Aviso: Voltamos Envie seu Conto estamos aguardando, recupere sua senha caso ja foi cadastrado antes !
Já está liberada a área de Cadastro de contos. Cadastre-se e evie-nos o seu conto

O VELHO MATUTO E A JOVEM GATINHA

Sandrinha tinha apenas 19 anos mas já possuía um corpinho bem definido de mulher. Morava com os pais na capital do estado e estava em férias escolares. Foi nessa mesma época que a velha avá, que morava no interior, havia sofrido uma cirurgia e necessitava cuidados. Os pais de Sandrinha pediram para que ela fosse passar uns dias com a avá, que era uma viúva solitária. Ela morava num modesto sítio e possuía apenas um empregado, o velho Cleber. Sandrinha chegou ao sítio trazendo junto sua beleza e juventude ao lugar. Passava a maior parte do dia ao lado de sua avá, mas sempre achava um tempinho para passeios pelos arredores do sítio. O velho Cleber a acompanhava de longe, sem que ela percebesse. Era uma boa oportunidade para o velho pervertido poder observar a menina banhar-se no riacho proximo ao sítio. Sandrinha usava um minúsculo biquini, que ajudava a revelar sua bela forma física. Cleber babava, observando-a escondido atrás de uma árvore. Apesar de ter passado dos 60 anos, ainda tinha uma forte tara por mocinhas como Sandrinha e fazia tempo que não via um corpo como aquele. Sandrinha era muito simpática e sempre o tratava com muita atenção. Os dias passavam e Cleber sempre fantasiava ao ver Sandrinha com seus vestidinhos curtos. Certa tarde ele sentiu falta da menina, que não havia feito o passeio rotineiro e se aproximou da casa para ver se algo havia acontecido. A porta da cozinha estava aperta e ele entrou cuidadosamente. Quando chegou na sala quase enfartou com o que viu: Sandrinha estava dormindo no sofá usando o pequeno biquini e uma camiseta. Ela estava deitada de bruços e sua bunda farta era um convite ao prazer. Ele passou pela menina e foi até ao quarto da avá, verificar o que a velha estava fazendo. Ela também dormia e ele voltou para a sala. Se aproximou de Sandrinha e ficou adimirando seu corpo gostoso. Tocou de leve na bunda para verificar se dormia profundamente. Ela permaneceu imável e ele continuou alisando a bunda até passar os dedos entre as pernas dela. Sentiu o calor de sua xaninha e resolveu tirar o pau de dentro das calças e iniciar uma punheta. Sua pica dura não era tão grande, uns 18cm, mas era muito grossa e cabeçuda. Puxou um pouco o biquini para o lado e tocou de leve a xoxota da menina. Ele levou um grande susto quando ela se virou, mas ainda permanecia dormindo. Ele cuidadosamente aproximou a mão e tocou-a na bucetinha. Ela deu um suspiro discreto e ele recuou. Seu pau pulsava de tão duro, querendo possuir aquela gatinha. Ele voltou a toca-la, dessa vez nos seios duros. Levantou a blusa da menina e começou a mamar, delicadamente, seus seios. Ela suspirava, mas ainda dormia. Ele já estava enlouquecido com aquilo e tentou tirar o biquini da menina. Foi surpreendido pelas pequenas mãos de Sandrinha, segurando o biquini e susurrando que ele não podia fazer aquilo. Foi aí que ele notou que a menina estava acordada durante todo o tempo. Ela segurou em seu penis e falou que ainda era virgem, mas que iria satisfaze-lo, tocando uma punheta bem gostosa. Enquanto tocava a punheta ela revelava que sabia que era espiada por ele quando se banhava no riacho. Cleber delirava e estava quase gosando. Se controlava como podia, pois queria que Sandrinha o chupasse. Ela relutou mas acabou cedendo para a satisfação do velho. Abocanhou timidamente a piroca de Cleber, mas logo já chupava e lambia com perfeição. Ele tentava se concentrar para não gosar, pois o que ele queria mesmo era xoxotinha virgem de Sandrinha. Mas ela caprichou tanto no boquete que ele não conseguiu conter a ejaculação. Sandrinha mamou na piroca do velho até a última gota de porra. Ele, com as pernas bambas, sentou ao lado da menina, tentando recuperar o folego. Sandrinha foi para o banheiro se lavar e ele, ao ouvir a voz da avá da gatinha, saiu da casa sorrateiramente. Cleber teve de esperar até a tarde do dia seguinte para rever a menina. Esperou que ela saisse para o passeio e a seguiu. Ele a alcançou no caminho e durante uma rapida conversa demostrou o quanto a queria. Sandrinha sentia um pouco de medo de estar sozinha com aquele velho tarado, mesmo assim o acompanhou até seu barracão, no sítio. Logo ao entrar ela foi agarrada por trás e pode sentir a piroca armada do velho. Ele apalpava a xoxotinha da gatinha e ela tentava conte-lo de alguma forma. Ela foi jogada sobre uma velha cama e ficou imovel, observando Cleber tirar as calças. Ele se aproximou dela e naturalmente ela segurou em sua pica, para em seguida chupa-lo. Apás alguns minutos ele fez com ela parasse e tentou convence-la a tirar o biquini. Ela tinha medo de ficar totalmente vulneravel e o fez prometer que não iria tentar tirar o cabacinho dela. Ele prometeu e conseguiu despi-la. Ele a chupou por completo, lambendo até o cuzinho. Sandrinha não aguentava tanto tesão e gritava de prazer. Ele ficou por cima dela e aproveitou para roçar a cabeça da pica na xoxotinha da Sandrinha. Ela gostava mas pedia para ele não descabaça-la. Cleber olhava para aquele rosto lindo ao mesmo tempo que sentia sua piroca na entrada daquela bucetinha gostosa. Ele não resistiu e forçou a penetração, contra a vontade da menina. Com um pouco de resistencia, a cabeça do pau de Cleber penetrou Sandrinha, para sua completa agonia. Ele foi introduzindo cuidadosamente o resto da piroca, em movimentos ritimados, entrando e saindo. Sandrinha choramingava, mas logo o choro foi dando lugar ao prazer que sentia. Ela aguentava toda a piroca grossa do Cleber e ainda pedia mais. Ele socava o pau dentro dela, fodendo a gatinha pra valer. Esperou que ela chegasse ao orgasmo para depois poder finalmente ejacular toda a sua porra dentro daquela bucetinha apertadinha. Ele deitou-se ao lado dela, visivelmente cansado. Ela ficou com as pernas abertas, enquanto a porra do velho escorria de sua bucetinha. Os passeios vespertinos de Sandrinha foram resumidos em ir ao barracão do Cleber, aonde sempre era bem fodida. Foi difícil, mas ele conseguiu inaugurar o cuzinho da moça também. As semanas passaram e Sandrinha voltou para a capital, mas quem vai entender o que se passou pela cabeça da jovem, se entregando para um estranho e velho.

VISITE NOSSOS PARCEIROS

SELEÇÃO DE CONTOS


Online porn video at mobile phone


contos Eroticos com 3Homems e uma mulhercontos de mulher metendoConto carona de trabalho leva amiga da minha mulheresposa novinha gostosa dominada por velho roludo contos eroticosporno estrupo do chefunho cnto eroticscontos eroticos meu alunoNovinha e chantageada.contoscontos eroticos com fotos travesti pausuda arromba loira casadabrincando de casinha conto erocontos eróticos coroas na casa de repousocoki a amiga da esposa contosconto.mara.encaro.um.super.dotadoporno mamei tanto o peitinho q inchouconto erotico tia amo meu sobrinhomeu padrinho me comeiala pediu eu gosei no cu delaminha tia atendeu a porta sem calcinha contos eroticoscontos eroticos meu amigo veio fazer trabalho e acabo me comemdocontos eroticos casada virá puta do mendigoIncesto com meu irmao casado eu confessoconto erotico japonesa da.do o cucontos-você mete teu pau no meu cuzinhocontos porno o bandido arrombou o cu do meu maridocontos eróticos Bombeiromunher ce mastuo eu ficontos eroticos gay entre primossou lesbica e trepo com minha mãeconto erótico de tiazinha rabudacontos forçada a ser a puta da empresacontos sexo cabaso samgrandoconto érotico patroa loira fucionario negroconto minha mulher cheia de porracontos eroticos comi a enfermeira no hospitalcontos sexo.minha esposa hosana adora comer meu cucontos minha irmãzinha tinha mania de sentar no meu colovídeo de namorado faz bem aqui Amanda no Pou pelo jeito da sua bundaxvideo coroa adora comer as novinhas com o dedo chega agemercontos eróticos traficantebaraguay da buceta grande e carnudaputaria todos diss contocontos eroticos corninho limpamdo xoxota da esposa cheia de gozo do amanteCONTO O SEQUESTRADOR SEGUNDA PARTEcontos eróticos mulecadacontos meu pai comeu o'cuzinho na marra eu adoreiconto herotico fiz ela grita de dor na buceta mas estorei o cabacinho delaver conto veridico minha baba abusado por minha babaZoofilia contos menininha chega do colégio animaisConto ertico familia sexocontos eroticos vizinha curiando por cima do muroconto cachorro tirou minha virgindadepai da minha amiguinha mostrou o paucontos tava batando uma derrepente minha prima me pegacontos comi a internadaconto erotico comi uma cinquentonacontoa gay - meu colega de quarto musculosoConto as primas na roçaconto picante com colegaAdorei meu primeiro anal contos eróticosconto porno mulher crenteconto erotico cherando calsinha das bucetaopeguei papai cheirando minha calcinha contos eroticosContos.eroticos..de.incesto.no.dia.decasarrelato erotico cheirei a calcinha da sogracontos eroticos comendo mulhers deficientrx vidio comtos eroticos eu minha mulher e filhacontos eroticos fui fodida feito puta e chingada de vadia putacontos sobrinho pega tiaContos eroticos mae inociando filho novinho conto realporno conto minha cunhada entregou minha esposacontos de primeira vez com meu cunhadocontos fidi minha cunhadinha de onze anosmulher chupando o pau do Felipe e as outras olhandoconto erotico em familiaconto mastubando a vizinha virgem dormindomeu marido comeuminhaprima contoseroticosContos sogra medindo o tamanho do pauamigo sex diplomata conto