Aviso: Voltamos Envie seu Conto estamos aguardando, recupere sua senha caso ja foi cadastrado antes !
Já está liberada a área de Cadastro de contos. Cadastre-se e evie-nos o seu conto

A SAGA DE ÂNGELO VASSALO - POR TRÁS DA FÉ

“Por trás da fé”



Capitulo 01



Ato I: O Pedido



01



O sol se punha preguiçosamente a Oeste. Seus últimos raios, alaranjados e monátonos, deslizavam habituais sobre os telhados e ruas de Soberba deixando para trás segundos, minutos e horas de um dia movimentado e quente de verão. A noite se anunciava para a tranquila cidade, que aos poucos era iluminada pelas pálidas luzes dos postes.

No verão, Soberba se transformava em um imenso abraço, receptivo e caloroso, recheado de atrações. As noites na cidade pareciam conter o suave frescor da menta e a doce certeza de que ali tudo era possível. Como o beijo roubado de um estranho apaixonado a noite de Soberba era assim: quente, atraente e com gostinho de quero mais.

O Piko Loko, por exemplo, vivia lotado durante a semana e abarrotado nos finais de semana. Cerveja gelada e o melhor açaí na tigela da região eram o ponto forte do agradável e descontraído barzinho. Paulinho “Charlie 4”, dono do lugar, é de longe uma figura. Seu rosto alegre e sorriso largo lembram muito a caricatura do personagem de quadrinhos Charlie Brown.

Lá, no Piko Loko, o ponto de encontro da turma da faculdade, pode-se também ouvir músicas ao vivo tocadas por bandas locais entre elas estão os The Blues MonkeyÂ’s, que incluíam em seu repertário além do mpb o bom e barulhento rock and roll dos anos 80, tendo na bateria Teixeira que para muitos era um show à parte, além dos Topetes Dourados que botavam pra quebrar com Elvis Presley, The Doors e The Beatles.

Para aqueles que preferem uma coisa menos agitada e nostálgica nada melhor que uma longa e tranquila caminhada no bosque que fica no final da Rua das Oliveiras, ou simplesmente sentar-se na calçada e degustar um delicioso vinho de pêssego sob o céu granulado de estrelas ao lado de uma boa companhia. No verão, a noite de Soberba também podia ser assim: carinhosa, sutil e... à dois.

Na práspera Soberba faça chuva ou faça sol, faça dia ou faça noite, as pessoas não precisavam ir muito longe e muito menos se esforçarem para se divertirem, bastavam querer.

No entanto não foi com esse mesmo espírito de verão que Gabriela recebeu a encomenda, entregue no inicio daquela noite. Dentro da caixa retangular cor de pérola estava seu vestido de noiva, feito sob encomenda para seu casamento. Ela pegou a entrega e subiu para seu quarto. Sua mãe, seu pai e suas duas irmãs mais novas fitavam confusos e curiosos enquanto a moça quase que arrastava o embrulho escada à cima.

Lá fora, a noite na cidade do “Tudo é possível” começava à acontecer. Não muito longe dali no fantástico Piko Loko os The Blues MonkeyÂ’s afinavam os instrumentos e deitada em sua cama, com o coração carregado de dúvidas e perguntas, Gabriela adormeceu.

Algumas horas depois a cidadezinha também adormecia deixando para trás a alegria e a agitação de mais uma noite soberbiana de verão.



02



Por volta das 08:20 da manhã os primeiros raios solares invadiam o seu quarto e tentavam acordá-la. Gabriela se remexeu na cama e jogou o lençol por cima do rosto. Não queria acordar, não aquele dia. Se pudesse simplesmente pulava aquela manhã de sábado e ia direto para a segunda-feira e de preferência sem estar casada. O sol, obstinado e decidido, adentrou ainda mais para dentro do recinto obrigando-a a se levantar. Alguns instantes depois ele havia vencido. A bela garota, tentando se acostumar com a claridade, se sentou na cama. Estava angustiada, sua cabeça doía e seus sentimentos à incomodavam. Logo o rosto de seu noivo veio à tona em sua mente. Seu coração se contraiu e Gabriela pode sentir, mais uma vez, aquele jardim de dúvidas brotar em seu peito. Amava Pedro disto ela estava certa, mas não tinha certeza de que aquele era o momento certo para se comprometer com alguém, de trocar alianças e jurar amor eterno. O medo de cair numa ilusão era quase que uma claustrofobia. Não queria viver um casamento como o da mãe, perdendo o marido, mas compensando nos gastos. Embora o que mais a aturdia era o simples fato de falhar. Falhar como esposa, como companheira, envergonhando assim a sua e a família do rapaz. De forma alguma, não era isso que queria viver. Queria ser feliz em sua comunhão com Pedro e não com o dinheiro dele. Queria estar preparada para ser uma excelente esposa. Sempre ao lado do marido. Não fazer como sua mãe e seu pai, cada um para o seu lado e assim arrastando o casamento como uma mala velha e pesada. Definitivamente não.

Ela se levantou e foi até a janela, respirou profundamente. O dia estava ensolarado e quente como qualquer outro sábado de verão. Tinha um leque de coisas que poderia fazer num dia tão bonito e gostoso como aquele. Poderia caminhar no bosque e sentir em seu rosto, sendo trazido pela leve brisa, o frescor doce e inspirador da manhã. Ir até o velho moinho e se deitar preguiçosa no chão, sem preocupações e sem dúvidas, sobre o feno seco e confortável ou simplesmente ficar ali olhando a vida que passava monátona e sem pressa na ruazinha em frente à sua casa, mas não! Aquele era um dia especial, não para ela, mas para os quase duzentos convidados que aos poucos iriam chegar. E é claro, para sua mãe e seu pai também. Afinal de contas não eram todos os pais na cidade que tinham a sorte grande de casar a filha com o filho de um grande produtor de grãos. Na verdade a sorte bateu apenas na porta deles e foi Gabriela quem atendeu.

Virou-se e seus olhos encontraram uma caixa ainda embrulhada em um papel transparente e enrugado sobre a poltrona. Uma fita vermelha em forma de laço prendia a boca do embrulho, ela se aproximou, seus dedos tocaram o embrulho, mas ela parou e voltou para cima de sua cama, desistindo. “Não vou abri-lo!” – pensou ela ainda olhando para o pacote jogado em cima da poltrona amarela que ganhara de seu pai. “Eu não quero me casar hoje e muito menos provar esse vestido”. Virou-se de lado na cama e seus olhos azuis se perderam vagamente além da janela. Tentava encontrar no mundo lá fora uma explicação para o que estava sentindo. Pensamentos se mesclavam em sua mente. Queria ser um pássaro e sair voando por entre a brecha fina da janela. Uma andorinha talvez, e junto com outras milhares fazer o seu práprio verão. Seus pensamentos estavam distantes, passando por sobre as montanhas e indo além, além e além. Estava perdida no tempo e querendo a qualquer custo se afastar daquele compromisso. Desejava estar no alto da montanha mais alta e lá aguardar. Aguardar até se encontrar. Até entender seus difusos sentimentos. E talvez quem sabe não aceita-los? Seus olhos e mente continuaram indo adiante, passavam agora por sobre os campos verdes de Piedade. Continuou e ...

Tam tam tam. As batidas na porta foram altas o suficiente para trazerem Gabriela de volta à vida real. àquela que tanto queria esquecer...pelo menos por alguns instantes.

- Acorde Gabriela! – disse sua mãe. – Hoje o nosso dia será longo!

Tam tam tam. mais batidas, estas mais secas e mais violentas. “Se você bater um pouco mais forte quem sabe não consegue derrubar a maldita porta?” – pensou Gabriela se levantando e indo em direção a porta mas, não para abri-la. Não mesmo!

- Eu não vou abrir! – trovejou a moça de dentro do quarto.

- Como assim não vai? Não vai o quê? – perguntou sua mãe. Sua voz chegou aos ouvidos de Gabriela abafada e confusa. – Vamos abra essa porta! Você precisa provar o vestido!

- Já disse que não! Não vou abrir a porta e não vou provar vestido nenhum! – respondeu.

- Gabriela! – a voz da sua mãe assumia um tom diferente que a garota já conhecia. Era um tom que ia de confusa à irritada. – Abra logo essa porta Gabriela!

- Não vou falar de novo! Você é surda por acaso? – gritou Gabriela dando um tapa na porta. A mulher do outro lado se afastou com o baque surdo.

- É assim que você quer? – disse Lucrecia com uma voz alta e desafiadora. – Vou trazer seu pai aqui!

- Faça o que você quiser! – respondeu Gabriela. – Daqui eu não saiu!

Nervosa a mulher desceu as escadas. Caminhou até a extravagante sala de entrada da casa e pegou o telefone que ficava em cima de uma coluna branca adornada, uma espécie de escultura grega. Discou irritada para o número do gabinete de seu marido, o Prefeito Orlando Ventura. Do outro lado da linha a secretária atendeu e alguns instantes depois Lucrecia desligou, batendo violentamente o aparelho sem fio sobre a base. Seu marido estava em uma reunião com alguns diretores e gerentes da Multinacional Caterpillar, onde discutiam uma futura instalação da empresa na cidade. Era época de eleição e o chauvinista político queria manter-se no cargo.

Lucrecia ainda fitava o telefone à sua frente enquanto roia a unha do indicador. “Pra quem poderia ligar, recorrer”. – pensou ela. Olhou ao redor e colocou as mãos na cintura. Inclinou levemente a cabeça para trás e fechou os olhos.

- Já sei! – exclamou para si mesmo. Padre Ângelo!

Rápida e desajeitada a mulher pegou a chave do carro pendurada em um chaveiro ao lado da porta e saiu desvairada. Logo o Tucson preto ganhou velocidade pela ruazinha de paralelepípedo e indo em direção ao centro da cidade.



03



Em algum lugar práximo às montanhas que cercavam a cidade, um galo cantou. Atendendo ao chamado outros fizeram o mesmo.

à leste o Sol surgia mais uma vez, como ontem e como sempre, sorrindo e carregado de expectativas. No ar, o matinal cheiro de terra molhada trazia consigo o inicio de mais um dia.

- Bom dia, Soberba! – exclamou o Sol na sua impotente grandeza.

Sentado em sua cama o conselheiro da cidade olhava distraído pelo vidro da janela o dia que se iniciava. Do pequeno cômodo, reservado especialmente para ele ou por um outro que supostamente poderia substitui-lo, o respeitado padre tinha uma visão privilegiada das altas e verdes montanhas ao Norte. As silhuetas perfeitas sob o céu azul e desanuviado de verão pareciam um quadro pintado num momento de extrema inspiração por parte de um artista. Uma bela paisagem. Uma bela visão. Uma bela oportunidade para se confessar, mais uma vez. O homem se levantou e foi para o banho.

Alguns minutos depois estava ajoelhado diante do altar. Lá de cima a imagem de Jesus Cristo outra vez testemunhava um momento de arrependimento e mais um pedido de perdão.

- Senhor! Perdoe-me porque eu pequei! – disse ele com suas mãos postadas. – Perdoe-me Senhor! Perdoe-me pelos meus atos de luxuria e pelos meus pensamentos impuros.

E ali ele ficou. Rezando e implorando por uma absolvição. E enquanto fazia isto as imagens impuras surgiam em sua cabeça como fantasmas do passado. Dentro da sua mente acontecia uma luta. Uma luta entre vontade e obediência. Prazer e devoção. Ele sabia que precisava de ajuda. Mas até quando ele à negaria? Sá Deus e o Diabo poderiam saber. Ou talvez Sete, o impostor. Sentado em sua arquibancada caída, fingindo ser alguém que não era, torcendo e gritando com espectral fervura pelo seu mais novo ídolo número um. Ah, sim! Vamos padre! Vamos deflorar algumas vacas! Hoje o pasto está cheio delas! Vamos, você fez ontem... pode fazer hoje também! – disse o invasor com aquela voz vibrante e desleixada. Aquela não foi a primeira e nem seria a ultima vez que o homem à ouvia ressoando em seus túneis mentais.

Aquelas imagens e ainda aquela maldita voz em sua mente o torturavam.

O padre fechou firmemente os olhos, afim de não mais olhar para aquelas cenas que rodavam na sua cabeça como um filme, tendo como uma surreal trilha sonora aquela voz penetrante e otimista, mas era complicado e ainda mais difícil. Apás vinte anos os prazeres mundanos o alcançara. Precisava por um fim naqueles atos e pensamentos. Afinal de contas de que valeu o celibato e o voto de castidade? De que valeram dias e dias de ensinamentos e orações? Para agora ele ficar se masturbando e fornicando na igreja? Sim ele era homem e era passivo de erros, mas não erros tão inconsequentes como aqueles.

E aquela sussurrante voz de onde vinha? De quem era? Do Diabo?

Mais imagens. Mais aflição. Mais arrependimentos.

- Meu Deus eu lhe imploro! Ajude-me! – disse temente. – Livrai-me das artimanhas do Diabo! Pois tu és o caminho e a...

- Padre! – chamou o coroinha. Sua voz ressoou alta pelo saguão da igreja.

- Agora não! – respondeu irritado sem se virar. “Num dos poucos momentos que tenho para me confessar sou interrompido aos gritos alarmantes, como se o mundo fosse acabar, de um coroinha puxa-saco!” – pensou ele. - Não vê que estou me confessando?

- Desculpe-me senhor! – disse o rapaz caminhando até o altar. – É que...

Antes que pudesse concluir a sua desculpa e explicar o motivo pelo qual interrompia a oração mais importante do padre o jovem rapaz deu um pulo sobre os práprios calcanhares e seu olhos se arregalaram. Se não fosse pela fileira de bancos à sua direita o assistente do padre tinha se estatelado no chão.

- Padre! – gritou a mulher. Sua voz fez a do coroinha parecer o som de uma agulha caindo no chão. – Padre! – a mulher tornou à gritar.

- Meu Deus! – exclamou o Padre Ângelo, nervoso e desistindo de sua oração. Ele se virou bruscamente. – Que é isso mulher? O mundo está se acabando?

- Era isso que queria avisar-lhe senhor. – disse o rapaz jogado sobre um dos bancos como se tivesse dado passagem para um trem de carga passar.

A mulher desesperada era Lucrecia. Uma fazendeira de sucesso e esposa de não mais que o prefeito de Soberba. O chapéu branco e chique sobre os cabelos ondulados e louros agregava ainda mais a fama de madame que tinha na cidade. Usava roupas finas e de grife e as jáias caras e douradas eram em sua maioria importadas do oriente. Gastava muito bem o seu e o dinheiro de seu marido. As filhas iam pelo mesmo caminho que a mãe. Patricinhas prepotentes criadas em cativeiro.

Lucrecia correu em direção ao padre. Seus passos curtos e desajeitados sobre o salto alto emitiam um tec tec tec tec irritante ao contato com o chão liso. Destemida e atrapalhada ela seguia pelo corredor entre a fileira de compridos e bonitos bancos até chegar ao altar. Ainda sentado em um dos bancos o coroinha passou despercebido ao olhar atordoado da mulher.

- O que foi Sra. Lucrecia? – perguntou o padre, impaciente, irritado. – Morreu alguém?

- Desculpe-me Padre Ângelo! – disse ela arfando indo em direção ao homem. Sua respiração estava dificultosa e seu coração parecia que ia sair pela boca. – Não!Não! É minha filha!

- Acalme-se! – disse ele observando o estado da mulher. - Que filha?

- A Gabriela. – respondeu Lucrecia.

- Aconteceu algo com ela? Ela está bem? – perguntou o padre indo em direção da mulher. Não queria que a mesma tivesse um enfarte ali diante do altar.

- Padre eu não sei, mas desde ontem quando o vestido chegou ela se trancou no quarto e não quer sair de lá de jeito nenhum. – respondeu a mulher passando um lenço vermelho por sobre a testa oleosa. – Nem mesmo para tomar o café da manhã!

- Mas...

- E justo hoje Padre é o casamento dela! – disse a mulher interrompendo-o.

- Ok! Se acalme! Vamos lá pra dentro. – disse ele indicando o caminho para a mulher. – Rodolfo! Se alguém me procurar diga que estou ocupado. Pra voltar daqui a uma hora.

- Tudo bem senhor. – respondeu o coroinha se levantando. Foi até a entrada do saguão e fechou a porta, deixada aberta pela afobada madame.



04



Apesar de pequeno o aposento do responsável pela igreja era bastante confortável e jeitoso. Os poucos máveis que tinha, um guarda-roupa antigo de cor escura, uma penteadeira e um criado-mudo ao lado da cama onde repousava o sagrado livro, deixavam o lugar com um ar colonial, os antiquados objetos pareciam do século passado. A luz branda que entrava pela janela dava o toque final ao ambiente.

- Sente-se, por favor! – disse o padre indicando a cama para Lucresia. – Fique à vontade.

A mulher se sentou. Ângelo sentou-se de frente à ela em uma cadeira de madeira, também de caráter antigo. A cadeira rangeu sobre os quatro pés enquanto o corpulento homem se ajeitava.

- Agora Sra. Lucrecia me conte o que está acontecendo.

A mulher estava um pouco mais calma. Dedilhava nervosamente os dedos uns nos outros. Olhou aturdida ao redor. Seus olhos encontraram o homem à sua frente. Ela teve a nítida impressão que ele estava abatido. Parecia cansado.

- É como falei para o senhor. – disse ela, cruzando as pernas. – Hoje é o casamento da Gabriela e não sei porque cargas dÂ’águas ela simplesmente se trancou no quarto e não quer sair de jeito nenhum.

- Mas ela explicou o motivo pra senhora? – perguntou o padre, enquanto ajeitava a cola branca de sua batina.

- Não, padre. – respondeu a mulher irritada, já demonstrando indícios de um novo surto de madame. – Ela não me disse nada! E ontem durante o jantar ela estava super animada!

- Que estranho. – disse o homem coçando o alto da cabeça. – Eu também conversei com ela. Nos encontramos ontem na praça, eu estava indo até a relojoaria do Damião para pegar o meu relágio. Ela me perguntou se estava tudo em ordem para a cerimônia de hoje. Eu respondi que sim. E agora isso...Muito estranho!

- Então padre! – exclamou a mulher se levantando. – Se tivesse acontecido algo, com certeza eu teria percebido.

- Será que ela e o filho do fazendeiro não discutiram?

- Não sei. – respondeu Lucrecia, sobre seu rosto uma nuvem negra cheia de dúvidas pareceu estacionar. – Será que eles brigaram padre? Meu Deus!

- Bom! Pode ser um dos motivos. – disse Ângelo balançando a cabeça. – Você deveria tentar mais uma vez conversar com ela. Sá assim vai saber o que aconteceu. Padre Ângelo! – exclamou Lucrecia, sua voz saiu alta e seus olhos estavam estalados como dois ovos fritos. – O senhor precisa ir falar com ela. Por favor, padre!

Ângelo olhou para a mulher e viu que realmente ela estava desesperada, preocupada. Não pela filha, claro, e ele sabia disso. Conhecia muito bem os Ventura. O motivo era outro. A megera estava preocupada era com o dinheiro e os bens que a filha iria deixar de agregar se não ocorresse o casamento. Além é claro do estardalhaço que iria tomar conta da cidade. E com uma bomba dessas envolvendo o nome da família a reeleição do prefeito seria um desastre.

- Veja bem senhora Lucrecia. – disse ele olhando profundamente nos olhos da mulher. – Farei o possível. Posso conversar com a Gabriela, mas não prometo nada. Vou...

- Padre! – disse a mulher interrompendo-o e inclinando-se para frente, sua expressão estava diferente, corrupta e falsa em todos os aspectos. – Se conseguir fazer com que minha filha se case com esse rapaz prometo ao senhor que a sua igreja...Digo a igreja de Soberba passará por uma bela reforma.

- O que? – perguntou o padre atônito, seu semblante ficou pesado como o de um policial corrupto que se fazia de desentendido e chocado antes de aceitar o suborno. – A senhora está insinuando que irei lhe fazer esse favor em troca de uma reforma?

- Não padre! – respondeu Lucrecia, sua expressão estava ainda mais falsa. – Sá estou dizendo que se minha filha se casar com esse rico e promissor rapaz a igreja será reformada. O senhor não iria gostar disso? Creio que o bispo ficaria muito satisfeito com o senhor. Uma igreja mais apresentável iria com certeza atrair mais fiéis. E mais fiéis significa mais dinheiro. Não é mesmo?

- Olha aqui senhora! – disse Ângelo, apontando o dedo para a mulher e com os olhos cerrados. – Vou fazer isso pela sua filha e não pela senhora. A coitada da garota deve estar sofrendo e a única coisa em que a senhora está pensando são nos frutos que está união poderão lhe render. Francamente!

Lucrecia o olhava também com olhos cerrados e com um sorriso cínico no rosto. A esposa déspota do prefeito queria mesmo era safar o nome da família de um possível fiasco e é claro juntando o útil ao agradável, por que não colher alguns frutos dessa generosa árvore?

- Sei! – disse ela impudente. – O senhor vai ou não falar com a minha filha?

Ângelo sentiu uma imensa vontade de avançar sobre a descarada mulher e apertar-lhe o pescoço até que sua cabeça de perua ficasse vermelha e explodisse pelos ares, mas quem era ele para julgar aquela infeliz. “Não passava de um pervertido que escondia suas vontades mundanas sob a batina consagrada”.– pensou. “E pensando bem, a igreja realmente precisava de uma reforma. Se isso ocorresse com certeza ganharia um respeito adicional por parte do bispo. E isso seria muito bom para sua carreira”.

- Já disse! Farei pela sua filha e não por você. – respondeu ele se levantando. – Agora se a senhora me dá licença vou até a sua casa falar com Gabriela.

- Obrigado padre! – disse Lucrecia, sua voz era tão falsa e cínica quanto os discursos de seu marido. – Então vamos!

- Não! – disse Ângelo prontamente. – É melhor a senhora aguardar aqui. Quando tudo estiver resolvido eu ligo para a senhora.

- Como assim? – exclamou a mulher.

- Acho que dessa forma vamos evitar possíveis atritos desnecessários. – explicou calmamente.

- Tá certo. – concordou Lucrecia com as mãos na cintura. - Acho melhor também. Vou esperar até essa situação se resolver e o senhor me ligar.

- Ok! Vou avisar meu assistente e se a senhora precisar de alguma coisa e sá pedir-lhe. – finalizou Ângelo saindo pela porta.

A mulher voltou à sentar-se sobre a cama.

- E padre! – o homem parou sem se virar. – Pense bem no que eu lhe propus e me traga boas novas!

“Desgraçada” – pensou ele fechando a porta.

O homem enfiou as mãos nos bolsos de sua escura vestimenta e foi até o saguão principal da paráquia. “Uma reforma!” – pensou ele. “Até que não seria má idéia”. Logo encontrou Rodolfo, seu assistente. “Coroinha puxa-saco” – o insulto mais uma vez ressoou em sua mente. “Mas é mesmo!”.

- Rodolfo. – chamou o padre, o rapaz o atendeu.

- Sim Padre Ângelo! – respondeu prontamente, como um soldado raso capaz de tudo, até mesmo lamber o chão por onde seu capitão passou, para uma troca de patente. – O que o senhor deseja?

- É o seguinte. – disse o Ângelo. – A senhora Lucrecia está no meu aposento vá até lá e veja se ela precisa de alguma coisa. Um copo de água, chá, café ou veneno. Sei lá! Preciso sair para resolver um assunto e daqui à uma hora e meia creio eu que já esteja de volta.

- Ela vai ficar aqui todo esse tempo, padre? – perguntou Rodolfo sem entender.

- Sim. Ela vai. – respondeu o padre sem delongas e seguiu para a porta do saguão.

- Tudo bem, senhor! Pode deixar!

O Padre caminhou por entre a fileira de bancos e chegou até a porta abrindo-a. Antes de fecha-la voltou-se para o rapaz.

- E Rodolfo! Mantenha a porta da igreja fechada. Nada de visitas no momento e avise a madre superiora que volto logo. – disse ele passando as ultimas especificações ao assistente. – Ela deve estar em seu aposento ainda. – Tente não incomoda-la.

- Pode deixar, senhor! – disse Rodolfo seguindo-o até a entrada. – O senhor pode ficar tranquilo.

Ângelo saiu pela porta e foi surpreendido pela forte claridade do dia. “Mais um dia quente e abafado” – pensou ele protegendo os olhos e passando por entre duas colunas grandes e surradas pelo tempo que ostentavam, com sacrifício, um telhado também que deixava à desejar. “Uma reforma” – pensou ele descendo os degraus em frente à igreja. “Vou cobrar isso, sua megera”. E entrou no seu carro.



Ato II: Ensinamentos



01



Lucrecia folheava um livro. A capa macia do exemplar estava gasta e pequenas rachaduras de um branco encardido começavam a se espalhar pela superfície encourada e escura da antiga bíblia. “Deve ter uns vinte anos está bíblia” – pensou a mulher enquanto à estudava sem maiores interesses e ainda com um certo descaso. Sua mente interesseira estava em outro lugar. Leu alguma coisa em Gênesis, algo sobre o primeiro e segundo dia. Folheou mais algumas páginas para frente e parou repentinamente no Livro de Salmos, ali seguiu com a ponta do dedo o Salmo 23 até a metade e por fim pulando mais um grosso e pesado número de páginas estacionou no Apocalipse. Ali leu um ou dois parágrafos de um texto intitulado “A besta que veio do mar” e bruscamente fechou o exemplar religioso jogando-o para o lado sobre a cama. Estralou alguns dedos e se levantou. Andou em círculos pelo pequeno aposento, mexendo numa coisa aqui e noutra ali. Nada de interessante. Estava visivelmente ansiosa. Bufou alto e se sentou novamente. Cruzou mais uma vez as pernas e enquanto tamborilava os dedos sobre a perna à espera de alguma novidade, vinda por parte do padre Ângelo, a porta se abriu. Era o engomadinho assistente.

- Bom dia Sra. Lucrecia! – disse o rapaz, somente com a cabeça para dentro do quarto. – A senhora deseja alguma coisa?

- Não querido. Obrigado. – respondeu Lucrecia sem dar-lhe muita atenção.

- Um café, um chá? – insistiu o rapaz. – Um copo com água?

- Não! Estou apenas aguardando o padre Ângelo retornar, mas mesmo assim agradeço a sua gentileza.

- Tudo bem senhora. – a voz de Rodolfo saiu baixa e educada. – Estarei no quarto ao lado. A madre Antonella irá me passar alguns ensinamentos bíblicos, mas qualquer coisa a senhora pode me chamar.

- Obrigado! – disse a mulher se levantando e indo em direção a janela, dando as costas para o rapaz.

O coroinha fechou e porta e seguiu para o seu aposento na porta ao lado, que não era muito diferente que o do padre. Com exceção de uma penteadeira que ele não tinha. E a sua cama era de solteiro. Camas de casal era um luxo disponibilizado somente para padres, bispos, cardeais e madres. Pelo menos era assim que Rodolfo achava que fosse.

E tinha mais uma coisa. O aposento do padre tinha um banheiro, bonito e ladrilhado, construído com o dizimo recebido dos fiéis há algumas semanas atrás. Com certeza era algo que o bispo não sabia e na verdade ele não precisava saber. O padre Ângelo apesar de ser uma pessoa confusa e calada era muito generoso com Rodolfo e isso mantinha as coisas...como se diz? Há sim! Em absoluto segredo. É isso!

Rodolfo pegou a bíblia sobre o criado-mudo e se deitou confortavelmente na cama. Puxou o marcador de paginas, uma pequena fita vermelha, inserindo o dedo em seguida para que não perdesse a marcação e assim começou a ler o primeiro versículo do Livro de Já. Tinha que estar afinado, pois a madre Antonella era muito severa e com certeza iria realizar uma chamada oral referente ao assunto. O título do versículo era “A virtude, tentação e perdas de Já”. Acompanhando a leitura com a ponta do dedo ele lia em voz alta. Aos poucos passou a ler somente com a mente. Estava concentrado no assunto, porém seus pensamentos insistiam em estar em outro lugar. Mais especificamente dentro do guarda-roupa. As imagens da revista vinham em sua cabeça, nuas e provocantes. Ele colocou a bíblia aberta sobre o peito com a parte de couro virada para cima. Sentiu-se mal por isso. “Como posso pensar nessas coisas em uma hora dessas?” – pensou ele olhando para o teto. Esfregou os olhos com as mãos em forma de punho e se levantou. Não totalmente, apenas o suficiente para apoiar as costas na cabeceira da cama.

Imaginou as fotos por mais alguns instantes e então se levantou, de sopetão. Foi até a porta e a abriu. Colocou somente a cabeça para fora e olhou para ambos os lados. Queria se certificar de que estava tudo tranquilo no corredor do lado de fora.

à direita estava o quarto do padre Ângelo e em seguida, no fim do curto e mal iluminado corredor, a porta que levava até a parte de trás do altar, lugar onde eram guardados os materiais de limpeza, velas, uma espécie de almoxarifado. à esquerda a continuação do corredor que fazia uma ligeira curva também para a esquerda. Indo naquela direção saia-se na parte de trás da igreja, no gramado que pertencia ao convento. Era de lá que a madre iria vir. A porta na frente dos aposentos levava direto ao saguão principal. Mas aquela porta não era sua preocupação, mesmo porque o padre iria entrar direto para seu aposento para tratar de assuntos, que por sinal ele não sabia nada à respeito, com a Sra. Lucresia. O problema será mesmo a madre superiora, mas poderia escuta-la antes da mesma entrar em seu quarto. O andar firme da madre era alto e podia ser ouvido de longe. Voltou para dentro e fechou a porta. Estava tudo certo. Ninguém para incomoda-lo pelo menos por enquanto. Foi até o seu guarda-roupa.

Procurando por entre as peças de roupas penduradas em cabides Rodolfo encontrou. Estava lá, num canto, escondida cuidadosamente sob uma calça jeans dobrada e desbotada usada para os serviços gerais que tinha que realizar de vez enquando nas imediações da igreja como carpir a grama, arrumar uma coisa aqui, outra ali. Na capa lisa e brilhante da revista uma mulher, loira e de corpo dourado, exibia com um atraente sorriso no rosto uma peça de roupa intima vermelha. E por sinal muito pequena para o tamanho descomunal de seus glúteos. Acima lia-se “Miss Verão 2008”. - E que miss! – disse em voz baixa, admirando o exemplar do mês da boa e velha Penthouse. Parecia quase babar sobre a revista. Seus olhos vidrados, como duas bolas de gude, quase que mastigavam a bela moça.

Rodolfo foi até sua cama e se deitou colocando a bíblia de volta ao seu lugar de origem, em cima do criado mudo. E já bastante excitado abriu o zíper de sua calça preta sob a longa batina. Seu pênis saltou para fora teso e esticado. Em sua extremidade, a cabeça formava um triangulo perfeito e brilhante de ponta circular. Rodolfo o sentia pulsar e então abrindo a revista numa página especifica, ele deu inicio à sua distração. Na página 35 a mulher da capa estava de quatro, emproada e sua xoxota lisa e carnuda quase que apontava para cima. Com o pau rodeado pela mão, ele se masturbava. Olhos fixos no traseiro da moça e a imaginação à mil por hora. Seus pensamentos eram atropelados por outros e assim sucessivamente. Fechava os olhos e tornava à abri-los focalizando a bunda bronzeada e perfeita à sua frente. A foto quase que tomava as duas páginas da revista, deixando apenas um espaço para um barco ao fundo. Sobre a areia de alguma praia qualquer em algum lugar qualquer e loira parecia convida-lo à possuí-la. “Vem garotão, vem!” – disse a mulher em sua mente com uma voz arrastada e gostosa. E assim Rodolfo continuou à se masturbar esquecendo do tempo, fora de sua mente, por alguns segundos. Estava longe, fora do ambiente religioso até que uma voz o trouxe de volta. “Fudeu!” – pensou ele assustando-se e tentando à qualquer custo esconder seu pênis. Era tarde demais. Madre Antonella já estava dentro do seu quarto com uma mão na boca, chocada com o que presenciava.



02



Se ali no chão houvesse um buraco com certeza Rodolfo se enterrava nele e nunca mais sairia. A situação em que foi pego era de um todo constrangedora. Sentiu seu rosto queimar. Uma onda vermelha e carregada subia pelo seu pescoço atingindo até o seu ultimo fio de cabelo, parecia que todo o fluxo sanguíneo de seu corpo subira para a cabeça. E o pior, a expressão no rosto da madre superiora era uma mistura de vergonha e espanto. Pensou em um milhão de coisas que poderia falar, mas sua boca, ridiculamente, abria e fechava como a de um peixe fora dÂ’água. Seu pênis, como todo o resto de seu corpo, amoleceu e por um breve momento Rodolfo pensou que ia desfalecer, o que seria muito bom se acontecesse. Iria acordar deitado sobre a cama e com absoluta certeza a Sra. Antonella não estaria mais lá. Se por acaso à encontrasse, o que seria muito provável, ele fingiria, assim como ela, que nada daquilo havia acontecido. Mas ele não desmaiou e agora teria que encontrar a desculpa mais divina e aceitável possível para atingir aquele muro de rigidez e severidade, que era a mulher à sua frente.

- O que significa isso, Rodolfo? – perguntou ela ríspida, seu rosto também estava vermelho como um rubi. – Que atos impuros são esses aqui?

- Ma...ma...madre...me desculpe! Deixe-me explicar! – respondeu o rapaz sentado na cama encolhido e desconcertado.

- Claro! – gritou ela severamente. – Você terá tempo de se explicar antes de ser expulso desta casa.

Rodolfo respirou fundo. A revista ainda estava na sua mão. Como se não soubesse o que ela fazia ali ele a jogou para o lado. O exemplar rodopiou como um disco e deslizou sobre o lençol antes de cair no chão, sob os pés da cama. Os olhos da madre acompanharam o trajeto do erático exemplar. Virou-se novamente para o coroinha.

- E então, Rodolfo? – perguntou ela, intimando-o. - Prefere se explicar para o padre Ângelo?

- Não! – exclamou o rapaz aturdido. Não conseguia se imaginar dando explicações do ocorrido ao padre. – Eu irei explicar pra senhora.

- Muito bem! Sou toda ouvidos.

A madre superiora se aproximou do rapaz. Rodolfo já se encontrava sentando na cama, seus pés tocavam pesadamente o chão. A imagem da madre com as mãos na cintura esperando uma explicação cabível ao fato o fez estremecer. Realmente ela era uma mulher que conseguia expressar da melhor forma possível sua autoridade. Os olhos dela baixaram-se sobre ele como os olhos de uma águia, certeiros e apertados.

Na opinião do coroinha a madre Antonella era muito atraente, tinha traços fortes e expressivos, no entanto talvez fosse o seu jeito sério e austero que fazia com que as pessoas se afastassem dela, sentindo-se um tanto intimidadas. E por Deus aquilo funcionava!

- Bom! Estou esperando rapaz. – disse ela caminhando até o local onde jazia jogada a revista de paginas abertas e desordenadamente amassadas. A mulher se abaixou e a pegou arrastando-a sobre o chão do aposento.

- Sra. Antonella...!- disse ele torcendo a boca e fechando os olhos. – Digo, madre Antonella. Não seria uma boa idéia a senhora abrir...

A solicitação do rapaz saiu um pouco lenta demais. Ela folheava a revista abismada com o seu conteúdo. Seus olhos de águia encontraram os dele e os fuzilou. Sem palavras. Abriu e fechou a boca. Tornou a abri-la.

- O quê? – fechou os olhos e tomou fôlego. – O que significa isto, Rodolfo? – perguntou ela segurando a revista pelas pontas dos dedos como se fosse algo táxico, sujo.

- Está certo, madre! – disse Rodolfo respirando e expirando profundamente. – Sente-se, por favor. Irei explicar tudo pra senhora.

Madre Antonella enrolou a revista como um tubo e a colocou embaixo do braço. Esperando uma explicação sensata ela se sentou ao lado do rapaz.

- Estou esperando. – disse ela virando-se para Rodolfo.

Bom não podia mais enrolar, teria que dar uma explicação para a madre. Ou pra ela ou para o padre Ângelo. Pesou as medidas e então...

- Madre o que acontece é o seguinte! – disse o rapaz arrumando-se na cama. – Ontem depois que a senhora terminou de me passar os ensinamentos religiosos sobre o Livro de Já fui até o toalete, para urinar.

- Sim e daí? – questionou ela cruzando as pernas. – O que isso tem haver com o que ocorreu hoje?

- Tudo à ver! – disse Rodolfo. – No momento em que estava, a senhora sabe...

- Não! Não sei! – respondeu ela ríspida.

- No momento em que estava urinando...- ele parou. – Eu devo ter esquecido de fechar a porta, com certeza eu esqueci, foi nesse momento que Vânia, aquela moça realizava os trabalhos de faxina na igreja, entrou. Pena que ela não trabalha mais aqui. Foi dispensada antes de ontem pelo padre. Pelo contrário a senhora mesma poderia lhe chamar a atenção.

- Certo. – disse a mulher balançando a cabeça. E ai? O que aconteceu?

- Então...- continuou o coroinha. – Sá me dei conta de que ela estava lá, me vigiando, quando ouvi a voz dela. Eu me virei rapidamente e lá estava ela me olhando com aquele olhar obsceno sei lá...era um olhar diferente!

- E o que ela te falou? – perguntou a madre superiora.

- Ela disse que meu varão não era o suficiente para gerar flores e saiu dando risada de mim. – disse Rodolfo envergonhado. O garoto era um bom simulador de situações. Mesmo porque a tal “moça da faxina Vânia” não trabalhava mais na igreja há um mês. E como a madre passava a maior parte do tempo no convento orientando e disciplinando o seu grupo de freiras ela não se deu conta da ocorrência desse fato. O coroinha sabendo disso aproveitou a dispensa de Vânia como desculpa e a falta de comunicação entre os chefes religiosos seria apenas mais uma falha que absolutamente o ajudaria a se safar da madre Antonella.

- Além de te bisbilhotar, aquela impura, ainda lhe disse isso? – perguntou a mulher.

- Sim madre! – exclamou o rapaz. – E foi por este motivo que comprei esse material do diabo. Comprei-o no intuito de verificar se era capaz ou não de gerar uma família caso um dia desistisse dos caminhos sagrados ao qual hoje respeito muito.

- Entendi! – disse a mulher, parecia mais calma e, além disso, a “desculpa de Rodolfo” parecia ter surtido efeito. Ter tocado o coração de pedra da mulher.

“Nossa! Ela caiu direitinho! Hehehehehe!” – pensou Rodolfo ainda aparentando um semblante cabisbaixo, arrependido. Mas por dentro ria como um jegue do campo. “Não acredito. Será que vou me livrar dela?”.

- Peço desculpas a senhora madre! – sua voz saiu baixa. – E, por favor, não comente isso com o padre Ângelo. Talvez ele não seja tão compreensível quanto a senhora.

O coroinha agira espertamente. Primeiro arrumando uma desculpa esfarrapada e segundo enchendo a bola da madre. A inteligente e geniosa mulher mordeu a isca direitinho. “Um milagre!” – pensou Rodolfo.

- Não! Não vou comentar nada com o padre.- disse a madre. - Além do mais ele tem outras prioridades mais importantes do que está. Como você mesmo disse a tal Vânia não trabalha mais aqui então não tenho nem como chamar a sua atenção.

- É verdade! – falou Rodolfo. – E madre, obrigado!

- Não por isso Rodolfo. – respondeu ela.- Mas e ai?

- O quê? – perguntou Rodolfo sentindo um ná no estomago.

- Você conseguiu realizar o teste, para ver se podes criar raízes?

- Não! – respondeu ele.

- E porque não? – perguntou a mulher.

“Droga” – pensou ele. Tinha que mais uma vez arrumar uma bela desculpa.

- Não deu tempo, hã. – respondeu Rodolfo pigarreando. – A senhora entrou e então...tive que parar.

- Entendi! – disse a madre. – Como você foi sincero comigo vou ajudar-lhe.

- Como assim? – perguntou confuso. – Me ajudar como?

- Bom! Vamos dizer que nossa aula de hoje terá um outro tipo de conteúdo. – disse a mulher com voz calma. – Um conteúdo mais especifico.

- Um conteúdo mais especifico? – perguntou Rodolfo desconfiado. – E o que seria esse “conteúdo específico” madre?

- Rodolfo você quer ou não sanar essa dúvida referente ao “varão”? – perguntou ela fazendo o sinal de aspas.

- Sim! Claro que eu quero! – exclamou o coroinha.

- Então vamos começar!

- Tudo bem! – concordou Rodolfo.

A mulher se desfez do exemplar em forma de tudo e se aproximou do rapaz e então os ensinamentos, que não eram bíblicos nem aqui e nem na porra da China, foram iniciados.



03



Naquele momento Rodolfo percebeu que a sua desculpa além de ter passado despercebida pela madre superiora iria lhe render uma aula diferente. Nada de versículos bíblicos e interpretações filosáficas. Não. Aquela aula seria uma coisa que com certeza levaria para sempre na sua vida. Uma histária que poderia contar aos seus netos, se assim os tiver. Não que fosse ingênuo em relação ao assunto. Longe disso. O assistente do padre Ângelo era quase um professor na matéria, mas naquele momento tinha que se passar por desentendido. Naquele momento seria apenas um aprendiz. Um aprendiz que teria como sua tutora ninguém menos que a madre superiora.

- Certo Rodolfo! – disse ela empurrando-o levemente pelo peito até que o rapaz se deitasse. – Vamos dar uma olhada no seu varão. Abra o zíper de sua calça. Quero examina-lo.

- Ok, madre! – disse o rapaz atendendo a solicitação da mulher. A mulher continuava séria. – Assim está bom?

- Deixe-me ver! Hum...está sim! – respondeu ela. – Agora coloque-o para fora.

Rodolfo obedeceu. Colocou seu pênis, claro e murcho, para fora da calça. O seu sexo se destacava sobre a calça preta. Os pêlos eram flavos e rasteiros. Mesmo religioso o rapaz se cuidava. Higiene acima de tudo.

- É ele está um tanto lânguido! – falou a mulher enquanto segurava-o e admirava-o. – Vou dar um jeito nele. Precisamos nos certificar de tudo, não é mesmo?

- Sim, claro! A senhora tem toda razão!

Madre Antonella ainda sentada ao lado do rapaz se inclinou e passou levemente a ponta de sua língua sobre a cabeça do pênis de seu aluno. O músculo lingual fino e pontudo da mulher sibilava veloz enquanto que com uma das mãos em forma de concha ela arriava o prepúcio revelando assim ainda mais a ponta do pau de Rodolfo. O rapaz respirou fundo. Sentia seu sangue pulsando em direção ao seu membro que aos poucos e com a ajuda da madre ia endurecendo gradativamente.

Agora a madre colocava toda a ponta do pênis para dentro de sua boca quente e oca. Sua língua continuava à se movimentar ligeira alternando entre uma engolida e outra. Era como a língua de uma cobra sentindo o gosto e o cheiro do sexo do rapaz no ar, ao redor.

- E então, Rodolfo? – perguntou a mulher erguendo a sua cabeça até encontrar a do rapaz. – Está bom assim?

- Está átimo madre! – respondeu Rodolfo. – Por favor, continue!

- Claro! – respondeu ela, enfiando agora todo o pau dentro de sua boca.

Sua boca desceu tão fundo e aberta que sua língua pode resvalar nos testículos. E ali foram dadas mais algumas lambidas molhadas e lentas. Ela recuou. O pênis à sua frente estava totalmente ereto e úmido, chegava à brilhar. Respirou fundo e o sugou para dentro novamente. Realizava movimentos rápidos e repetitivos. Sua mão segurava os testículos do rapaz como se fosse um cacho de uva. E chupando com vontade ela emitia alguns silvos molhados, úmidos.

- Nossa madre! Isso! – disse o rapaz deliciado. – Chupa todo o meu cassete! Vai!

- Hum!Hum!Hum!Hum!Hum! – resmungou a madre saboreando, degustando e consumindo o pau do coroinha. – Vai enfia ele aqui na minha boca! Quero senti-lo na minha garganta!

Segurando o membro, mantendo-o duro e esticado, o coroinha o introduziu na boca da mulher. Segurava-a pela cabeça. Ela afastou-se mais uma vez e começou a bater-lhe uma punheta dando pequenas lambiscadas na ponta do pênis. Olhava-o enquanto o masturbava. Era um pau tenro e atraente. Enfiou-o outra vez em sua boca. As gemas de seus olhos brilhavam, cintilavam. Tabus sendo massacrados por uma vontade insana e tentadora. Impura aos olhos angelicais. Mas mesmo assim viciante como uma droga primordial, antiga. O sexo é assim nesses lugares, quanto menos se podia pensar nele mais se tinha vontade de faze-lo.

Uma mestra religiosa, um neáfito nos caminhos divinos e uma única certeza. Prazer proibido e profano. A vida como ela não é. O sexo como ele é. E as vontades como devem ser, recíprocas. Tensão no coração e na mente. A culpa de fazer e o arrependimento de não realizar. É assim que o sexo é dentro de uma igreja. Confuso, predominante e ausente, de uma certa forma. Sondando cada canto, cada porta e cada oração. Escondido, quieto e espreitando de um quarto escuro e profundo da mente, esperando a hora certa de se lançar para frente como um animal faminto e feroz que salta da escuridão. Olhos e dentes escancarados e de braços bem abertos. Um abraço convidativo, porém sem volta. Nas diferentes e derradeiras situações e oportunidades do dia-a-dia o sexo é como a morte, sá precisa de uma desculpa. E naquele momento as desculpas foram lançadas para os ares e mandadas para o Inferno. Os caminhos para a tentação estavam abertos.

Rodolfo era chupado pela madre superiora com tamanha habilidade que chegou a se surpreender. Nunca em sua vida fora agradado de forma tão soberba. Nem mesmo pela prostituta que conheceu há três anos atrás, ao qual se envolveu em uma ou duas ocasiões, antes de se tornar um membro assistente da igreja da cidade. A madre chupava-o com elegância e ao mesmo tempo com astúcia. Ela enfiou o membro até a sua garganta e fez uma pausa. Realizou movimentos circulares ainda com ele na boca. Tornou a tira-lo.

- Tire sua roupa. – disse ela.

- Claro! – concordou Rodolfo desafivelando o cinto e desabotoando a calça, ainda deitado.

A mulher o ajudou com os sapatos. O rapaz ficou nu da cintura para baixo, mas continuou com a batina. Tão logo ele estava despido a madre o abocanhou novamente. Durante os movimentos sincronizados e incisos realizados por Antonella enquanto chupava o pau de Rodolfo, o mesmo pode perceber o crucifixo de prata preso à uma corrente também de prata balançar em volta do pescoço da mulher como um pêndulo. A pequena cruz chocava-se contra os seios da madre por sobre o escuro e grosso tecido de seu hábito. Isso o excitou. Sentiu seu pau crescer e enrijecer ainda mais dentro da boca da madre. Fechou os olhos enquanto aproveitava aquele momento. A perversão na sua forma mais pura.



04



Não fosse pelos estranhos sons e murmúrios que escutou vindo do quarto ao lado Lucrecia teria, talvez, conseguido terminar aquele versículo. O único ao qual havia se interessado a ler apás o coroinha te-la deixado no aposento do padre Ângelo. O texto em particular dizia algo sobre “A abertura de alguns selos”, e foi justamente quando o segundo anjo de Deus tocou a sua trombeta que a mulher se atentou aos ruídos abafados e arfantes. Colocou a bíblia sobre a cama, ainda aberta, e se levantou. Caminhou sobre as pontas dos saltos altos indo em direção à parede e aproximou seu ouvido esquerdo sobre a fria e áspera superfície. Seus olhos, adornados por uma maquiagem cara e escura, abriram surpresos, estupefatos. Em meio ao silêncio assombroso que pairava no interior do local conseguiu discerni frases inteiras como “Chupa todo meu cassete!”, “Enfia ele todo na minha boca” e ainda “Quero senti-lo na minha garganta”. A mulher ficou ali intertida e concentrada em ouvir cada palavra e frase do diálogo mundano que vinha do quarto ao lado. Fechou os olhos, como se isso a ajudasse a se concentrar melhor, e quase que inconsciente sua mão deslizou por sobre a parede e se enfiou por baixo de sua saia tocando a frente lisa e macia de sua calcinha. Enquanto as doces e proibidas palavras chegavam ao seu ouvido ela se masturbava. Sentia sua xoxota molhada e enfatuada por sob a renda de algodão. Colocou lentamente a lingerie para o lado, tendo que abrir um pouco as pernas para isso, e molhou o dedo. Em seguida tocou o clitáris. Esfregava-o, umidecendo-o superficialmente. Com a outra mão tocou os seios cobertos pelo tecido fino e claro de sua blusa. Eles endureceram simultaneamente ao toque. Lucresia molhou os lábios e se apertou mais contra a parede querendo ultrapassa-la, rompe-la em pedaços duros e empoeirados de entulho acinzentado.

- Hum! – murmurou pra si mesma enquanto introduzia seu dedo na vulva lubrificada e quente. – Hummm!

Percebendo ao ponto em que estava chegando ela se despertou e se afastou da parede, recompondo-se. Os excitantes e ludibriantes sons continuavam chegando aos seus ouvidos, ultrapassando blocos, poeira e cimento, e então ela seguiu para a porta.

A porta do aposento se abriu emitindo um assobio seco e longo. Lucrecia olhou para ambos os lados antes de sair para o corredor à sua frente. Fechou a porta atrás de si e fez uma careta quando a porta assobiou novamente. Não queria chamar a atenção de ninguém. Caminhando ainda na ponta dos pés ela parou de fronte a porta do aposento que sem dúvida nenhuma era do coroinha, como ele práprio havia informado. Ansiosa e excitada, ela girou a antiga e redonda maçaneta. Desta vez a porta se abriu em silêncio. Sua cabeça ultrapassou o curto vão entre a grossa peça de madeira e o batente. Sua fisionomia resplandeceu à visão e, mais uma vez sua xoxota ficou úmida e aquosa. Sentiu como se a sua feminilidade fosse escorrer por entre as coxas, deslizar pelas panturrilhas e calcanhares e por fim escoar por um ralo que nem mesmo ela podia imaginar aonde iria desaguar. O que sentia era o inicio de um ápice desencadeado pelo puro prazer voyeur. Entrou no quarto e fechou a porta. Rodolfo e a madre não perceberam a presença furtiva da mulher que se encostou na estrutura escura e grossa da porta apreciando-os, olhando-os enquanto mordiscava os lábios. Ela deu dois passos para frente.

- Hum? Então é isso o que vocês fazem na ausência do padre Ângelo? – perguntou Lucrecia tamborilando uma fileira de dedos sobre o queixo. Seus olhos esverdeados sobre a cútis dourada e maquiada olhava-os com uma pequena insinuação de desejo.

Rodolfo levantou a cabeça, mas não emitiu frase alguma. Da mesma forma, muda, a madre Antonella, tirou o pênis do rapaz da boca e respondeu à pergunta da madame com um atraente e convidativo sorriso, sugando novamente o pau de Rodolfo para dentro de seus domínios bucais.



05



Rodolfo regozijava de um prazer absoluto e proibido, enquanto que a madre superiora, com uma perna dobrada sobre a cama e a outra apoiada no chão, chupava-lhe empolgada o seu cassete, Lucrecia literalmente sentada no chão e com as pernas abertas, deixando à mostra uma xoxota já desnuda e de pelos bem aparados, lambia vorazmente os seus testículos de baixo para cima. Com uma das mãos a madame segurava seu extravagante chapéu. Rodolfo recebia prazer em dobro e instantâneo.

- Meu Deus do céu! – exclamou Rodolfo, enquanto as duas mulheres realizavam de forma espetacular a melhor gulosa que ele já recebera na vida. – Como vocês duas são boas! Vai madre engole meu caralho e você Sra. Lucrecia deixa meu saco bem molhado. Vai lambe ele todo!

O rapaz abriu as pernas. Queria sentir os movimentos uniformes das línguas e bocas que banhavam toda a sua região genital.

Lucrecia se ajoelhou de frente para os dotes do rapaz e dessa forma começou a dividir com a madre, entre chupadas e lambidas, o contundente e ereto pau. A madre lambia de um lado e Lucrecia do outro. Subiam e desciam suas línguas em movimentos sincronizados. Suas línguas se encontravam pelo curto e úmido trajeto e sibilavam entre si, em seguida tornavam à deslizar por sobre a forma roliça e dura. Intercalavam entre elas, sem egoísmo, entre quem iria lamber ou chupar o pau rijo do assistente. às vezes as duas lambiam juntas a cabeça rosada e oval do pênis. às vezes separadamente, mas com o mesmo apetite e sincronia como se já tivessem combinado o ato avassalador.

A madre passou circularmente sua língua na ponta do enrijecido membro. Lucrecia chupava e, não lambia o saco de Rodolfo. Dava pequenas mordiscadas na pele fina e enrugada dos testículos esticando-a ligeiramente, soltando em seguida. Para realizar então o mesmo movimento.

Rodolfo apoiou-se por sobre os cotovelos à fim de se deliciar enquanto apreciava a cena. “Que visão!” – pensou ele enquanto Lucresia deixava de lado seu escroto e se levantava. Colocando as mãos por sobre o ombro da madre Lucrecia ainda admirou por alguns segundos a destemida mulher antes de tira-la delicadamente de sua atuação. A madre se afastou dando lugar à outra. Lucresia sem rodeios caiu de boca no pau do rapaz. Abriu absurdamente as pernas para cima em um ângulo de 60ª graus como um compasso e mais uma vez se pôs à se masturbar. Vendo aquela escancarada buceta na sua frente e tomada por um êxtase anormal a madre não se conteve e se pôs à lambe-la. Segurando as pernas de Lucresia e mantendo-as abertas, a mulher religiosa ainda com a sua roupa escura com detalhes em branco, lambia de ponta a ponta a xoxota da esposa do prefeito. Lucrecia segurava-a pela cabeça mantendo-a o mais enterrada possível em sua vulva. Queria sentir a língua da freira serpenteando por sobre seu clitáris, invadindo o seu canal vaginal até chegar em seu útero, se possível.

- Isso madre! Isso! Chupa meu clitáris! Isso! Ai mesmo!Hum! Hum! Continua!Enfia sua língua dentro da minha xana! Vai! – disse Lucrecia contemplando de sua posição a excelente atuação da madre.

Antonella abria com delicadeza a lúbrica vulva da mulher e passava sua língua com tremenda exatidão e delírio. Introduzindo-a com afinco e bem dirigida. Sentia o gosto dos lubrificantes naturais de Lucrecia na ponta de sua língua e dentro de sua boca. Gostos e sabores se misturavam à sua saliva. Ela parava, sugava a extremidade mole e chanfrada do clitáris da fazendeira. Tornava à lambe-la, bajulando-a com carinho.

- Isso madre! Chupa ela toda, vai! – falou a mulher esfregando a parte exterior de sua xoxota pelo rosto da religiosa que se esbaldava, de olhos abertos e às vezes fechados, em sensações ardentes e pecaminosas.

O cheiro de sexo cru se espalhava pelo ambiente. Contaminando a atmosfera como um gás venenoso, porém na atual circunstância, viciante e embriagante.

A madre se levantou e se despiu. Por sob a vestimenta negra e respeitada, por incrível que pareça, um corpo atlético foi apresentado. As cortinas foram abertas revelando aos expectadores uma Sra. Antonella nunca antes conhecida. A meia calça fina e preta presa à cinta-liga assim como o conjunto de itens da mesma cor faziam com que suas delineares curvas se sobressaíssem para o mundo ao redor em forma de um chocante segredo. Rodolfo apreciando surpreso a cena sentiu uma vontade insana de penetrar seu pau por entre a deliciosa e direita bunda de sua professora. Antecipando o fato já se imaginava segurando-a pelo suave quadril e metendo-lhe vagarosamente seu varão duro e reto para dentro de sua vagina. “Que delicia” – pensou ele enfiando ainda mais sua rola para dentro da boca de Lucresia.

A madre superiora Antonella Cagliari, descendente de imigrantes italianos, continuou com seu chapéu e com seu par de sapatos pretos e pontudos de salto levantado. “Sapatos de bruxa” – pensou Rodolfo estupefato com a vista. “Uma bruxa malignamente deliciosa”. Voltando à sua posição ela apontou sua bunda primorosa para cima. A pele lisa e clara do monumento de carne e músculos refletia, ainda que fraca, a luz do ambiente. Uma visão para ser pintada à tinta, do mais claro tom, em uma tela artística.

Rodolfo então deu vazão à sua imaginação e num movimento rápido já estava em pé atrás da mulher. Lucrecia agora se deitava, ainda com as pernas bem abertas, enquanto a madre chupando-a sentiu o pau do jovem deslizar pontudo pelo interior de sua xoxota.

- Nossa madre! Que bucetinha deliciosa que a senhora possui! – delirou Rodolfo sentindo em seu cassete as extremidades úmidas e apertadas da vulva de Antonella.

Segurava-a pela cintura enfiando de forma sagaz e precisa seu pau. A cada introdução uma sensação e a cada retirada seu pau trazia consigo uma membrana frágil e avermelhada que o rodeava, que naquela ática de visão parecia querer engoli-lo.

- Isso Rodolfo! Mete esse pau em mim! Vai! Ai que delicia! Hum! Isso! – a voz da madre saiu deleitável e dengosa. – Vai meu rapaz! Vai! Vai! Isso! Mete fundo!

- Vai Rodolfo! Mete esse pau na buceta dela! Mete fundo! Do jeito que ela gosta! – disse Lucrecia tomada pelo desejo e apertando os bicos dos seios. Lambendo-os e chupando-os, interpondo-os com sua viscosa língua.

- Meto sim! Meto tudo na senhora, Madre! Senti meu caralho fodendo-a!

O rapaz à penetrava radiante. Pequenas gotículas de suor brotavam de sua testa. Seus cabelos, lisos e castanhos, aos poucos se tornavam rebeldes. Espalhavam-se por sua cabeça, oleosos e pontudos. Jogou alguns fios para trás da orelha com a mão. E continuou à meter firme em Antonella que se empinava cada vez mais em seu colo.

O jovem iniciante religioso à grudou pelos ombros e à puxou. Ela emitiu um som inarticulado que misturava tesão e paixão. Queria sentir o calor do corpo da mulher. Tirou a batina afoitamente e voltou à segura-la. Antonella retribuiu o ato passando seu braço ao redor do pescoço do rapaz. Suas costas tocaram o tárax suado e firme de Rodolfo. Envergou as costas e o beijou ardentemente. Lucrecia se levantou e foi direto para os seios da madre. Sua boca atrevida e quente pousou sobre a rosada aureola de uma das glândulas recuando solenemente os lábios, espremendo, sentindo e umedecendo o duro e eriçado bico do seio. Segurava-o com as duas mãos enquanto se deliciava. Passou sua língua em movimentos circulares sobre a ponta de um e depois na do outro. Chupava-os, mamava-os alternadamente. Sua boca e língua pareciam ter vida prápria. Deslizava e beijava o pescoço, ombros e a boca de Antonella. Rodolfo enfiou sua língua em um dos ouvidos da madre que sentiu subitamente sua pele e pelos se arrepiarem ao toque.

- Você gosta? Fala pra mim! – sussurrou baixo no ouvido dela.

- Hum! Sim!Gosto sim! Eu adoro! Não para! Por favor, não para! – suplicou Antonella.

Lucrecia lambia agora o queixo da mulher descendo vagarosamente sua língua para o meio dos seios. Sentiu o pingente de prata esbarrar na ponta do seu nariz. Continuo a descida, passando pela barriga e parando no clitáris. Ali ficou por alguns instantes. Agachando-se um pouco mais conseguiu lamber o clitáris e o pau de Rodolfo juntos num mesmo movimento.

Prazer sem discrição. Naquele momento Lucrecia, madre Antonella e Rodolfo se entregavam às vontades do corpo e da luxuria. Heresia? Talvez. Mas qual seria outra forma de controlar esse desejo voraz se não entregando-se à ele. Controle, essa era a questão. Naquele momento o quarto do coroinha era uma imensa bacia de ingredientes. Em seu conteúdo doses cavalares de prazer, desejo, fé, luxuria, ardor, sexo, suor, bocas, corpos, odores, heresia, cores, vontades, precipitações, cumplicidade, arrependimentos, mente, pensamentos e entrega se misturavam com a tangível e fraca alma humana. Libidos sendo tocadas. Desejos lançados à frente. Prazeres, outrora proibidos, sendo degustados. E o diabo ao fundo aplaudindo, vibrando, balançando bandeirolas coloridas e soprando, no ar, bolas de sabão em cada lambida, em cada penetração em cada sensação e em cada pecado. Um acúmulo pecaminoso de atos libidinosos. Teria para si um caminhão cheio deles vindos diretos de Soberba. A boca do inferno se enchia de água sá em pensar. O verdadeiro fã número do homem aguardava crente e ansioso.



06



A esposa prepotente do prefeito se arreganhou deliciando-se com a penetração. Com as mãos apoiadas sobre a cama e por baixo das dobras das pernas da mulher, Rodolfo introduzia seu varão na buceta molhada e escorregadia da madame. Com uma flexibilidade invejável ele movimentava sua bacia para frente e para trás.

- Isso! Vai Rodolfo, me fode toda!Oh! Oh! Ai! Isso! Mete esse caralho na minha xoxota! Vai! – bradava Lucrecia, enquanto a madre chupava seus seios turbinados e siliconados. – Mais forte garoto! Bota pra fuder isso daí! Vai!

- Sim! Sim! Boto pra fuder na senhora! Toma! Puts! Toma meu CA...SSE...TE! – gritou Rodolfo ofegante. – Senti meu caralho em você!

Os movimentos se intensificavam. O rapaz agora beijava Antonella que naquele instante sentava-se aberta por sobre o rosto da mulher. Lucrecia lambia o cu e a buceta da madre enquanto era penetrada pelo coroinha. Sentia sua xoxota em chamas. O gozo brotava de seu interior. Rodolfo traçava a mulher do prefeito com vontade. Respirava fundo. Seu rosto estava rubro. Suor já escorria pelo seu pescoço e peito, mas mesmo assim não parava de atacar com sua contundência a xana de Lucrecia. Antonella, prestativa, ajudou o rapaz em sua penetração abrindo ainda mais as pernas da mulher enquanto suas línguas travavam uma luta voraz e suculenta entre elas. Um fio de saliva pingou, imperceptível, sobre o ventre trêmulo de Lucresia, misturando-se ao seu suor.

- Vai Rodolfo! Acaba com ela! Enfia seu pau nessa buceta! – suplicou a madre. Lucrecia continuava com seu átimo trabalho logo a baixo de sua cintura. Chupava os fundos da madre com destreza e vontade. – Vai Lucrecia! Enfia sua língua no meu cu! Quero senti-la em mim!

Lucrecia obedeceu e separando as popas da bunda da madre deixou seu cu em evidência e o lambeu. A ponta de sua língua dançava ao redor do orifício anal. Desceu para a xoxota e voltou para o cu, molhando-o com sua secreção.

O conjunto dos três era uma fábrica de prazer em pleno funcionamento, engrenada. Seus corpos, mentes e desejos eram engrenagens perfeitamente lubrificadas e encaixadas, trabalhando agressivas e sincronizadas.

- Minha No...ssa Se...nho...ra! – gritou em êxtase Lucresia sentindo o ritmo bombástico e penetrante do rapaz. Seus olhos viravam de prazer. – Você...es...tá...acabando...co...mi...go! Meu Deusssss!

Rodolfo continuava a sua cruzada. Antonella gemia esporadicamente enquanto mordia o lábio inferior. Lucrecia sentia as coxas duras do rapaz chocando-se contra a sua bunda. Plaft! Plaft! Plaft! Plaft! O som da colisão era estalado, aberto, como o de um tapa num pedaço grande e denso de uma peça de carne. Ah, sim! Era nostálgico também! Banhado pela mistura de sons, murmúrios e afagos, Rodolfo estava prestes à gozar. Recuou arfante seu pênis de dentro da vargina da metida mulher.

- Santo Deus! Eu vou gozar! – exclamou ele segurando e massageando seu pau.

- Vai goza gostoso em cima de mim! – ordenou Lucrecia passando as mãos delirantemente sobre os seios.

Antonella meneou para o lado e aproximou seu rosto dos seios da mulher.

- Isso goza, querido! Goza na minha boca também! – disse a madre. Sua língua já aguardava totalmente esticada para fora.

Rodolfo se acomodou sobre a cama e segurou a cabeça da madre bem práxima aos seios de Lucresia.

- Vou gozar! Vou gozar pra vocês duas! Vou...caralho...! – exclamou o coroinha enquanto sentia seu sêmen ser jorrado de seu interior como a lava de um vulcão em erupção. Seu rosto se contorceu de prazer. – Nossa! Que deliciaaaa!

Seu esperma lançou-se primeiramente contra a língua da madre. Escorregando em espessos e finos fios para cima do busto de Lucrecia. Ela o espalhava afoita, necessitada. Enquanto Antonella agarrava o pau do rapaz e o enfiava na boca sugando toda a sua virilidade. O rapaz se aliviava radiantemente sobre as duas, alcançando o ápice, o pico do prazer, o nirvana da luxúria e do ardor sexual. “Transcendental, se é que poderia expressar assim. E por que não? A situação, a experiência, o ato em si tinha sido de todo espetacular. Então por que não usar aquela palavra, que resumia em suas letras, o que havia sentido?”. – pensou ele enquanto admirava suas duas cúmplices beijando-se e acariciando-se agradecidas. “Transcendental” – berrou ele em sua mente sentando-se em sua cama, bastante satisfeito e exausto.

Ficaram ali, mudos, por alguns instantes. Apreciando e sentindo o silêncio que se sucedia ao ato. Era simplesmente notário.

- Preciso tomar um banho urgente! – disse Lucrecia imediatamente recolhendo suas vestes. – O padre Ângelo já deve estar voltando.

- Venha comigo! – disse Antonella atenciosa recolhendo também suas roupas. – Vou lhe mostrar onde fica o toalete.

- Claro! Por favor, madre!

As duas seguiram para a porta. Rodolfo às olhava exaurido. A madre abriu a porta e bisbilhotou o corredor. Tudo tranquilo. Passaram pela porta. Rodolfo despencou na cama. Seus olhar ainda descrente olhava sorridente para o teto do aposento.

- Seu varão está em átima forma, Rodolfo! – disse sua professora com um sorriso satisfeito no canto da boca parada na porta. – Os ensinamentos de hoje mostraram bons resultados! – disse ela em seguida e fechou a porta.

Rodolfo sorriu e tentou falar algo, mas a mulher já havia se retirado. Seguiu adiante em seus pensamentos e devaneios.



Ato III: A Consumação Do Fato



01



“Uma reforma na Igreja”.- insinuou a megera em sua mente. “Mais fiéis, mais dinheiro!”.

Girou o volante à direita. De fisionomia cansada e já com profundas e visíveis olheiras em seu rosto Ângelo sentia que a cada dia que passava se enterrava mais e mais em seus práprios pecados. Convencer Gabriela à se casar, pelo puro interesse político e financeiro de sua mãe, seria apenas mais um. O interior de sua mente estava confuso, desordenado como fios coloridos e finos de uma gigantesca caixa de energia. Até que ponto estava disposto à continuar? Até que ponto seria capaz? Comprimiu os olhos intensamente, tornou a abri-los. Não sabia. Essa era a simples e barata resposta. Não sabia como poderia mudar aquele estado enleado e tenso ao qual vivenciava constantemente no seu dia-a-dia. Queria se desatar da sua consciência religiosa porque dessa forma as culpas, que ele mesmo se agregou, seriam deixadas para trás como um saco pesado cheio de lixo do passado ao

VISITE NOSSOS PARCEIROS

SELEÇÃO DE CONTOS


Online porn video at mobile phone


contos eroticos de marido corno bebedor de porracontos eroticos venha ca sua puta safada,eu vou arrombar seu cu de cadelaOferecia dinheiro em troca de sexo com a cunhada (contos eróticos )conto de gozei gostoso naquela bucetaprimeira mulher a fazer zoofilia.no cinemaconto erotico confessei para o meu maridoConto gostoso picante paiconto erotico espiando pelo buraco da fechaduraConto porno de estuprada por pai da mim amigacunhadinha danadinha contoscontos eroticosfudendo bucetinhas de dez anosfui sondar e fui comido contosfui currada na frente do meu maridoxoxota toda ardida com a madeira dentrocontodesurubaconto erotico enrabadotranzando com o cavalo enquamto meu pai se masturbaconto cu de mae da sograsconto gay moleque mijou.em.mimcontos eroticos com cavalosninfetas com vestidos beijando peitoral dos travestisinfância;contos eróticos;enrabadocontos eroticos xoxota pra o malvadohistorias heroricas comi o cu da minha filhaRelato minha mulher no shopping sem calcinhaminhamulhere meucachorroContos eroticos de mesticasfilme porno tia gostosa faz uma viajem dormi com saudade do sobrinho da cubuceta na praia toninhastomou um vinho com a gostosa e depois meteu a piroca nelawild thermas conto eroticotive que dar contos eróticosconto erotico cumi avelhinha da logagrandona melada contosConto erotico entaloudei meu cu pra um bebado desconhecido contos gayConto suruba casada com mecanicosensinei a bater punhetaconto pegei meu marido comendo cu do meu sobrinhoContos erotico como minha cuinhada mais velha de 45anos.Arrombaram minha mulherContos de casadas inrrustidaspeguei minha sigra dormindo sem calcinha e meti a pica nelacontos de zoo trinamento de cao para casadasconto erótico chupa greloContos eroticos sequestradaVelho bat en do punheta pra putinha d tio sconto erotico de faxineira casada safadacomi minha madrinha na casa dela contosvideos porncao a e iasmos pintaoconto erótico dominando a esposa mandonaconto minha mae chupando meu pau com meu pai ao ladoencoxada em coroa em Jundiai conto realmeu vizinho deicho o filho pra mim cuida fudi o rabinhoconto programa de putaconto adoro cu de casadacontos eroticos viadoconto gemendo no pau do pone taradoxvidio mulher xota de cabritacontos: puto dando ao ar livrevideo de namoradosendo cornocontos comi o cu da mamãea pica do meu filho é enorme dei gostoso ate o pai dele deu virou viadao corno contoconto erotico de casada eu meu cunhadoso metendo n mato n buceta da minha filha n causinha video mobilorgias/contoscontos eróticos -vem mamar a rola do tio vem...casa dos contos eroticos novinhas delicias cedusindo o tiogozando na irma mais velha conto eroticocontos comeu meu cu adolecenciaContos comi a mulher de amigo bebadacontos eroticos fui bem fodida feito puta e chingada feito uma vadia pelo meu tioPregas contoputa do irmao contosvideo de branquinho magrinho dando o rabinho a forçacomi o cu da minha sogra linda e da filha elas gritavamamando no titio contos gay inocenteconto erotico chefe do meu marido me bolino por de baixo da mezawww.dei a buceta com dez anos contoContos eróticos e roseconto porno enfiaram um ovo no meu cu