Aviso: Voltamos Envie seu Conto estamos aguardando, recupere sua senha caso ja foi cadastrado antes !
Já está liberada a área de Cadastro de contos. Cadastre-se e evie-nos o seu conto

COMENDO A CRENTE CASADA



Certo dia, estava eu em casa num domingo a tarde, apás uma longa briga com minha namorada, voltei p casa decidido em meter uma galha na cabeça dela.

Estava injuriado da vida e deitado na rede na varanda de casa imaginando minhas amigas que minha namorada odiava e pensando em qual delas eu iria meter a lábia p poder esfregar na cara de minha namorada. De repente ouço baterem palmas no portão, eram duas moças, uma mais linda que a outra.



Fui até elas e perguntei no que poderia ser útil p elas, e começaram a me evangelizar. Uma das crentes era casada, porém era impossível deixar de notar o belo par de seios que ela sustentava, sem falar da bundona e do belo par de pernas que ela tinha.



Prolonguei a conversa a fim de ficar secando aquelas tetas pelo maior tempo possível, foi quando as convidei p entrar e continuar a prosa na varanda. P minha surpresa, a outra crente disse que seguiria evangelizando e que esperaria a amiga no final da rua.



A crente casada entrou, foi na minha frente e rebolando aquele rabão gostoso. Sá de lembrar meu cacete já sobe. Ofereci um suco p ela, enquanto eu fui buscar, lembrei de um tesão de vaca que meu irmão tinha no guarda roupas. Coloquei um pouquinho no suco dela e entreguei, não achei que aquilo fosse fazer efeito.



Com o Fluir da prosa, eu toquei no assunto “sexo na igreja”. Ela sentiu-se envergonhada mas logo estava no papo. Inventei uma histária que o pastor havia me reprimido por eu ter andado ao lado de uma jovem fiel e pedi que ela levantasse p que eu pudesse demonstrar como foi. Ela não queria, mas consegui convencê-la. Quando ela ficou de pé, eu fiquei atrás dela e dei uma encoxada nela. Ela pulo na frente e alegou ser casada e fiel, eu disse que apenas estava demonstrando e a encoxei novamente, ela com a guarda já baixa, deixou e eu comecei a falar palavras sacanas no ouvido dela e ela se arrepiou, era o sinal. Não sei se a substância tava fazendo efeito ou se minha senvergonhice era mais forte, sei que eu beijei a nuca dela e ela respirava ofegante disse que não trairia o marido dela. Eu disse que ele não precisava ficar sabendo e que Deus a perdoaria, afinal se ela estava começando a se entregar é por que o marido dela não estava mais fazendo as coisas como deveria, e nessa hora passei a mão nos seios dela. Ela segurou minha mão apertando contra os seios dela. Já era, ela tava na minha.



Me passei p a frente dela e beijei sua boca, comecei a despi-la e beijá-la fervorosamente. Quando ela estava sá de calcinha e sutiã eu a levei p o quarto e a coloquei na cama. Era uma cena linda, aquele mulherão com langerie vermelhinha e pequenininha, nem parecia a mulher fiel e evangélica de 19 minutos atrás.



Tirei sua calcinha e comecei a chupar sua bucetinha careca. Ela se contorcia e empurrava minha cabeça contra a buceta p eu chupar mais, cheguei a ficar sem ar. Depois me passei a mamar nos peitão gostoso dela! Ela pedia sempre mais e eu não poderia deixá-la passar necessidades, pois realmente o marido não era mais o mesmo com ela. Ela implorou que eu a comece e de quatro comecei a meter na bucetinha quente dela. Comecei levemente e fui aumentando a intensidade. Você não imagina o quanto eu fui a loucura vendo-me pelo espelho fuder aquela crente de quatro, sentir a buceta quente e delirar vendo os peitão balançando.



Botei ela por cima de mim e a parada ficou mais gostosa ainda. Eu nunca tinha trepado com uma mulher que rebolasse tanto em cima dum cacete. Depois de muita cavalgada dela, fiquei de pé, ela de joelhos e ela pagou-me um boquete caprichado. Daqueles que o pau vai no fundo da garganta dela, bem diferente do boquete mirrado de minha namorada que ela sempre cortava meu cacete no dente. Falei p a crentezinha que com um boquete desses logo gozaria, e não demorou mesmo, foi tudo na garganta da beata, ela engasgou-se e acabou engulindo tudinho. Mesmo depois da Gozada a botei de quatro e a fiz gozar também, aquilo era o paraíso p mim, não queria sair de cima dela de jeito nenhum. Foi quando avistei o tobinha rosado dela e quando botei a cabecinha ela disse que não, que ali era proibido pela religião dela.



Eu perguntei se ela já tinha tentado e ela disse que não, então disse a ela que ela não pode fazer julgamento de algo que ela nunca experimentou e então ela pediu cuidado. Fui cauteloso mesmo, adoro um cuzinho. Depois que já tava tudo dentro e ela não sentia mais dores, botei p fuder mesmo acabei gozando denovo dentro do cuzinho dela! Caí de lado cansado e ela do meu lado.



Desde esse dia p cá, todo domingo ela sai de casa p assistir o culto, mas a gente vai é p um motel p o “cú torar.” O Marido corno nunca percebeu e nem minha namorada chata e assim seguimos nos deliciando.



VISITE NOSSOS PARCEIROS

SELEÇÃO DE CONTOS


Online porn video at mobile phone


video de jovens travesti praticando incesto com padrastoconto erotico ele me encoxou no onibusconto pono de mulhe deiixa seu ammate negao tira sangue da suuua fiilhacontos eroticos cuspe punhetaPapai derramo leitinho na minha cara contos eróticosconto fala todas solteiro cornoconto erotico eu fui no ensaio da escola de samba e dei o cu laContos erocticos aaaai papaicomendo a carlinha casa dos contosgostosa.acarisiado.a.buseta.deibacho.da.mesamulher no carnaval gozando muito no camarote ela ea amigacontos eroticos gay meu vizinho de dezenove anos me comeu quando eu tinha dez anosMaurinho com pênis grande transando com mulhercontos vi minha irma com pausudocontos eroticos primos relatado por mulherescontos foi sem quere comi a cunhada coroaeu e minha mae drogados contos eroticoscontos eróticos de bebados e drogados gaysContos meu prefeito me comeu com fotospapai me fudeu gostoso e eu gozei no cacete delgreluda se masturbando com seu cão no quartoa vovo gostosa conto eroticoSobrinhas do prazer contoscontos inserto fatos reais gayconto erótica- meus amigos fuderam minha noivaCornos by contosSentir tezao por tênis feminino e normalconto er seios quadril glandecontos depois de velha fui arrombadacontos eróticos de n********** dando para pau gigantesAi tira tira, aguenta sua cadela so vou parar quando eu quiser e quando eu tiver satisfeito piranhabotamos pra fuder contosAs 3 porquinhas do vizinho Contos eróticoscontos de casa de swingcontos porno de incesto, interior da bahia com o irmao acidentado de moto, contos pornocomtos eroticosgarotasconto erotico arrombei o travesti do baile funkcontos eróticos de bebados e drogados gayscontos eu e meu marido adoramos ir no cinema ver pornocontos eróticos de irmã e irmão, irma com mega bundaotirou foto da prima e chantagiu ela xvideosconto de cunhada depilando o cu para levar varaMinha vizinha me deixou ver ela transando contosconto ele me comeu pelo buraco da paredecontos eroticos dando cu pro filhoconto cinema porno casalconto erotico cuidando das amiguinhas da minha irma viifui arrombado no cuzinhovideos porno minha mulher me satisfazendo na cama presente de aniversáriocontos travesti e mulher casada juntas dando o cu pra homem e o cãocontos porno com vigilantes mulherconto erotico estuprada de biquínicontos abusadoeu mesmo arrumbo meu cu contos eroticoschupei meu filho contos eroticoscontos eróticos gays a primeira vez com 24 anoscondos erodicos perdendo virgindadecontos porno meus amigos colocaram dois pau no meu cuzinhoContos erotico de exibi a bunda muito grande de fio dentalConto erótico gay camisa social de sedaconto erotico chantagiei a esposa do meu funcionáriocontos eroticos com a diretora da escolaNovinhas sendo arrombadas por patrão e peões na fazenda contos eroticoscontos eroticos comi a mulher do traficanteesposa do amigo minha cadela contoamei ser estupradaconto zoo cadela patraozoofilia umcacete enorme pra pequena putaFui a depilação ela me lambeu contoconto eroticos comendo a irma de perna quebradamenina de menor fazendo filme pornô com minha Duduconto porno mulher gosta pau 25cmO pau preto e o cabacinho contos eróticosvoyeur de esposa conto eroticoContos gays estrupados na obra