Aviso: Voltamos Envie seu Conto estamos aguardando, recupere sua senha caso ja foi cadastrado antes !
Já está liberada a área de Cadastro de contos. Cadastre-se e evie-nos o seu conto

DESCUIDEI E MEU CACHORRO TIROU MEU CABAÇO.

Um relato de TAMIRES:



Eu sou a irmã gêmea de Dayane. A Daya. Vivemos grudadas como a maioria das gêmeas. Sentimos, uma a dor da outra. Até tesão sentimos juntas. Estudamos e brincamos sempre uma ao lado da outra. Enfim, nos adoramos.



Estamos agora na areinha. Uma beira do rio que passa no fundo de casa, aqui na fazenda. É uma das nossas diversões. Nadamos quase todos os dias. Sempre acompanhada de Rex, nosso cachorro de estimação. É o que estamos curtindo agora. Dando pontas no lugar mais fundo e o Rex pulando dentro dÂ’água. Eu e a Daya temos o costume de nadar, sá de calcinhas, mas às vezes eu curto nadar nua, peladinha mesmo, como agora. Estou sentada na areinha e o Rex vem me lamber. A Daya fica dentro dÂ’água sá espiando. E rindo muito. Rex adora lamber minha xotinha. Ufa! Dá o maior tesão. Ele põe o pinto pra fora. Vermelho. Da vontade de pegar, mas tenho um pouco de nojo. Eu abro as pernas e sinto as linguadas do cachorro. Meu cuzinho arrepia. Minha bucetinha incha de tanta vontade de dar. A língua dele é quente e molhada. Mal começa a chupar e eu já gozo. Rex gosta de subir em cima de mim quando quer me foder. Mas eu tenho muito medo. Mas ai que vontade que dá. Quando eu estiver sozinha... Lembro a Daya que ela tem de levar a merenda na roça, pro nosso pai.



____ Vou levar merenda pro pai na roça então e depois eu volto. Daya grita, já saindo correndo. Esperei um tempo. Assim que me vi sá, abri a guarda pro cachorro. Tinha que ser jogo rápido, pois logo a maninha estaria de volta. Virei de bundinha pra cima e deixei o Rex lamber minha bocetinha por trás. Muito gostoso. Sinto as linguadas quentes no meu cuzinho. Ergo o rabo pro alto e a língua dele alcança meu grelinho. Abaixo e ele se contenta com meu reguinho. Cheira o meu cú. Dou umas chupadas no ar. Que delícia. A Daya não sabe o que perde na vida. De repente o Rex começa a me lamber a nuca, e começo a sentir a pica pegajosa dele se enfiando no vão de minhas pernas. Sinto medo e tesão. O tesão fala mais alto e fico imável esperando o que acontecerá. O pau do cachorro, a pontinha fina dele procura, feito louca uma brechinha pra se enfiar. Vou controlando a reação dela e quando entra demais no meu rego, tranco as pernas. A vara escorrega pra cima. O cachorro uiva de tão tarado que está e isso me dá mais tesão ainda. Vou aliviando a pressão no reguinho. O cacete vermelho do cachorro desliza enfurecido pelo meu rego. Sinto uma pontada no cú. Fecho o rego rápido. Ufa! Que alívio. Quase que ele me enraba. Assim sigo na brincadeira, vou amolecendo o corpinho, me entregando ao desejo. Me entrego aos pensamentos libidinosos. A mente viaja. Por uns instantes esqueço da vida.



____ Ai! Aiaiai. Uma dor terrível. Levei uma fincada na boceta. Um descuido, e ele achou a fenda da minha grutinha e calcou o ferro. A vara entrou toda. Quase desmaio de tanta dor. Cobri o rosto com as mãos e deixei o cão me foder. Urrava de dor. Sinto os jatos quente de porra invadindo minha xaninha. Aos poucos a pressão vai aliviando. Sinto menos dores. Rex me fode sem parar. Parece alucinado. Tento escapar daquela situação. Levanto o corpo frágil e me ponho de quatro. Ai o cachorro me mete mais fundo. Volto a sentir as dores das estocadas. Tento fugir. Vou me arrastando em direção á água. Rex me abraça por trás, arranha meus peitinhos, minha barriga. Daya chega correndo e tenta me ajudar escorraçando o cachorro. Mas Rex parece maluco. Baba de tesão. Fico desesperada e com dificuldades deslizo meu corpo pelo barro e alcanço a margem. Me jogo dentro dÂ’água. Rex pula junto. Mas consigo escapar. Estou assustada. Aos poucos vou me refazendo do susto. A bocetinha sangrou. O cabacinho se perdeu no caminho. Minha pulsação a custo vai se normalizando. Daya me abraça. Sinto-me protegida agora. A brincadeirinha com Rex passou dos limites. O que era do homem o bicho comeu. Fui desvirginada pelo meu amigo cachorro. De cima do barranco Rex me observa. Parece que implora por uma segunda foda.

Eu heim! Vê se te manca. Por hoje basta.

VISITE NOSSOS PARCEIROS

SELEÇÃO DE CONTOS


Online porn video at mobile phone


penes maigadeconto real meu vizinho me agarrouvesti as roupas da minha mulher por curiosidade fui flagrado pelo vizinho e virei sua putinha gayCavalo discabasando uma jumrentacontos sexo minha esposa nossa vizinha travesti novinhaContos eroticos meu sogroContos eroticos caralhooocontos eroticos sobre virgindadegostoza mastruba aloprado fas ele gozar xvidiocontos eroticos ,,sou noiva e o negão comeu meu cu na ,minha camaacontos eróticos desde novinha fodendocontos eroticos srntar no colo inceztocontos porno papai me deixou arnbadacontos gay meu paizão comendo o meu cunhadoconto erótico esposa de férias e tal marido sem querercontos eróticos de bebados e drogados gaysconyor ele domou minha bucetacontos coroas barrigudosme casei com um cornochupando coroa empinadinha boa de f***contos eroticos zoofilia aparelho coletacontos eroticos mulher do amigo safada na saunaareela farraelamãe não deixa filho fude.com ela.na.vuzinhahantai filinha patendo punheta pro pai safadaContos comi a mulher de amigo bebadacontos eroticos fui bem fodida feito puta e chingada feito uma vadia pelo meu tiocontos virei femea na republica gaycontos dei pro meu padastroContos erotico ferias quentes cinco o retorno do titio pegadoramamentar o pedreiro contoscontos eróticos comi minha quando ficamos só em casacontos de incesto tios kerem fuder suas sobrinhasContos eróticos bdsm Ele costurou minha bucetacontos eroticos mulhersibha do papaicontos adoro ser cornonovinha engulindo pou com muito cozocontos erotico chifrei meu marido e me flagrou vai mete seuCasada narra conto dando o cucontos eroticos Supresan bate papovídeos pornô Santa Rita taxistacontos eróticos, gosto de sentir o esperma escorrendo dentro do meu cuconto de meu avô rasgou meu cucontos eroticos me exibi nua pra elavirei uma sapeca bem safada do travesti roludo casa dos contosminha irma seu cu cheiroso contoseu conto cunhada casada ver o cunhado de pau duro e fica loucaContos to gravida de um travesti meu marido arrumouconto erótico gay usei calcinha e sai na ruaconto erotico pai come nora e o filha vezoofilia casada conto xacraas mulher freira depilando o priquito no conventoPasseio de lancha com um coroa conto erotico conto erotico gay cuzinho cagando piscando matorelatos de corno manso.vacilei o meu amigo comeu a minha mulherboqueteira gaucha contocontos eroticos nordestea bumda que sempre sonhei comepor que quando eu falei pro o meu amigo que eu vou ibora comcamionero ele em cheu ohlo de aguaContos madrasta putaconto gemendo no pau do pone taradoconto gay velhocontos eroticos escarro na boca deleo tio ceduzino adolecente metendo odedo priguitinhamorena de seios gigantes e cintura fina fundendo com um homemmeu tio safado gosta de mim ver de vestidinho curto pornocontos: sentei no colo do velhocontos erótico Parácontos eróticos de bebados e drogados gayscontos o encanador negão me comeucontos sadomasoquista extremocontos ,chuparam tanto meu pau até ru gozar na bocacontos casada cago no pau do negraomeu irnao mas velho dormiu bebado bitei i pau na bunda delecontos de incesto minha filha sendo comidaporno mulheris con a perna meia canbotaMeu amigo me convenceu eu deixa ele chupa no meu paucontos gays reais/a anaconda do meu primo