente o tamanho normal. Bem devagar, começou a alisá-lo, a acariciá-lo, até que teve uma resposta. Sentiu-o latejar e enrijar-se, lentamente. Entusiasmada e amedrontada por essa reação, ela começou, ainda muito de modo muito delicado, a puxar a pele do pinto com a mão, empunhetando-o; houve um gemido, houve uma acomodação de corpo, houve um despertar dos sentidos: o peru começou a reagir, a crescer, a tornar-se duro de vez.



Ela, mantendo a mão onde estava, revirou-se cautelosamente na cama, de modo a ficar em posição oposta à dele, e foi se colocar com a cabeça na altura do encontro de suas coxas, onde facilmente encontrou o pinto já animado e deu-lhe um beijinho de boas-vindas. Abriu a boca, aqueceu o bicho com seu hálito quente, sentiu-o crescer mais e o abocanhou, primeiro a cabecinha, depois o resto. Chupou uma vez: sentiu um impulso; chupou de novo, sentiu em si uma vontade e, nele, uma resposta. Pressentiu que ele agora estava acordado, mas fingindo que dormia, gostando de ser chupado, pressentimento esse que em poucos minutos se confirmou: ela continuou chupando, gostando do sabor salgadinho e do volume da pica na boca, até que sentiu que ele puxava suas coxas, e as abria, e metia sua língua escaldante na sua rachinha, o mais fundo que podia alcançar...



Ela arquejou, uma vez, duas vezes, muitas vezes: ele era um mestre em chupar buceta, ia fundo e nos lugares certos, com a técnica certa. Sentiu crescer uma onda dentro de si, uma repentina queda de um precipício, e enfiou a cara no travesseiro para sufocar um grito imenso que não partia de sua boca, mas sim de suas entranhas. Gozou, gozou muito. E se aplicou, chupando adoidada, sentindo que ele metia seu pau com gosto por sua garganta adentro, engolia-o com gula, meio sufocada, até que sentiu as golfadas do prazer dele, porra e mais porra guela abaixo sem contemplação, ele segurando a cabeça dela de um modo que era engolir ou engolir, não tinha jeito... Meio afogada, não teve outro recurso: engoliu o que pôde, deixou escorrer o resto pelos cantos dos lábios, pescoço abaixo...



E tudo no mais completo silêncio, sem diálogo, afora os gemidos...



Dormiram um tempo, numa espécie de estupor, até que ela acordou, ainda com o pau dele na boca, toda esporrada, e começou umas chupadinhas tímidas acompanhadas de uma punhetinha básica. Pouco tempo depois, sentiu-o recuperar-se, notou o pau crescendo lentamente à medida em que o abocanhava e empunhetava, o que a entusiasmou de novo; aumentou o ritmo do boquete e da punheta, e o cacete correspondeu, ficando duro de novo. Ela não teve a menor chance de escolha: ele a agarrou, virou-a, colocou-a de lado, de bunda virada para ele, levantou uma das suas pernas, achou o ponto e meteu-lhe o pau de uma vez sá, coisa para tirar a respiração, até o cabo...



Com aquilo tudo dentro, sentindo-se repleta, ela sá pôde arfar... E gostava, meu deus, que coisa boa essa pica toda dentro! Ele começou a tirar e por, tirar e por, sá de sacanagem tirava tudo lentamente e ia enfiando centímetro a centímetro, quase até o fim, quando então dava uma estocada mestra que a encabava no pau, com as bolas batendo na bunda. Ela delirava, não pensava que aquela brincadeira de dar a ele um “calmante” acabaria naquela fudelança, queria pica e mais pica, e mais pica, o que ele pudesse lhe dar, e ainda mais... Dava-lhe bucetadas valentes, a que ele respondia com pirocadas ainda mais valentes, até que se acabaram num mar de porra, meio desmaiados, melados até o limite, mas felizes. Em silêncio.



De amnhã, ele acordou, ela já havia saído para o trabalho. Com a pica vermelha, inchada, ele sorriu contente, viu os lençáis esporrados, virou de lado e dormiu, descontando a “insônia”. Quando foi de noite, ela chegou do trabalho, foi como se nada houvesse acontecido. E nunca mais aconteceu, mesmo. Foi sá uma noite. Mas que noite!

VISITE NOSSOS PARCEIROS

SELEÇÃO DE CONTOS


Online porn video at mobile phone


fui tomar banho na casa do amigo e comeu a mulher deleContos eróticos minha prima dica qué seu namorado não dava contasurprendida pela minha amiga lesbica contos eroticosContos eroticos novinho cu sendo rasgado pau dotadocontos eróticos da em cima da irmahttp:/contos eroticos com paraibanocontos eróticos falando de orgia em faculdade de juazeiro do Norte asgostosas ticoscontos eroticos esposa praiaconto gay vendedorsarrou a bucetinha no meu ombro no onibuscalcinhas usadas da minha tia,safada contosna quarta feira de cinzas contos de sexoiniciacao putaria bi conto eroticoestrupei o cú da minha mÃecontos eroticos fui comida feito puta e chingada de vadia pelo meu tioler relatos de garotas que gosta de "loirinhas greludasmeu filho xerou meu cumulher domadora de cavalos de pau durocontos eróticos de bebados e drogados gayscontos eroticos enchi minha filhinha de porracontos fui brincar amoite de esconde esconde e dei o cu pra todos mulequescontos eróticos dona putonacontos eroticos pauzudocontos eroticos travesti gordafiquei olhando o travesti encoxando meu marido no onibusconto erotico confessei para o meu maridoconto erotico rosadinho troca trocapau expulsa pau do corno da buceta contoscontos o pedreiro me fez mulherConto erotico de sexo incesto cheiro da buceta suada da irmacontos de coroa com novinhocontos tia gostosa com sobrinho no beijo e amasso no carrovoyeur de esposa conto eroticovídeo de professora dando a pombinhacontoseroticos fissurado no cu da esposacontos noivas deram pra cunhadoconto meu tio encheu a b********esposa voltou raspadinha contosconto erotico fui no banheiro da estrada mijar e me assustei com o tamanho do pauzao do negaocasado contos eróticoscontos fudendo minhas primas peitudascontos eroticos comi a noiva do otariocontos meu calmante é picacontos eróticos pastor taradocontos de sexo com novinhas trepando com advogadosquero ver um vídeo de graça de graça rouba pica bem grossa dentro da b***** entrando bem devagarzinho b************Contos gay novinho que foi rasgado por varios homensContos erotico ferias quentes cinco o retorno do titio pegadorpôrno pima maveliaconto erotico polyana menage contos eroticos zoofilia aparelho coletafodida no onibus por coroa contoscontos eróticos gay foi no sítio é achou uma calcinhatrai meu marido na hora do futebol dos contospornodoidonaocontos er¨®ticos incesto ensinei minha filha a ser cadelacontos eroticos sou puto do meu padastrocontos eroticos gay meu vizinho de dezenove anos me comeu quando eu tinha dez anosrelatos veriducos de mulheres casadas que deram o cu pra outros homens na frente de seus maridoscontoseroticosiniciandogostosa de olho bendada e trançadalésbicas chupando sopinhasfui violentada por um travesti que deixou minha buceta toda meladatirou foto da prima e chantagiu ela xvideosmulher nua e corpo melado de margarinaContos de sexo virgem dor extrema membro grosso teen incestominha mulher para transar logo Ricardo que eu quero verEsposa na dp em casa contossai p festa com minha sobrinha e fudi ela na volta contosconto erotico gay magrinho calcinha e coroaconto erotico tira a roupa revólvercoloquei minha sobrinha de quatro virgemcontos erotikos moleke de menor comendo o cu da mulher casadacontos eroticos mamae me da o cu sem do pegueimeu amigocomendo o cu da minha mulhercontos esposa bunduda so traz problemasMinha mãe traiu meu pai e voltou com a buceta cheia de porra para casameu marido liberou também conto cuconto com onze anos trepei gostoso com meu padrasto que gozou na minha buceta inchadaconto erotico meu bezerro boqueteirocontos eroticos corno e amigo mesmcontos eroticos orgia nudistaconfia minha madrasta no pornô chorando gostosahttps://idlestates.ru/conto_23966_fazendo-amor-com-o-filho-adotivo.htmlcontos eroticos possuida por uma estranha gostosacontos eroticos minha mulher gosta de apertar minhas bolascontos eróticos chupei meu padrastocontos como dopar maridome somaram a maõ no cu e buceta contosgostosa da propaganda da Tininhacontoseróticos metendo com o bebê no colofodendo cu da vizinha no matopornodoidocontos eroticos - arrombando cuzinhochupando o vizinho conto erotico gayvideo di japonesas e travestis dormino