Aviso: Voltamos Envie seu Conto estamos aguardando, recupere sua senha caso ja foi cadastrado antes !
Já está liberada a área de Cadastro de contos. Cadastre-se e evie-nos o seu conto

SEMPRE FUI MAS ELE DESCOBRIU-ME

Eu sempre fui um daqueles miúdos inteligentes mas fracos: corria pouco, perdia todos os jogos e era alvo da chacota dos outros. Mas desde os meus 19 anos que ele tem sido o meu protector. Ele tem estatura média, olhos escuros, corpo moreno e musculado e sempre foi um daqueles desportistas por quem as miúdas todas suspiravam. Ele sabia disso e aproveitava. Eu nunca tive sorte com elas mas ficava feliz por ele, perdi a conta de todas as vezes que o vi afastar-se de mão dada com a rapariga por quem eu suspirava na altura. Mas eu não me importava porque ele era meu amigo.



Ele deixava-me jogar na melhor equipa e protegia-me dos outros. Eu fazia-lhe recados, os trabalhos de casa e encobria as confusões em que ele se metia tantas vezes. Ainda hoje, tantos anos depois, não lhe consigo recusar um favor quando ele me olha nos olhos e mo pede.



Hoje temos 19 anos. Há umas semanas atrás, eu andava com problemas em casa, a minha mãe e o meu pai a discutirem cada vez mais e eu a sentir muita pressão em cima de mim. Foi nessa altura que, por causa de um teste, estávamos os dois a estudar em casa dele, sozinhos.



Estávamos sentados no mesmo sofá, lado a lado e eu tentava explicar-lhe uma matéria mais complicada. Mas a minha cabeça estava noutro lado: nos meus problemas, nos meus pais. Eu queria disfarçar, não lhe queria contar nada, não o queria distrair da matéria que ele tinha que saber para o teste. Mas foi nessa altura que tudo disparou, a minha cabeça andou a roda e as lágrimas vieram-me aos olhos.



“O que foi? Conta, o que é que tens?”



Ele pousou a mão no meu ombro e olhou para mim preocupado. Eu, a enxugar as lágrimas, contei-lhe o que se passava. Tremia e sentia-me envergonhado por fazer aquela figura em frente a ele. Ele percebeu como eu me sentia: “Deixa estar, é melhor deitar isso para fora”. E abraçou-me enquanto me dava palmadinhas nas costas. A emoção tão contida anteriormente veio de novo à tona e chorei novamente, agarrando-me com força e aproximando-me mais dele, para me sentir seguro. Sentia-me tão frágil naquele momento... Não dissemos nada durante uns tempos.



Ficámos ali, eu com a cabeça encostada no ombro dele e ele envolvendo-me com os braços até eu parar de soluçar. Murmurei um “obrigado” envergonhado e quando me ia soltar para me afastar, os seus braços fortes enrolados à volta de mim fizeram pressão e mantiveram-me onde estava: “Ainda não estás calmo.Acalma-te primeiro”, disse-me ele suavemente com um tom de voz não habitual.



Não pude deixar de reparar nos músculos dele e na facilidade com que me imobilizava. Instintivamente levei a mão esquerda ao seu peitoral e retirei-a de imediato, mas nessa altura comecei a sentir o meu coração a bater mais forte. Nás éramos amigos, não queria quebrar a confiança. Não sabia o que ele estava a pensar de mim naquele momento. Ele também se agitou ligeiramente e aproximou gentilmente a minha cabeça do seu pescoço. Senti o odor do perfume que ele usava e fiquei tonto. Ele começou a afrouxar a pressão que exercia sobre mim, deixando uma das mãos deslizar até à minha coxa.





Eu estava cada vez mais confuso e inebriado com a situação, o meu sangue pulsava forte nas veias. Voltei a pousar a mão esquerda no peitoral dele enquanto me chegava mais para o perto dele, agora quase ao seu colo. Nenhum de nás falou mas ambos soubemos que foi aquela a minha tímida forma de dizer que ele podia continuar. Então ele deslizou com a mão da coxa para o meu pénis e começou a massajar suavemente. Eu beijei o seu pescoço o mais carinhosamente que consegui, tentando afogar-me no seu perfume enquanto o meu pau ficava duro rapidamente.



Eu sempre fazia o que ele me pedia mas aquela era a primeira vez em que me sentia completamente dele. Ele então parou, afastou-se e olhou para mim. Eu olhava o chão, tinha vergonha, mas ele disse “Ninguém precisa de saber”. Pegou-me no queixo e obrigou-me a fitá-lo, a olhá-lo nos olhos enquanto ele sorria. Ele aproximou-se de repente e deu-me um beijo, profundo, molhado. A sua língua entrou na minha boca e eu senti-me a desfalecer, tive que me agarrar a ele para não cair. Tentei corresponder o melhor que podia, brincando com a sua língua. Ele explorou a minha boca o tempo que quis e, quando acabou, sorriu novamente, sempre olhando para mim com ar gozão.



“Levanta os braços” Eu obedeci. Ele tirou-me a camisola e a seguir desapertou as calças dele, soltando o seu pau. Eu já o tinha visto antes, no duche dos balneários, mas nunca daquela forma. Estava enorme, pulsante, rígido e apetecia-me tocar-lhe. Estendi a mão mas ele agarrou-me: “Não, assim não.”. Colocou a mão na minha nuca e fez-me descer lentamente, enquanto eu abria a boca e fechava os olhos, sentindo o seu cheiro forte penetrar-me antes de me entrar na boca. Preencheu-me, engoli tudo. Sentia a sua glande na minha garganta e a mão dele sempre na minha nuca, marcando o ritmo. Ele às vezes soltava uns gemidos e dizia “Engole tudo, chupa isso bem”. Eu fazia o que ele me dizia, eu sempre faço o que ele me diz....e sentia os seus olhos negros em mim, cheios de tesão. Eu estava tonto com o seu cheiro forte e bom, saboreando os seus fluídos misturados com a minha saliva, e queria ficar ali para sempre. Com a mão livre ele tentava despir-me as calças, eu desapertei os botões e eu em breve estava nu, com a boca cheia do seu pau e completamente entregue. O movimento de vai-e-vem ficou mais rápido . Com a mão livre, começou a beliscar as minhas nádegas e a brincar perto do anel do meu ânus, ameaçando entrar e fazendo-o o piscar. Eu desejava com todas as minhas forças sentir o seu dedo, mas ele não deixou...



“Vou gozar”



Jactos quentes de esperma inundaram a minha boca, escorrendo para fora dos meus lábios. A sua mão na nuca não me deixou sair e fiquei ali tentando engolir o que podia, a sentir a textura do esperma na minha boca...em toda a minha boca. Ele tinha a respiração ofegante.



Levantei a cabeça, meio engasgado e ficámos a olhar um para o outro. Ele disse “Estás bem?”. Eu assenti com a cabeça mas disse “Isto não devia ter acontecido”. Ele soltou uma gargalhada e eu senti-me humilhado e novamente confuso. “Entao porquê esse tesão?”. Olhei para baixo e vi o meu pau completamente duro. Fiquei vermelho e sem saber o que dizer ou fazer.



“Anda cá”





Ele puxou-me para ele e fez-me a sentar ao seu colo, de lado, em cima das suas pernas e com o braço a volta do seu pescoço, como uma filha ao colo do pai. Eu não ofereci resistência. Sempre a sorrir para mim, com o dedo que eu antes tanto queria sentir no meu anus, limpou o esperma que tinha escorrido dos meus lábios e meteu na minha boca. Eu chupei e engoli mas não consegui olhar para ele. Ele então deu-me um daqueles beijos de ir as nuvens e ao mesmo tempo começou a bater uma punheta, mas nunca me deixando gozar.



Eu estava novamente rendido a ele e ele sabia. Parecia apreciar cada momento que passava. Senti, debaixo de mim, o seu pénis a ficar duro novamente e comecei a rebolar tentando metê-lo entre as nádegas. Perdi o acanhamento e comecei a chupar a língua que ele me oferecia, enquanto ele me acariciava no pescoço com uma mão e o pénis com a outra. Agora percebia o que ele fazia com todas as meninas que eu via a afastar-se de mão dada com ele, e sentia-me uma delas. Naquele dia, eu era a menina dele.



Tentava bater-lhe uma punheta com o seu mastro entre as minhas pernas mas eu queria mais. Tentava dizer-lho com os olhos mas ele não fazia nada. Tentei montar no pénis dele mas agarrou-me e impediu-me. “Tens que me pedir”. Eu não queria, tinha vergonha e olhava para os seus olhos negros, gozões, suplicando-lhe em silêncio.



”Diz”



Então aproximei-me do ouvido dele e disse baixinho “Fode-me por favor”. Ele soltou uma nova gargalhada e empurrou-me para o outro lado do sofá. Eu pus-me de quatro e ele despiu as calças e pôs-se de joelhos atrás de mim. Prendeu as pernas entre as minhas, obrigando-me a abri-las, imobilizando-me. Agarrou as minhas mãos e agarrou-as com a mão esquerda dele atrás das minhas costas, forçando-me a enterrar a cabeça na almofada do sofá.



“Sá te fodo quando pedires mais alto”



Pincelava-me cruelmente o anus com o seu pau duro. Eu mordi a almofada, sentindo ainda o sabor dele na minha boca, e gemi baixinho: “Fode-me...”. Ele cuspiu no meu cu que estava aberto, piscando para ele. Enfiou a glande e voltou a tirar. Eu não aguentava mais. Ele torturava-me e sá eu podia acabar com a tortura.O meu pénis estava duríssimo e eu sentia o dele a pulsar em cima das minhas nádegas. Gritei o mais alto que podia:



“Quero-te dentro de mim!”



Aquilo fez eco dentro da minha cabeça. Quebrou todas as regras morais e esqueci-me de quem era. Lentamente mas sem parar, ele estava a meter o seu pau a entrar no meu anus. Sentia dor mas não me importava. Ele colocou todo o seu peso em cima de mim e eu aguentei com esforço, até sentir os tomates a bater nas minhas nádegas. Sentia-me completamente preenchido e submisso, e sabia que era assim que queria estar. Eu faria tudo por ele. Quando a minha primeira penetração acabou eu soltei um gemido enorme abafado pela almofada. Ele não dizia nada, mas começou num movimento delicioso de vai-e-vem. Soltou-me as mãos e pude apoiar-me. Ele agarrou-me e encostou os nossos corpos. Sentia a respiração dele no meu pescoço e quis tanto beijá-lo naquele momento...

Aproximou-se do meu ouvido e enfiou a língua enquanto o movimento ia aumentando de velocidade. Eu sentia-me nas nuvens, estava de olhos fechados e era dele, para sempre dele, a menina dele...a sua puta sempre disposta a tudo. Rebolava e gemia bem alto agora. Queria que ele soubesse que me tinha possuído por completo.



Perdi a força nos braços e deixei-me cair com a cabeça na almofada, já molhada com o meu suor e saliva. Ele mordia-me o pescoço e apertava-me os mamilos enquanto me punhetava com a outra mão. O seu pénis entrava e saía do meu corpo de forma selvagem e eu sá queria mais, mais rápido, mais forte!



De repente vi tudo branco, senti uma força imensa dentro de mim, um calor pulsante que partia dele e me enchia todo. Gozámos ao mesmo tempo, eu a gritar feito uma puta e ele a dizer-me ao ouvido “És meu”. Perdi a força toda que me restava e desmaiei por uns segundos.



Acordei deitado de costas, banhado em suor e em cima do meu práprio esperma derramado no sofá. Ele beijava-me a boca e olhava para mim, sempre a sorrir, com aqueles olhos castanhos muito negros olhando-me e deixando-me sem reacção. Abracei-o e murmurei “Obrigado”.



Ambos sabíamos que, de agora em diante, eu ia ser para sempre dele.









VISITE NOSSOS PARCEIROS

SELEÇÃO DE CONTOS


Online porn video at mobile phone


conto erotico deixei o cu da velha japonesa arombadomuhleres quecavalo tramsa com animalcontos eroticos pastorcontos eróticos sadomasoquismo argola enfiada na bucetacontos eróticos chupa querido aiiii chupa a bucetacontosgay comi meu priminho bricando d lutinhafomos cem calcinha e fomos fodida por puzudos dotafos no bar contoconto gay camisolinhaconto erótico irmão vomitou roupacontos to gravida do meu filhomeu pai me comeu contos eroticoscontos eróticos de noracontos eroticos sou casada a segunda orgia para meu maridomae pede pro filho ajudar escolher a lingerie incestocontos enfermeira casada e safadacontoseroticos chupando meu tioconto pono de mulhe deiixa seu ammate negao tira sangue da suuua fiilhavirgem tendo um orgasmo contos eroticoscontos eróticos proposta indecente pra tiamua mulhes supano amiga abuseta pigano galacontos eroticos na piscina com a famila todos nus no reveioncontos eroticos irmazinha se oferecendodescobrindo que o primo gosta de rolairmã transformassem roupa vídeos pornô doidoo negão comeu o meu marido contos eróticosarregangou as pernaspassagem erótica eu vou a loira gostosona na f*** boaConto erotico cu madamecontos eróticos esposo.foi jogar futebolconto erotico minha patroa me viu de pau durocontos comi a amante do meu paiperdendo a virgindade com o pai-contos eróticosContos filho deixa mae so de calcinhapriminhos gay loirinhos fazendo safadesacontos eu minha esposa e a empregada na praia de nudismoconto erotico traveco e casalcondos erodicos perdendo virgindadeenfiaram uma bucha no cu do estupradorconto porno coroa crente com novinhominha filha viciada em porra caninaprimeira vez que comi meu amigoContos erotico ferias quentes cinco o retorno do titio pegadorcontos eroticos dopando primasconto esposa atendendo pedido sexual do maridozoofilia brut com cachorroconto erotico viadinho dei meo fu virgesogro engoxada no honibus condos erotigosHistorias porno engravidei minha enteadacontos eróticos a doida tia de vestido vi a calcinha delaContos eroticos de policiais sacanacontos eroticos gordacoroa t***** da bundona state durinho rebolando gostosocontos eroticos vi minha esposa me traindodei minha bucetao mestruada e ingravidei contoscontos erotico fui concertar s torneira da vizinhaconto erotico sou enfermeiro e nso resisti e comi a novinha dopada no hospitalcontos erótico acabei indo pela primeira vez num sítio de naturistacamiseta e sem calcinha contosimcestos minha filha novinha cabacinho quiz fuder compapai vconto lesbica humilhadaaiaiai vou goza no kct do meu paicontos eroticos gay vadiacontos erotico de praia de nudismoCu maislargo do mundo em fotoscontos eroticos minha anjinhacontos eróticos, esposa safada, puta dos patrõespegei a minha bisavo e ela deu o cuenfiando na bucetavarias coisascdzinhas contos reaisUM ESCONDE-ESCONDE DIFERENTE (PARTE-2)