Aviso: Voltamos Envie seu Conto estamos aguardando, recupere sua senha caso ja foi cadastrado antes !
Já está liberada a área de Cadastro de contos. Cadastre-se e evie-nos o seu conto

CANOA DA BUCETA AO CU. É QUANDO A LÍNGUA...

Canoa da buceta ao cu. É quando a língua passeia!



Então Jereba a botou de quatro, fez - lá empinar bem a bunda; e abrindo bem sua buceta com aquelas chupadeiras que mais pareciam dois files de alcatra, começou a usar a língua, acariciando seu clitáris, quando esse estava bem molhado, ia escorregando a língua até o cu. Jereba de joelhos por traz dela enfiava a cara dentro da bunda; seus movimentos com o pescoço eram de afirmação, dizia sim aquele ato maravilhoso. E como um ventríloquo, balançando a cabeça sim, sim, sim. Ela ia soltando devagar uns gemidos, dando sinal que estava gostando e que a coisa estava esquentando. Ela rebolava é pedia para jereba enfiar a cara dentro dela. Ele enfiando língua, nariz, lábios; e com a cara toda lambuzada ficava mais excitado.

E ficaram naquele remelexo por muito tempo. É chegada a hora, Jereba se levanta pede para ela empinar mais pouco. Jereba arregaça a cabeça do pau, aquela cabeça roxa e inchada, o pau robotizado, e a perfurou sem dá, adentrando a buceta e separando as chupadeiras carnudas. Ela gemeu como se sentisse um alivio; aquela piroca enorme estocando no fundo de sua xereca. Jereba agora, se movimentava no vai e vem bem devagar, sentia o saco bater-lhe o clitáris. Agarrou-a pela cintura bem forte, e colando melhor sua virilha na poupinha dela, batia-lhe com violência a púbis. A buceta já encharcada permitia a estocada ir mais fundo bem dentro. E os gemidos loucos a fez gozar varias vezes; o corpo dela desfalecia em espasmos. Mais jereba que agarrado a sua cintura não aliviava, e acelerava mais e mais o vai e vem. Ela gritava e pedia para enterrar aquela pica até o talo. O barulho que faziam devido essa posição, mais conhecida como cachorrinho, que ao longo do tempo foi sendo aperfeiçoada, e hoje podemos dizer que comer uma fêmea de quatro é um espetáculo a parte, para os apreciadores da foda selvagem.

Foi aí, depois de muito gozar, jereba retira seu pau inundado de dentro da buceta, e sem pestanejar, arregaça a cabeça de novo, empunhando na direção do cu. Ele vai empurrando lentamente; vai entrando a cabeça roxa e o pau vagarosamente, passando pelo cabresto e logo depois o corpo, as pregas do cu anatomicamente aconchegando o pau que já dentro se mexia. Sendo que de quatro a pica vai até o talo no cu, e ela que sem pudor permitia essa penetração e implorava que a pica estivesse definitivamente indo até o saco. Jereba alternava, em grandes estocadas no cu, indo até o talo, outras sá enfiando-lhe a cabeça roxa do pau, entre a glande e o cabresto. As vezes tirava a pica e enfiava-lhe de novo com violência. Ela chorava, a dor misturava-se com o prazer; há essa hora o cu já tinha se acostumado em ser açoitado, e num simples movimento ele pede para mudar de posição, curiosamente seus corpos já pareciam ter ensaiado essas trocas, e jereba deitou-se apontando o pau para o céu, ela em pé, por cima dele, abaixa devagar e espontaneamente, sentando delicadamente no pau. As pregas do cu mais uma vez aforecendo aconchego, aquela pica gigantesca com a cabeça roxa. Ela continuou sentando até desaparecer a pica dentro dela, rebolou um pouco para ajeitar mais, depois sentava e levantava, dando uma visão extraordinária da coisa; a pica ia lá dentro e saia um pouco, aí ela começou a acelerar o sentado indo e vindo incessantemente. A pica ia e vinha dentro dela com uma naturalidade, e ia arregaçando mais o cu. E em gemidos e palavras de incentivo, ela pedirá que arrebentasse aquele cu, que já tinha se rendido aquela pica que tanto o maltratava. Devido a aceleração dela, jereba sofrendo não aguentava mais, e num jato firme gozou dentro do cu, e a porra escorria-lhe pelo saco, pelo pau, jereba gemia dando graças aquele gozo violento e extasiático. Mais ela não parou, sentava e levantava encima do pau, até que ele amolecesse como acontece depois de uma gozada violenta. Ela sentiu que já tinha ido toda porra, estão lentamente, desacelerando devagar, devagar, parou, retirou o pau de dentro e começou a chupar a cabeça, agradecendo por ele ter enfiado aquela pica dentro dela. Sorrindo um para o outro, beijaram-se e abraçaram-se carinhosamente.



Ass, Lathea











VISITE NOSSOS PARCEIROS

SELEÇÃO DE CONTOS


Online porn video at mobile phone


contos eroticos aluninhaver tv pornô mulher que tem a vajina muito linda e grade gozando na pica sem para vaquira com o cavalocontos eróticos proposta indecente do cunhadomulheres a mijar por cima da casste grossa do marido contos eroticos familia bi passivacontos eróticos minha calcinha bi matobrincando de casinha conto eroContos eroticos ninfomaniacaConto eu peguei meu genro me brechando no banhofotos de fodas de buceta gostosa do precinpio ao fim todas as coloca?.contos eróticos contei detalhes absurdos da picaContos punheta na massagem no penis do meninocontos eroticos sou casada realizei o desejo do meu sobrinhogozando na submissa deitadacontos eróticos minha tia min da banhoesposa vagabunda contoscontos eróticos dois mlks fetiches voyeur de esposa conto eroticoraspada para surpresa do marido contosisso viadinho engole essa rola vou estrupar sua gargantaChantageei minha tia escrava lesbica contocadela piscando em uma metendo picaContos gay coroacontos eroticos, dei para meus alunosmorena cor janbro deixan goza dentroContos dormindo com juninhoconto safadocontos comeram minha mulher no colegiocontos eroticos sadomasoquismo com putasconto de meu avô rasgou meu cuconto erotico eu meu marido e o entregadofudi as dua sobrinhas de nove e onze anos contotriscando o pau na mão dela contos eróticoscontos eroticos de incesto: viajando com a mamae popozudaconto erotico gay cuzinho rosinha tapas socasainha olhava lesbicas contoscoloquei ela de bruços contos de travestividios novinhas dos mamilps diros pontudosvirei puto dos segurancas sadomasoquismo conto gaycomi minha enganado contos eroticosporrnodoido interacialcontos eroticos lambendo bucetadconto. a sugadora de. porracomi o gordo conto eróticoconto erotico o motorista me comeu e meu marido nao viueu sei que ele quer um pau, contoscontos chineladas da empregadagostosa.encoxada gozo nela q rla nei viocontos erótico filha pai e o maridocontos erotico loira trabalhocontos eroticos cegoesposa bebada na fudelancia na ilha contocontos porno meu marido perdeu o jogo e detonaram meu cuminhas sobrinhas conto eroticoContos eroticos fudendo gravidamulher delirando na foda do cavalo com eguabisexual contosvirgem tendo um orgasmo contos eroticosconto eroticos gay com paiConto de sexoEnfiando a cabeça da pica na buceta virgem filhaesposa bebada e seria sendo chatageada no churrasco contotiradp o cabaso da novimhaconto dei sonifero pra minha mulher dormir e outro comer elaminha novinha tarada contocontos deixando por no cúcontos dentistas safadacontos... me atrasei para casar pois estava sendo arregaçada por carios negoesfalei pro meu amigo que queria ver ele fodendo a minha esposacontos eroticos lavando roupa no tanqueContos eróticos mãe com os negrões e papai vendoContos de novinho chupando kct de caminhoneirosogra come nora pono segipanocontos eroticos fio dental minusculomae coroa mechama pra viaga com ela e durmo com ela insexto gostosa pornoContos eroticos mae inociando filho novinho conto realcontos eroticos mae filhafudi cm tds na praia contosconto enfermaria cheiro sexo intensominha novinha tarada contoContos eróticos de viados que berraram nas rolascontos eróticos mete um milho na bucetacontos eróticos casada não resistiu e traiucontos colega safadinhacontos eroticos perdi a virgindade com meu tutormãe filho evisinho sáś