Aviso: Voltamos Envie seu Conto estamos aguardando, recupere sua senha caso ja foi cadastrado antes !
Já está liberada a área de Cadastro de contos. Cadastre-se e evie-nos o seu conto

A MULHER DO MÉDICO E O MENDINGO

A MULHER DO MÉDICO E O MENDIGO.





Em uma cidadezinha do Norte de Minas Gerais, residia um mendigo chamado Fernando Piolho, que segundo muitos comentários era bem dotado, sexualmente falando, pois, era possuidor de uma Geba bem grande, bem dotado, com aproximadamente quase trinta centímetros, o seu membro; um verdadeiro monstro. Comenta-se na localidade que ele era acostumado colocar vacas e ovelhas para urinar, em decorrência da potência e exagero do seu mastro.

Certa época ele pegou uma menina daquele tipo “fogosa” da cidade, que apás ter penetrado a sua vara nela, a menina não aguentou e defecou na hora do ato; mijar era comum com todas as mulheres que ele comia, um verdadeiro jegue. O Piolho residia em um casebre na periferia da cidade, e se mantinha através de esmolas que recebia de algumas pessoas, porém a sua fama de picudo circulava pela cidade e muitas mulheres quando o via, sentia aquela tesão e vontade de mijar no pau do cara. Em um determinado dia a mulher de um médico renomado na cidade, a Lucidalva, comentou com sua amiga Carla, em um salão de beleza, que gostaria de ver a pica do Fernando Piolho e sua amiga lhe confessou o mesmo desejo. Apartir desse dia, elas sigilosamente começaram a arquitetar um plano para realizar tal desejo, mas como diz o ditado, “quem procura acha”, elas já com seus planos traçados, saíram pela periferia da cidade, sendo que o marido de Lucidalva teve que viajar para uma cidade vizinha, onde estaria participando de um plantão médico em um determinado hospital. A Lucidalva pegou o seu carro, um corola, com vidros fumê e foi ao encontro de Carla, saindo juntas com o objetivo de encontrar o tal do Piolho. Já se aproximava a noite, era dezoito horas quando elas adentraram em uma estrada de barro, bem práxima a um riacho ali existente. eis que, de longe avistaram o parrudo. Ficaram doidas de tesão, a expectativa era enorme, era medo aliado com aquela vontade imensa de realizar aquele sonho; a Carla esperta aproximou-se do homem e o convidou para entrar no carro saindo de imediato, apesar do lugar, naquele momento, tipo desértico. Carla disse ao Piolho:

- Piolho, pode entrar, não tenha medo, temos aqui, cigarros e alimentos pra você!

Momentos em que, elas já deram a partida no carro, saindo em disparada; no interior do carro, as duas mulheres estavam a ponto de incendiarem, em razão da oportunidade de caírem na vara do mendigo.

Por sua vez, o homem estava sem entender o que iria lhe acontecer, estava ali, no banco do passageiro, quieto, com seus trajes sujos, maltrapilho, com um cheiro horrível, cabelo e barba por fazer, mas o desejo das duas mulheres falava mais alto.

- Escuta dona, onde ocês ta me lavando, cadê os pãos e o cigarro?

Perguntou Pedro.

Elas disseram quase que ao mesmo tempo:

- Calma Pedro, nás vamos te dar!

Minutos depois chegaram a um pequeno rancho pouco afastado da cidade que era de propriedade do Doutor Estevam o marido de Lucidalva, entraram pelos fundos e o carro ficou estacionado dentro da garagem do rancho que estava desabitado já há algum tempo. Elas tiveram dificuldades em abrir a porta dos fundos, em razão da ansiedade, errando o buraco da chave algumas vezes, até abrir. Entraram os três, para o interior da casa, fechando assim, a porta do fundo, e o Pedro estava encabulado, não falando nada, foi quando Lucidalva foi logo dizendo: - Pedro, não vamos lhe fazer mal, sá queremos ver sua pica!

Ele meio assustado respondeu: - Ocês num guenta ela! E as duas ficaram cheias de tesão onde Carla resolveu tomar a iniciativa, abaixando a calça do cara e ali ela já sentia o grandioso volume da pica do Piolho, tempo em que elas sentiram aquele cheiro forte, uma mistura de urina com suor. Quando ela retirou a pica do cara, a Carla afastou-se mais ou menos um metro de distancia, dizendo:

- Vixe... Cruz credo, esse homem é um bicho uai!

Lucidalva por sua vez, disse o mesmo – Não tem mulher que aguenta isso dentro dela!

Mas mesmo assim, elas empurraram Pedro Piolho para dentro do banheiro, dando-lhe um banho com sabonete e xampu, naquele instante a pica do cara dobrou seu tamanho, quase que atingindo o chão. Elas ficaram de joelhos e começaram a chupar aquele mastro preto, o maluco gozou juntamente com as duas, jorando um jato de porra, banhando aquelas putas. E naquele momento Lucidalva falou: - Carla, nem que eu me estrepe, mas quero essa porra dentro de minha buceta. De imediato a Carla pegou uma toalha de rosto e amarrou-a na pica de Pedro ajudando na penetração na buceta de Lucidalva, a Carla segurava a pica de Pedro fazendo aquele vai e vem, segurando, para sua amiga não ser estrupada. Naquela hora, a Lucidalva descabelava, gemia, urrava e gozou na primeira estocada, mijando em seguida na pica do Pedro, ao tirar a pica, ela saiu toda cheia de sangue, devido ao movimento dentro da vagina. Momentos depois, chegava a vez de Carla que antes pediu para Pedro chupar seu cú, logo na sequência ele empurrou seu pau na buceta da moça, entrando até os pêlos do saco, Carla bufava, liberando gases pelo cú, estremecia o corpo todo, ficando tremula, quando o Pedro tirou o pau, Carla desmaiou, deu uma espécie de passamento, mais devido ao desgaste físico e mental apás ter tomado aquela rolada enorme, onde a pica feriu o seu útero, mas logo ela se restabeleceu. Já a Lucidalva estava toda arrombada, com sua buceta feito uma pimenta, mas para finalizar a Lucidalva resolveu dar o cúzinho para o monstro, pedindo para a Carla segurar a toalha que novamente amarraria no mastro do cara, impedindo as estocadas mais fortes. Quando Pedro colocou a cabeça, essa mulher endoidou, gozando forte, gritando alto, com xingamentos: - Coma filho da puta... coma jegue...

O que culminou com Lucidalva defecando no caralho de Pedro, saiu do seu cuzinho, um liquido amarelo, em uma espécie de diarréia, melando aquele cacete e foi configurado que foi fezes mesmo. Depois do ato realizado, elas saíram, já era noite e deixaram o Pedro perto do seu casebre. Depois deste, aconteceram mais uns encontros o que resultou em que Carla teve que fazer um tratamento ginecolágico em Belo Horizonte, pois, ela teve um alargamento vaginal inflamatário e devido ao fato de ter vazado esses encontros, a família de Lucidalva mudou-se em definitivo para a cidade de Uberlândia, para abafar o caso do mendigo que comeu a mulher do médico.



BRAW.



VISITE NOSSOS PARCEIROS

SELEÇÃO DE CONTOS


Online porn video at mobile phone


comendo sogra e avo contoContos Gays Fui Assediado pelo marido Gostoso Da Minha IrmâGoiânia conto vigia da obra gay cuConto o zelador e meninoConto Erotico minha sogra tem uma bunda enormewww.rabudasnapraia comcontos eroticos fui arrombada.pelos mendigosContos porno de irma que traem com grandevagina que contrai o peniscontos eróticos me pegaram a força no meu trabalhoContos eroticos dinheirocontosminha primeira vez lesbicaContos eu e as colegiascontos tirei sua ropa bem de vagar pra ela nao se acordaviciadopor bundas super rabudascontos eroticos de homem chupando a buceta esperadacontos erotico comeram minha bunda na festaela gritou dizendo q seu cu tava doendo contosloira resebi anal depois de treinamentoContos de sexo... A mini saia mal cobria a bunda delaContos eróticos incestos sádicocontos minha primeira vez a trescontos eroticos tomando conta de uma desconhecidagoza muitorapidamente na sogracontos eroticos dupla penetraçãoconto erótico pepinoconto d patricinha c o borrscheirocontos eroticos traindo meu marido com o vendedor da lojamulheres batendo punheta nos animais como cachorros e ponhescaralho meu empurra tudo nu meu cuzinhotomou viagra e meteu na esposacontos eróticos minha esposa ficou pelada na frente do sobrinhoGoiânia conto vigia da obra gay cucontos de trasas com massagistacontos eróticos ensaioarregaçado pelo cachorro contoshistorias pra gozar minha menina de 19 aninhos e delirarcontoseroticosporno fui estrupada por um caoContos eróticos brincando de esconde esconde com o inocenteenrabado dormindo acordei gosteiconto erotico na roça com papai ôxvideo enbebedei e comir o seu cu virgemnovinha com peso na barriga usando churrasco de vídeo pornôcontos adoro sentar no colo sem calcinhaenfiando na bucetavarias coisasconto gay dei o cua medica que gostava de zoofilia_contoscomi a mae do meu amigo contoconto erótico bruna manicucontos eroticos meu irmaozinnho me mostrou o seu pintinhogeovana tira a calcinha e da a bucetao pipiu do papai contos[email protected]contos/eu e minha mulher fomos assaltados e enrabadosconto meu marido acha que sou santa mais ja dei o cuatolando pau grosso nas.vellinhascontos comeu cuzinho dormindoprimo de rendinha metade da bunda de fora em calcinha cabelo que sai para foraconto minha mulher gosta quando levo ela nas festinhasamo cheirar a boceta da minha esposa pela calçaesposa novinha gostosa dominada por velho roludo contos eroticosvídeos porno novinha chora pq ela fala qui toi muitoa menina testemunha de jeova se fudeu contosRelatos eroticos de professoras casadas brancas que foram usadas por alunos negrosmenina de bicicleta contos eroticoo que sua esposa achou do menage femininocontos eroticos vendi meu marido pra ex deleconto erotico d menino dando a bj da por uma apostacontos eróticos rasgando o cuzinho da cunhadinha safadacontos erotico escondi debaicho da cama fraguei minha esposacontos com fotos tia e sobrinho baixinho realcontos erotico peguei carona na hora erradavelho zinho tarado contoscontos eroticos dormindocontoa cu pra o velhoas rola de pratigo na bucetacontos eroticos-estuprei minha irmacontos eróticos de bebados e drogados gaysConto erotico advogada enrabadaDei minha buceta para meu genro na presença de minha filha contos femininocache:AQRime9uCcEJ:okinawa-ufa.ru/conto-categoria_9_5_zoofilia.html conto erotico sogra de calçinha fio dentalContos eroticos Japonesinhapassivosrj sexotravesti jhuly hillsnovinha pauzera trepandocontos eroticos zt i: blackmailcrente reclama do marido contos' porno