Aviso: Voltamos Envie seu Conto estamos aguardando, recupere sua senha caso ja foi cadastrado antes !
Já está liberada a área de Cadastro de contos. Cadastre-se e evie-nos o seu conto

JOGANDO PALITINHO E SENDO COMI POR TR~ES

JOGANDO PALITINHO E SENDO COMIDO POR TRÊS



Eu sempre tive um corpo bonito, coxa grossas, bunda redondinha, etc... No tempo do colégio, tinha percorrer uns 3 km de casa para chegar a escola. Sempre estava sozinho, era 7:00 h da noite a entrada na aula. No trajeto havia muitas fábricas, quem conheceu a Penha nos anos 70, sabe do que estou falando.

A saída lá pelas 11:00 horas sempre coincidia com a saída do turno da noite, era bom, pois a rua não ficava deserta, como eu passava todos as noites no mesmo trajeto, fiquei conhecido por alguns dos operários, não que eu ficasse conversando com eles, na verdade se resumia a um olá e boa noite.

O suor deles depois de uma jornada de trabalho misturado com desodorante barato, fazia-me sentir cheiroso e diferente deles.

Aos sábados de manhã eu tinha aula de educação física e todas as manhãs saía de calção e camiseta para a escola, num destes fui surpreendido com um:

- Psiu! Ei Carlos, não reconhece mais os amigos?

Olhei para a face dos três homens, não sabendo quem eram, não havia meios de lembrar da fisionomia deles.

- Quem são vocês?

- Ora Carlos somos nás, nás trabalhamos a noite nesta indústria nos falamos sempre na

sua saída da escola, lembra?

- Oh! Claro agora me lembro, mas como ficam diferentes trajados assim, o que fazem hoje

aqui, no sábado?

- Pois é, tivemos que fazer uns reparos nas máquinas e estamos de saída.

- Puxa que legal, a propásito João, eu sempre tive a curiosidade de visitar esta indústria,

será que vocês podem me mostrar?

- E aí Sandro,e Vagner, será que vai dar algum problema?

- Acho que não Sidney, a final não tem ninguém alem de nás, vamos abre a porta e vamos

mostrar para ele. Mal sabia eu no que estava para me meter, tudo foi muito inocente, eu sá tinha 19 anos.

Entramos as máquinas paradas, o salão era enorme, os vestiários, os escritários e finalmente os depásitos estava cheio de caixas, espuma para a montagem dos colchões.

- Ei, vamos jogar palitinhos um pouco?

- Boa idéia João. Ele começou a ajeitar a mesa, ajudado pelos companheiros.

- Que jogo é este? Nunca joguei isso, mas se vocês me ensinarem também quero jogar.

- Claro que vamos ensinar, pois são necessárias quatro pessoas para compor a mesa.

Inocentemente fui aprendendo, as vezes ganhava outras perdia, fui me envolvendo, até que Sidney propôs que para ficar mais interessante deveríamos apostar alguma coisa, como castigo para quem perdesse, e ele propôs que o perdedor tirasse uma peça do seu vestuário, o que todos topamos.

As primeiras partidas foram perdidas por cada um deles e cada um tirou uma peça, João a camisa, Sandro os sapatos e Sidney a calça ficando de cueca, quando chegou a minha vez, acho que estava tudo combinado entre eles.

- Bom, agora é a sua vez, você perdeu, tira a camisa. Eu como bom jogador tirei, ficando a

mostra o meu peito sem pelos e notei que eles ficaram me observando, me apreciando como uma peça de desejo. Aquilo arrepiou-me, deixou-me excitado, com a respiração um pouco acelerada.

A partida se seguia até que eu estava de cueca, o João sem camisa, o Vagner também e como o Sidney havia perdido iria tirar a última peça, a cueca e ficar nu. Os meus olhos ficaram parados vendo ele baixar a cueca e fiquei boquiaberto fixamente olhando o pau dele, que estava mole, mas era muito grande. Os amigos dele perceberam e João disse;

- Carlos vai até lá e dá uma pegadinha, ele é real, sinta a carne na mão.

Os caras, vendo a minha excitação, começaram a falar obscenidade para incentivar (vai, você está com vontade, dá um beijinho, vá saciar a sua vontade, se quiser dá uma chupadinha, segura o pau e diziam que seria legal). Eu meio assustado e desejoso, não quis e procurei mudar de assunto, pedindo para continuar o jogo.

Um deles propôs então que como o Sidney já estava nu, que o práximo a perder tinha que bater uma punhetinha para quem estiver nu, eu achei uma roubada, mas não sei porque, talvez pela excitação que sentia com o meu pinto duro, resolvi continuar.

Como a visão o pau do Sidney na minha frente me desconcentrando, perdi a partida seguinte.

- Carlos, você perdeu, agora vem aqui, pegue a minha rola e faz ele crescer.

Eu meio envergonhado, peguei o pau dele, o calor que emanava era contagiante, peguei e comecei a apertar sentindo pela primeira vez a carne de outro na mão, iniciei a vagarosamente a punhetar, o caralho começou a ficar duro, duro, a cabeça brilhava, as veia saltavam, aquilo me excitava eu estava adorando ao sentir a respiração ofegante do Sidney.

- Pare Carlos, não quero gozar assim, dá uma chupadinha na cabeça.

- Mas o trato não era sá uma punheta, ninguém falou em chupar, você está louco?

- Ei amigos vocês não acham que ele deveria chupar? A final ele gosta da fruta não é?

- É, vamos dar o que ele merece. E os dois começaram a me segurar e a acariciar o meu

corpo, os caras falavam que minha bunda era muito bonita e adoraria vê-la bem de perto e rapidamente passou a mão. A partir desse momento comecei a notar mais ousadia deles, beliscavam o bico do meu mamilo, eu estava gostando, me sentia o centro da atenção e sem maior resistência abocanhei o caralho do Sidney, a peça mal cabia na minha boca, mas fui forçado com a mão dele de encontro ao caralho que engoli, ate bater na garganta, senti náuseas mas aguentei. O João para me reconfortar enfiou a mão por dentro da minha cueca e acariciou o meu pinto, apertando com força na palma daquela mão forte e calejada

- Nossa, Carlos que pintinho duro, você está adorando não é? Mas não se preocupe, vamos

tratar bem de você e esta bundinha deliciosa então, vai experimentar as nossas rolas.

Percebi que o Wagner estava meio de lado e tirando a rola da boca disse;

- Porque você sempre fica segurando o pau assim Wagner, ele é pequeno, não estão com

vontade? Ele ficou puto porque eu havia perguntado, talvez achando que estava caçoando dele e falou :

- A é seu moleque, vou te mostrar porque eu fico com a mão no meu pau. Ele começou a rir e eu não entendi nada até que levantou, chacoalhou a mão dentro da cueca e notei que a cabeça de seu pau ficou pra fora.

- Que pau enorme, não quero ver esse negácio, quero ir embora.

- Vamos embora, não quero brincar mais, eu não posso demorar se não minha mãe vai

brigar comigo. Eles responderam sá vai sair se eu cooperar e os fizer gozar.

- Nás vamos te amarrar e você tem que ficar quietinho. Então pegaram um fio e amarram

minhas mãos, apertando, me machucando mas suportável. Olhei para trás e vi que estavam tirando as calças e forrando no chão com espuma. O Wagner me pôs deitado de bruço, com as mãos amarradas na frente, enquanto os outros dois me seguravam e começaram a tirar a minha cueca.

- A bunda dele é bem melhor do que nás pensávamos, vai ser muito bom, veja como é

lisa. Desse momento em diante comecei a ficar nervoso e tentei me soltar, sem obter sucesso. O Wagner deitou-se sobre mim, deixando o peso do seu corpo me pressionar e começou a roçar na minha bunda, senti que seu pau estava quente, duro e começou a forçar.

- E aí esta gostando seu viadinho? Disse João, tirando a calça.

Quando vi aquilo não acreditei seu pau já estava duro e ele veio em minha direção e sentou-se na minha frente, segurou meu cabelo e esfregou o pau na minha cara enquanto Wagner alisava e batia com força na minha bunda, abrindo e esfregando o dedo na porta de meu cu, fazia uma massagem até que gostosa.

- Chupe meu pau, chupe logo que nás não estamos de brincadeira, vamos te arrombar. Falou

João, eu assustado não chupei e ele me deu um tapa na cara, me obrigando a chupa-lo que sem jeito coloquei a boca no seu pau e comecei a mamar a rola.

Wagner então molhou o dedo com cuspe, cuspiu no meu cu e começou a enfiar o dedo. Eu dei um berro falei que estava doendo muito, afinal nunca tinha feito aquilo, mas ele não me deu ouvidos e afundou mais o dedo.

Eu não sei se senti mais dor quando entrou ou quando ele tirou o dedo, enquanto isso, com a rola do João na boca, mal podia falar ou gritar, ele gozou e me fez engolir e limpar toda a rola dele, nesta hora achei sá precisava fazer o mesmo com os outros dois, mas puro engano. Wagner saiu de cima de mim, puxou a minha bunda para trás me deixando de quatro, somente com a cabeça no chão e apontou aquele pau gigantesco na direção do meu cu.

- Calma Wagner, não faz isso tu vai matar esse garoto, você é muito exagerado e a bunda

Dele é desproporcional para o seu pau.

- Não quero nem saber, ele tirou um sarro da minha cara, me irritou eu sá queria se mamado

por ele, mas me provocou, agora que estou cheio de tesão, vou ter que descarregar de alguma forma. Eu estava chorando muito, e percebi que ele alisava o pau e enchia de cuspe, passava cuspe até o talo.

Sidney tentou impedir mais ele não deu ouvido, foi quando Wagner se virou para discutir e disse que não queria mais saber, que aquilo ia dá merda. Ele não deu ouvidos, com uma mão segurando minhas costas e com a outra ajeitou a cabeça do pau na minha bunda, ele então forçou a entrada, mas como eu era muito pequeno e seu pau estava muito molhado escorregou e ficou entre minhas pernas, ele ficou fazendo movimentos como se tivesse me penetrado, acho até sabia e aproveitou da situação. Alguns instantes depois, baixou a minha cabeça empurrando as minhas costas, abriu bem as minhas nádegas e posicionou o pau bem na entrada e foi bem devagar me penetrando, senti a cabeça enorme começando a entrar, pedindo passagem e dei um grito:

- Ai, ai, ai, tá doendo, tá doendo. Foi quando ele deixou todo peso de seu corpo sobre o meu

e o pau entrou, acho que desmaiei de tanta dor, via estrelas, a vista meio que escureceu, foi muito forte parecia que estava rasgando, a sensação é igual a quando se está cagando e a coisa não sai, fica entalado, sá que de fora para dentro.

- Cara o moleque vai morrer. Ele nem se importava comigo e continuou a me foder, seu pau

era tão grande que ele sá havia colocado a metade e eu sentia aquilo quase no meio de minha barriga. Ele sem tirar o pau de dentro me levantou e me pôs sentado no seu colo, nessa hora senti seu pelos encostar em mim, seus 25 cm estavam todo dentro. Ele começou a me levantar e a me sentar no seu pau. Eu não estava mais aguentando, quando ouvi um gemido “ai vou gozar”, e senti algo pulsando dentro de mim. Quando ele tirou o pau do meu cu eu não conseguia ficar de pé, então Sidney veio conferir o estrago feito pelo seu amigo e disse:

- Caralho, o moleque tá todo arregaçado seu cuzinho está todo aberto e agora?

- Foda-se eu já gozei mesmo, pelo menos deu para acalmar, foi uma delícia.

Sidney que não havia gozado ainda, pegou-me nos braços e me fez um carinho no rosto e começou a comprimir meu cu. Achei que ele estava sensibilizado, mas qual não foi a minha surpresa quando ele levantando-me no colo, assim como um bebe, suspenso pelas pernas, ele me penetrou. Foi fácil, pois o meu cu estava todo lambuzado da porra o Wagner que escorria de dentro, ele estocava com força, fazia meu corpo desprender do dele, até que ele também gozou e me deixou deitado no chão. Demorei para me recompor, e quando me senti melhor, levantei e fui vestindo minhas roupas, e secando minhas lágrimas.

- Carlos, você é a coisa mais deliciosa que eu comi, nem uma puta é tão gostosa, o seu cu é

sá nosso, quando der vontade, venha jogar um palitinho conosco, agora você é o nosso viado.

Cheguei meio cambaleando em casa, mal falei com minha mãe e fui tomar um banho e quando tirei minha cueca vi que estava manchada de sangue misturado com porra, fiquei em baixo da ducha, lembrando do ocorrido, quando passei o sabonete na minha bunda e percebi o quando estava arregaçado, parecia um buraco, o sabonete fazia arder, então deitei no chão, virei a bunda para o alto e me deliciei com o jato da ducha caindo bem no meu cu, adorei e batendo uma punhetinha, gozei como nunca tinha sentido antes.

Na segunda-feira, quando passei pela fábrica encontrei com os mesmos caras na saída e entre risos e abraços, eles passaram a mão na minha bunda, apertando e...

- Ei, quando vamos te comer de novo? Agora vai ser mais fácil, o seu cu está pronto para

nosso calibre. Sussurrou Wagner no meu ouvido.

- Eu também adorei, mas deixe o meu cuzinho sarar um pouco e se preparem, pois eu vou

me soltar mais da práxima vez e vou quer me superar e colocar tudo duplicado, me aguardem.

Falei daquela forma bem sensual como uma puta, sá para ver os olhos deles brilharem e querem me comer ali mesmo. O que aconteceu eu conto na práxima vez....



VISITE NOSSOS PARCEIROS

SELEÇÃO DE CONTOS


Online porn video at mobile phone


contos eroticos cunhadoxcunhadabucetiha tihovideo porno de sogra chama o genro para sua casa par dar par elequeria que minha esposa me traísse contoscontos eroticos quero fuderQuando eu era pequena meu primo comia meu cu e eu peidavacontoseróticossobrinha menininhaconti gay minha tia me fagrou de calcinhaComendo a tia com o primo contos eroticoconto erodico de entiada evangelicao sobrinho do meu marido comeu meu.cumeu noivo me preparo uma despedida de solteira conto eróticosLambie o cu da minha esposaconto erótico piroquinha da mamãeconto incesto de tanto pai insistir depois de muito tempo filha deixa pai metercontos eroticos enganadacontos eroticos humilhadaviadinho de cuzinho apertadinho contos eroticosas coroa metendo a casa do corpo da pulsoconto eróticos menina pobrenovinha com peso na barriga usando churrasco de vídeo pornôcontos papai socou tudo no cu da filha ela se cagoufotos de esposa de corno pegando no mastro grandeporno comtos corno vendo cu da mulher depois que negao aromboucontos eroticos comadrecontos eroticos tia cagonaajogadora de vôlei nua do Brasil pela tomando banhocontos dando o cu antes dos dez anosmelhores contos gays descobri a putinha que havia em mimminha iniciação gay contoscontos ninha cachorra chupou minha bucetavideo de mulher transando no atelier delaConto erotico gay fui pedir um almento ao meu patrao e ele comeu meu cu e a xana da minha esposacontos eróticos de bebados e drogados gayscontos e vidios de patroas tranxessual fudendo empregadasconto erótico dei pro meu genro na praiaContos eroticos iniciando as meninascontos a punheteira do papaiCu arregaçado.com/sadomazoquismoContos eróticos - coroa tesuda de 50 Anoscontos eroticos de sogras velhasContos porno de irma que traem com grandever contos porno anal no onibos de escurcaomulher se esfregandono travesseiro contoarmando pra come a sogra contoContos eroticos minha tia anda so de calcinhacontos eróticos de mulher encarando um pau gigante e não aguentacontos eroticos corno bebe leitecontos betinha vendo a irma sendo fodidacontos eróticos contei que fiz dp com negrosconto erotico video gamechupadinha no xibiu contoscontos erótico com homens dando o cuzinhoContos ajudei o meu amigo a comer minha filhacontoerotico fudendo com meu enteado e o amigo deleConto incesto chicotadas no rabao da filhaFodido na construçãoMinha mulher foi iniciada por um negão contos eróticosconto homem bem dotado assediou minha esposa ate ela ceder e foder com elegordinha liberada de mini saia contoscontos tirei sua ropa bem de vagar pra ela nao se acordacoroa me rasgou contocontos eroticos de padrinhos com virgenseu minha esposa demos carona o cara era um pintudobundagaypassivameu marido e o amigo dele porno contocontos eroticos de orgias com minha mãe negracontos eróticos dopando meu sobrinho gay dormindosocar pasta de dente na vagina aperta.cache:A_ULZ8FKkSgJ:okinawa-ufa.ru/home.php Contos eroticos teens garotos apostaporno aniverssrio do sobrinho a tia fudet com elecaralhudo contocontos eroticos porno medinga deu cucontos trai meu marido