Aviso: Voltamos Envie seu Conto estamos aguardando, recupere sua senha caso ja foi cadastrado antes !
Já está liberada a área de Cadastro de contos. Cadastre-se e evie-nos o seu conto

O SACO DO MEU PADRASTO

Este conto foi escrito pelo safado do filho de minha ex-mulher há 3 anos, na época com 19 anos, que compartilho a seguir com vocês.



"Como era gostosão o meu padrasto! Trinta e quatro anos, cabelos levemente grisalhos, corpo magro e normal, com belas, grossas e peludas pernas e um pau que sempre mexeu com minhas fantasias. Sua mania de ficar sá de cueca boxer em casa mexia comigo. Muitas vezes, ele se trocava na minha frente, me deixando ver aquela rola grossa, enorme, com uma chapeleta grande, roxa e semi-descoberta. Porém, era por seu saco que minha boca salivava. Nunca vi saco mais lindo e apetitoso, com bolas generosas e bem acomodadas naquela bolsa de pele, trazendo pentelhos bem-aparados, que denotava ser muito macia ao toque. às vezes, ele dormia no sofá de casa sá de calção, deixando o saco sair e ficar dependurado por uma das pernas. Que vontade de acariciar, apertar e chupar aquelas bolas enormes!



Um dia, não aguentei vê-lo assim, dormindo seminu, na sua cama, com aquele volume em riste dentro da boxer. Pude ver seus quase 20x6cm em sua plenitude, quase furando o tecido branco da cueca. Fui devagar e, com panos, o amarrei na cama pelos braços e pernas. Comecei a apertar seu pau por sobre a cueca com força, o que lhe fez acordar assustado pela dor. Ele não acreditou ao ver seu enteado, zagueiro do time do bairro e pegador das gostosinhas da rua, agarrando seu jebão. Sua expressão detonava seu espanto. Amordacei-o mandando ficar calado. Arranquei com força aquela cueca, exibindo todo o meu objeto de desejo. Acariciei suas coxas e peguei gostoso em seu pau que já estava meia-bomba pelo medo. Ordenei meu querido padrasto a deixá-lo duro. Do contrário, o deceparia. Mostrei-lhe a faca de açougueiro por sobre a cabeceira. Ele suava frio, exalando o seu delicioso cheiro. Esta era a minha fantasia: abusar de um dotadão.



Passei a lamber toda a extensão daquela jeba. Acomodei-a todinha em minha boca. Chupei aquela chapeleta roxa com gosto. Brinquei com minha língua, pelos cantinhos de pele do cabresto. Aos poucos, ele foi liberando, ficando relaxado e gemendo. Seu pau pulsava ora em minha mão, ora em minha boca. Eu o punhetava devagar, olhando para aquele saco que tanto almejava. Agarrei-o e arranhei aqueles bagos, fazendo-o contrair-se de agonia. Enfiei-o todinho em minha boca, chupando as duas bolas ao mesmo tempo. Trocava-as com a língua, o fazendo sentir um misto de dor e prazer. Passei a mordê-las, como sempre desejei, sem me importar com os gritos abafados pela mordaça. Era lindo ver meu padrasto se contrair de dor nos bagos e ver seu pau babando em riste. Não sabia como era bom morder. Aproveitei e bebi aquele mel gostoso enquanto quase esmagava suas bolas com minhas mãos. Eu dei algumas palmadas naqueles bagos e puxava sua pele para mim, deixando-o estirado ao extremo e fazendo seu pau ficar a 90ª. Deslizei com meus dentes pela chapeleta, fazendo-o quase desmaiar de aflição, prazer e dor. Mamei gostoso no rolão do meu padrasto até ser brindado com aquele leite fértil, quente e saboroso que minha mãe deveria saber muito bem como era bom. Bebi tudo, saboreando cada gota de olhos fechados.



Achei que ele iria me bater, contar para minha mãe ou me entregar para a polícia pela tortura genital que lhe proporcionei. Porém, ele me disse que, se queria mamar, era sá ter pedido e não precisava judiar tanto de sua mamadeira. Desde então, passei a chupar as bolas e tomar meu leitinho, todo dia, direto da imensa fonte do meu padrasto. Um dia, ele não aguentou e me colocou sentado em sua vara. Eu, um molecão sarado de 19 anos e 1,84m de altura, tive o que mereci por ter judiado das bolas do meu padrasto. Ele me fez sentar naquele troço imenso e foi me rasgando de fora a fora. Fui empalado por ele de 4 e de frango assado. Cavalgar foi muito doloroso, até porque, ele quase esmagava as minhas bolas com uma mão e, com a outra, controlava meus movimentos, para que não sobrasse nenhum centímetro daquela jeba para fora do meu cuzinho, até então virgem. Eu gritei muito, mas meu lamento fora abafado pela mesma mordaça que usei com meu algoz. Meu cu ardia muito. Sentia uma vontade enorme de cagar, fazendo força para aquilo sair, porém entrava cada vez mais. Sentia suas bolas, que tanto chupei e judiei, batendo agora em minha bunda, que era espancada por suas mãos pesadas. Porém, se for para ter aqueles bagos em minhas sádicas mãos e aquele delicioso leite em minha boca, aceito qualquer doloroso castigo."

VISITE NOSSOS PARCEIROS

SELEÇÃO DE CONTOS


Online porn video at mobile phone


contos eroticos segundas intençoescontos eróticos muleque pega no flagra muleques tocando punheta no matoiniciacao putaria bi conto eroticomamando no titio contos gaymamado no papai contosadoro ser cadela contoseu gordinha arregacada por um roludo contostravesti gritando pidido porra no seu cuContos eroticos ninfomaniacagordinha conto eroticosou puta do padrasto-conto eróticoconto erotico encesto.meu pequeno entiado mim comendo enquanto eu dormiaconto homem bem dotado assediou minha esposa ate ela ceder e foder com eleifeta sandalilhacontos eu minha esposa e dois comedoresContos bdsm sequestradaconto erótico chantagem putinha pobre cu coloContos fui nadar com minha avó acabei comendo elacontos eroticos de despedidas de solteiracontos eroticos fudendo a mae travesticontos a mulher policialcontos caipiras amadores bucetasas meninas brincaram com meu pau contosConto minha mulher pegou eu dando o cucontos eróticos de professoras gostosas transando muito gostosoeu sou casada e amo zoofiliacontos eroticos de sogras velhascontos fudi minha cunhada emplena lua de melconto eróticos c afilhadaPrazer Gay:Contos sobre Valentão da minha vidacontos eroticos eu ajudei meu amigonegra da pra um de4 e chupa do outro por dificuldade em motelContos eróticos mãe com os negrões e papai vendoconto erotico gay: transando com um japonescontos eróticos minha calcinha bi matomuie pega a manguera do amigo do cornaocontos eu minha esposa meu pai e meu irmao na putariacomer um cu contos eroticosmelequei a bucetapeguei minha sobrinha do interior matutinhaMeu primo caralhudo fodeu os meus cabacinhoscontos eroticos depois daquela pica a buceta da minha esposa nunca mais foi a mesmacontos eroticos chupar bucetacontos gay brincadeira de luta comi meu irmãozinhocasada tarada por caninoContos Mamadas no paizimpai do meu amiguinho, conto gaydando bobeira de baby doll em dentro de casacontos erotico gay dei pro amigo do meu pai e comi a cachora dele sorfilaconto erotico encesto.meu pequeno entiado mim comendo enquanto eu dormiacomi a enfermeira contoscontos eroticos escondidochantagiei a mulher do colega que traia ele conto eroticocontos com sobrinha dormindo lingerieXvideos gostosas musculos nas coxas na cabine eroticaconto menor me comeumeu subrinho enfiou o dedo no meu cu conto"minhas filhas" "richard" conto eróticoincesto reais irmão tirando virgindade de irmã pequena em van escolarcontos erotico peguei carona na hora erradaconto.erotico.tia.sogra.cunhadaconto de professor dando.o cu por alunocasa dos contos marido pede para esposa por uma sainha bem curta e.provocaconto erotico o soldado arrombou minha bucetagozou nela e espirrou porra em mimfui comida peloamigo transexual contosconto erotico iniciada por meu tioirmãozinhos safadinhos fazebdo safadesaconto sexo paiempregada carente de um trato na camame casei com um corno