Aviso: Voltamos Envie seu Conto estamos aguardando, recupere sua senha caso ja foi cadastrado antes !
Já está liberada a área de Cadastro de contos. Cadastre-se e evie-nos o seu conto

ALEGRIA DOS MENDIGOS

Ali em pé, com as pernas, me masturbando pensando naquele homem incrível foi meu palestrante, nem percebi que vários moradores de rua me olhando. Eu com uma saia, blusa branca e salto alto no meio do escuro, meus gemidos controlados que ecocavam, atraiu um deles que veio um se aproximando para ver melhor e quando percebo, vários deles ao meu redor.

O primeiro veio engatinhando e nem percebendo que eu o havia percebido, o deixei para ver ate aonde iria com sua investida sobre minha xaninha coberta pelo pano da saia e com meus dedos massageando-a, me excitando. Que língua gostosa daquele homem, não me contive e dei um gemido mais alto que o normal que o fez recuar um pouco e puxando a calcinha para baixo, afrouxando-a e para o lado para melhorar, ele segurou minhas coxas e me deu uma átima “chupada” naquela situação, os demais tiraram seus paus para fora, masturbando-se na minha frente.

Nem acreditava no que estava vendo, enquanto via que um estava com a cara engolindo minha xana, que babava muito naquela boca gulosa, os outros três desciam o zíper da calça se masturbando na minha frente, cheguei a conclusão que seria o prato principal deles. Já que esta na chuva, teria que me molhar, o tirei da minha xana e descendo minha saia com a calcinha toda molhada de saliva daquele homem, fiquei de quatro em cima da caixa de madeira e o deixei terminar.

Nossa, que homem de uma língua gotosa demais, chupava minha xana e meu anelzinho de tal maneira que não tive mais forças para desistir, gemia alto, já que estávamos mais afastados de qualquer pessoa indesejada e veio outro com seu membro já todo cheiro de saliva e masturbando. O cheiro nada agradável e ele já segurando minha cabeça e não tive escapatária a não ser dar prazer a ele e chupei segurando meu nojo que me fazia querer vomitar.

Os outros dois vieram pelos lados e pegando minhas mãos, sentia que teria que punheta-los, o que chupava quanto o que estava me chupando me seguraram para não cair. Nem pensava que minha fantasia estava sendo realizada, dar para vários homens, claro que era sá quatro, porem pelo menos sentiria se é gostoso ou não.

O que estava chupando tirou seu membro da minha boca e guspiu na mão indo atrás de mim cutucando o que investiu em mim, e olhando por baixo da minha saia, o homem que me chupou saiu e veio afrouxando a calça relevando seu membro já ererto, percebia que o dele deveria estar entre o médio para pequeno e quando deu o toque para ele sair, começou um desentendimento que acabou quando eles ouviram que daria para todos os quatro ali a minha volta.

Pincelou aquele cacete na minha xaninha, falando algo que não entendia, pois um dos que eu punhetava, saiu e assumiu o lugar dele me fazendo engolir aquele cacete todo sujo. Senti algo rasgando-me por dentro, nem tive tempo de sentir as dores que aquele homem que metia na minha boca, me fazendo quase ter vômitos engolindo grande parte do seu cacete sentindo seus pelos no meu nariz. O cheiro daquele era quase insuportável, pois tinha que me segurar e pensar em algo para não desistir.

Ouvia-os falar que acabariam comigo aquela noite, outro dizia que iria fazer minha xana ficar toda esfolada e as risadas de felicidade era tanta, que temia que outros moradores de rua aparecessem sem aos menos serem convidados. O primeiro que metia forte e fundo me fazendo ir para frente engolindo o membro do seu amigo e os meus olhos lagrimejavam de dor, torcia para que ele gozasse logo, pelo menos algum deles, poderiam ser gentis comigo.

Quando menos esperava, ele batia na minha bunda, falava palavrões e gozava uma grande quantidade de leite dentro de mim com fortes estocadas espalhando todo seu leite dentro de mim. Quando tirou os demais vieram observar minhas pernas tremulas e me segura sentindo seu gozo escorrer pelas pernas e o que metia na minha boca foi o práximo, pelo menos o membro dele não era “volumoso” como do primeiro que deslizou com mais facilidade.

Me levantou e colocando de quatro, com as mãos apoiadas no corrimão, pincelou seu cacete no meio do gozo do primeiro e já de olhos fechados, querendo demais ele dentro de mim, me penetrando. “Toma putinha” – e enfiou de uma vez me arrancando gemidos de prazer e outro subiu as escadas ficando sentado mostrando seu mastro e não me contive e o chupei. Aquele dizia palavras que pude entender: “Putinha, safada, cachorra”, batia na minha bunda, me segurava forte pela cintura, parecendo que sairia dele.. porem como gemia forte, quando o mastro do que ficou sentado me dava uma folga.

Acho que demorou uns vinte minutos ate ouvir ele gemendo e literalmente fazer da minha xanina uma cachoeira de porra que descia quando tirou seu cacete todo gozado. Pedi um tempo, o que havia acabado de gozar me deu seu mastro todo melado para limpar com a boca, com receio limpei tudo com medo com que poderia me acontecer.

Outro me levantou e sentando por baixo de mim, me puxou fazendo cair no seu cacete, aquilo que era um cacete pelo que entrou rasgando, mesmo minha xaninha toda gozada dos dois primeiros e me ajudava a saubir e descer enquanto o ultimo me chupava os seios que já estavam todos acessos. Adorando aquilo tudo, gemia forte e inclinando a cabeça para trás, ouvia a respiração ofegante do que me “fodia” e outro já recuperado do seu gozo, me mostrou seu cacete e já em total êxtase e o voltei e chupar.

Sentia que meu corpo pegava fogo, o suor descia de meu rosto descia para meu corpo que refletia a luz da única luz que iluminava aquela cena, a da lua. Dando uma pausa do que chupava, olhava toda a cena: um me comendo bem gostoso; outro beijando todo meu corpo; outro se masturbando esperando eu retomar o fôlego e o quarto sentado assistindo tudo.

Estava com tesão demais para pensar em algo, sá queria dar e dar para eles e me saciar minha sede por rolas e menos percebo, o que sugava meus seios tentou me virar para meter no meu anelzinho, pedi para o que estava sentado parasse e virei com a rola dele ainda dentro e fiquei com os joelhos sobre o caixote todo forrado pela roupa deles toda suja e segurei minha bunda, abrindo-a, mostrando meu cuzinho piscando e o que ficou por baixo voltou a me comer deliciosamente enquanto seu amigo me lambia de um modo que nunca havia sentido.

Forçava a língua para dentro e depois lambia todo em volta do meu cuzinho que piscava sentido um dedo todo salivado forçando para dentro e empinando mais, forçando como se fosse defecar e entrou. Começou o vai-e-vem alargando em volta juntando grande quantidade de saliva e molhando todo meu rego que escorria para dentro do meu cuzinho já doido para sentir a benga dele.

Meu corpo gozava e aquele morador de rua nem demonstrava reação, o que estava alargando meu anelzinho me segurou fazendo parar e pegou seu membro que não era lá essas cosias e me deu para chupar. E como chupei, lambia ate o talo e voltava ate a cabeça que a engolia passando a língua, deixando todo babado aquele cacete que não era como dos demais, porem não sentiria dores lá atrás.

Para falar a verdade, deduzi que gozei muito, porque minhas pernas estava tremulas e mesmo assim estava mais preocupada com a cena que revivia nos meus sonhos, dês que vi um filme “Gang Bang”, deve ser isso. Uma mulher dando para vários homens.. neste filme, vi duas mulheres comemorando o aniversario de 20 anos da amiga com vinte caras e a meteção foi fora de serie, assisti com amigas, porem não mostrei que estava excitada demais com as cenas das mulheres rodeadas por rolas.. de todos os tamanhos e cores, sendo “fodidas” literalmente.

Começou enfiando a cabeça que encontrou certa dificuldade, por falta de uma melhor lubrificação doeu um pouco e entrou me causando dores, mas cerrava os dentes para não gritar, meus olhos já lagrimejavam de dor, porem esperaram e depois de um tempo que me acostumei, dei um sinal para que eles prosseguissem. Segurando no corrimão, sentia os dois me fodendo, o que comia meu cuzinho segurava minha bunda abrindo-a para ter a mulher cena da sua vida, enrabando uma putinha que aguentava três de seus amigos e ainda tinha pique para mais.

Na verdade não tinha mais forças, o que me restava era meu forte desejo que deixava meu corpo acesso dentro de mim, me dava forças para continuar, mesmo levando “ferro” nos dois buracos, tive a ousadia de querer mamar mais um que se masturbava vendo aquela cena: dois dos seus amigos fazendo um sanduíche naquela desconhecida e ainda o chamando para chupar, pois minha boca era única parte que comportava todo seu cacete. E pedia para que me segurasse e o punhetava chupando-o engolindo o que aguentava em minha boca não me importando com mais nada, por que percebia que já chovia lá fora, uma chuva forte por sinal e dentro da bolsa, meu celular tocava oco pelo tanto de objetos que deveriam estar sobre ele.

De tanto punhetar o que chupava me disse que iria gozar e os primeiros jatos foram no meu rosto e depois mirou na minha boca aberta recebendo o restante que despejava com mais calma. E o que me comia meu cuzinho anunciou que iria gozar e me segurando forte, me inundou com sua porra quente, segurando seu urro de prazer. O que me fodia me levantou e me colocou ajoelhada com a bunda toda amostra e meteu no meu cuzinho que sentia minhas ultimas pregas indo para o espaço quando a dor tomou conta do meu corpo.

Que metia mais gostosa, ali de cara naquele pano, sentia a pegada daquele homem que metia com tanta força que fiquei toda dolorida, anunciando que iria gozar, despejou ainda mais dentro do meu cuzinho que estava mais aberto pelo cacete delicioso daquele morador de rua. Ficou em cima de mim e eu recobrando forças para ir embora, apenas limpei meu rosto naquele cobertor sujo de um deles e agachei expelindo toda a porra que descia e os quatro me olhavam a cena de uma mulher ali de cabeça baixa, escondendo o rosto e a porra descendo na xaninha quanto do seu cuzinho.

Me despedi deles com “sede” de querendo mais, porem algumas semanas depois, passando pelo mesmo lugar, não os encontrava. Porem quem sabe não experimento essa sensação novamente. Espero que tenham gostado e votem para saber o grau de satisfação para voltar a escrever aventuras sexuais minhas, ok?

VISITE NOSSOS PARCEIROS

SELEÇÃO DE CONTOS


Online porn video at mobile phone


zoofilia gay extraordinárias bizarroscontos maravilhosos de encoxadasvirei putinha do fedelho contona quarta feira de cinzas contos de sexocontos eroticos de de me tinhas conquistando os avós incestominha esposa raspadinha e puta contoconto erotico amamentando meu homemContos eróticos gangbangcontos de uma morena malhada do rabao casadasou apaixonado pela minha mãe sexo incesto contos novosrola na madrinha/contoconto banho com tia olhandocontos eróticos de minininhas que adorava ser abusada dormindocontos eroticos dei meu cu pra todosvideo fui brinca de lutonha acabei gosandoconto erótico me revelei na rola do travesticomendo a noiva do otario contos eroticosmeu sobrinho menor conto eróticocontos eróticos do tio malvadocontos eróticos de bebados e drogados gayshistoria e contos lesbica primeira vez com minha babaempregada fodendo jardineiro pornodoudooNovinas putinhqs boqueteras contos eróticoParaíba putinhocontos etoticos meu marido faz eu dar para trassecontoseroticosesposapraiaminha mulher pegou eu dando para o piscineiromarido realizando sonhos eroticos da esposaEu homem casado fui cadela de cachorro contos eroticosconto gay metemos todo diaContos eróticos enteada larissa viajardona jandura conto eroticoesposa novinha gostosa dominada por velho roludo contos eroticosdividi minha mulher com outro comto eroticocontos eroticos gays,tio jorge me feis mulhersinhaconto gay fodi o namorado da minha irmaConto mete tudo papaicontos chupando rola em terreno baldiocontos lesbicos de carceleiratrepo com a enteada dormindoMeu nome é Suellen e essa aventura foi uma delícia.rnSempre nos demos bem, erámos vizinhos e amigos. Eu tinha 18 anos, ele 16. Nossas casas são práximas, tanto que a janela do quarto dele dava pra janela do meu quarto. Eu sempre gostei de provocá-lo,Contos eróticos de cornocom negão dotadoscontos minha irmã minha putahistoria erotica irmão dopa irmãmeu marido sempre pedia pra eu me depilar yodinha contoscontos eróticos de viados que foram fudidos ouvindo palavrõescontos eroticos de estrupamendogostaria dever filha cupano apica do pi dorminocomo da a buceta direutinhoConto morena 37 anosdeixei meu sobrinho me ver nua contosmarido libera esposa para pagar o aluguel contocontos de corno minha mulher me trocou por outroconto erótico pagando a carona com a bucetatroca x troca feito com amigo e dando o cu contosdois primosConto minha amiga me dopou e me comeu com um caceteteporno conto relava aquele peito em mimbrincadeiras com irmã-contosconto erotico mae coroa tia coroa filho novinho juntocontos eroticos minha sobrinha bucetudacontos eroticos - comeu a sogracontos erótico com enfermeiraContos eróticos incestos sádicovoyeur de esposa conto eroticominhas filhas piquena bricano com cachorro contos zoofiliameu lobo gostosocontos de sogra engravidando do genroTia de xana peluda e sobrinho metendo conto erotico    relatos de casadas que treparam vom suas cunhadssconto erotico defia um diero comi ela pornoconto estrangeiro picudoconto erotico Minha aluna taradahistoria comendo eguaEscravizando a casada contosúltimo contos anal de sobrinhaSeios enrrigecidos da minha esposaas mais linda esguichada na punhetacontos eroticos cunhadinha dormindovaselina conto hétero