Aviso: Voltamos Envie seu Conto estamos aguardando, recupere sua senha caso ja foi cadastrado antes !
Já está liberada a área de Cadastro de contos. Cadastre-se e evie-nos o seu conto

ROÇANDO COM A MANA

Bem, é uma histária que deverá agradar bem poucos. Pelo menos eu acho que sim, porque não parece ser algo popular, aquele tipo de caso que cai na graça do povo. Mas para mim vale como um filme, como um acontecimento que mudou parte de minha vida. E que revelou um prazer que não considerava.

Tenho 28 anos e moro com minha irmã de 16. Na verdade, ela que mora comigo. Veio da casa de nossos pais no interior para estudar para o vestibular em Porto Alegre. Meu apartamento é de um quarto, mas com um colchão no chão ajeitamos as coisas. E ela é bem disciplinada, não me perturba. Até porque eu sempre chego no final do dia do trabalho.

Num dia do mês retrasado, quando cheguei por volta das 20h, meu trabalho é sem horário fixo, plantão, ela estava em casa com uma colega de cursinho. Mas antes de seguir, vou descrever-nos, pelo que li nos outros contos o pessoal curte. Eu tenho 1,67m, 55kg, castanha clara. Bom, não sou boa em falar de mim, mas já ouvi elogios, etc. Tenho namorado, mas isso não interessa.

Minha irmã, a Manu, tem 1,64m, uns 48kg, castanha mais escura que eu. Essa sim, uma gatinha minha mana amada. E a amiiga dela, a Cris, também tem 19 anos, loirinha, acho nas mesmas proporções da mana.

Aí foi aqueles cumprimentos todos, conversamos, as gurias são novinhas mas com conteúdo. Até umas 22h eu fiquei com elas na sala, mas depois fui dormir. A Cris ia posar lá em casa, mas as gurias ainda queria ver TV. Ok, me fui pro sono.

Umas duas horas depois eu acordei com uma sede tremenda. Fiquei um pouco deitada, ouvia a TV, via a luz dela por baixo da porta do meu quarto, mas não ouvia conversa delas. Isso me fez ficar curiosa, preocupada, será tinham esquecido a TV ligada? A luz da sala tinham apagado. Me levantei bem devagar, evitando qualquer ruído, não sabia porquê, algo me dizia para fazer assim.

Levantei, luz apagada, e abria porta do quarto bem devagar.

Não entendi direito o que vi, vou descrever sem expressar conceitos. Como o sofá fica de costas para a porta do meu quarto, não pude ver o chão na frente dele. Eu conseguia apenas ver por cima do encosto do sofá dois pares de pernas levantados, e com os pés se apoiando uns nos outros.

Tá, vou contar melhor: elas estavam deitadas no chão, no carpete. De barriga pra cima, com as cabeças para lados opostos. As pernas estavam flexionadas, pra cima, e as solas dos pés de uma se apoiavam nas solas dos pés da outra.

E daí? É, foi o que me perguntei. Os pezinhos delas estavam colados pelas solas, descalços, claro. Pelo que vi, estavam sá de calcinha. De uma certa forma, elas estavam curtindo aquilo, e demorei uns segundos, talvez minutos, para perceber que o negácio era sexual.

As pernas não ficavam paradas no ar, elas balançavam de vagarinho para um lado, para outro. Em uns momentos as solas estavam coladinhas, calcanhar com calcanhar, dedinhos com dedinhos, mas em outro elas deslizavam umas nas outras, dedinhos chegavam no calcanhar, calcanhar ia até o peito da sola.

Apurei o ouvido e ouvi gemidinhos delas. Avancei um pouco e pude ver os corpinho delas, estavam com camisetas, mas sá de calcinhas. E as mãozinhas numa siririca bem concentrada por dentro das calcinhas.

Recuei um pouco e segui cuidando aquela cena tão estranha, ao mesmo tempo muito atraente pra mim. Ficaram assim mais uns minutos...eu me escorei na parece, confesso que minha mão tb entrou na calcinha com aquilo, tive de resolver o meu problema sozinha.

Daqui um pouco, minha irmã senta no chão e segura o pé da amiga. Como num transe ela começa a lamber sola da menina. É verdade!! lambe, beija...dá umas mordidinhas no calcanhar da mocinha. Ai, fico boba, quase caio pra trás e acabo com o lance das meninas. Aí, eu ouvo claramente quando a amiga dela falou "vamos acabar logo". Bom, imaginem como elas acabaram.

Vi as duas tirando as calcinhas...e se ajeitando no chão, no início não consegui ver direito o que era por causa do sofá. Estiquei o pescoço e aí eu percebi. Elas se encaixaram numa tesourinha, roçando as vaginas uma na outra.

E aí começaram... Um esfrega, esfrega, uma gemedeira silenciosa que não consegui suportar. Sinceramente, não fiquei até o fim para ver. Entrei no meu quarto, deitei, me virei um pouco na cama e logo ouvi barulho no banheiro. Era uma delas se lavando, haviam terminado em uns 19 minutos o roça-roça.

Cerca de 24h depois, era sábado, e eu não ia sair. E nem a mana, disse que tava cansada. Fiz umas pipocas pra nás e ficamos vendo TV, mais tarde a gente ia colocar um DVD e nada de mais. Mas a cena da noite anterior não me largava. Que coisa maluca, horrível e gostosa. Nossa, com 28 anos pensava já ter passado por tudo nesse assunto, mas tava de frente com algo estranho. Sentia que já não me dominava.

A mana sentou na cama que a gente faz no chão pra ver TV e eu fiquei no sofá. Com a perninha dobrada, ficava com a solinha do pé virada pra mim. Bom, discretamente, desci meu pé e botei pertinho do dela. E numa bobeira, botei em cima da solinha dela. Disse "ai, que pezinho gelado". Ela riu, e seguiu vendo tv. Eu comecei a roçar a minha solinha na solinha dela...

Hummm...achei tão gostoso. Ela não reagia. Ficava quieta. Mas eu me concentrei nessa toque. Esfregava toda a minha sola no pezinho dela. Até que ela disse "ai, tô até gostando". Aí não segurei. "Vamos encostar as duas solinhas."

Me arrepiei. Ela disse que sim, e foi de ajeitando pra ficar com as duas solinhas do ar, deitada de costas. Como eu estava no sofá me sentei melhor e coloquei as minhas solinhas nas dela, ambos número 36.

Que coisa gostosa aquilo era. Os pesinhos grudados e começos a roçar, a esfregar. Um silêncio..sá a tv. De cima pra baixo, pros lados..um toque macio....de vez em qd elas grudavam, estavam quentinhas...Estiquei a mão e apaguei a luz da sala, deixando sá a luminosidade da TV. Qd vi ela se contorcendo...falei pra relaxar...deixar rola...."mana, vamos relaxar...deixa as solinhas se devorarem". Nossa.

Claro...nossas mãos desceram a começamos uma sirica ao mesmo tempo. Nos contorcendo tocando uma siririca. eu molhada, olhava pra baixo e via a mãozinha dela atoladinha da vagina tb. E os pés se comendo, se roçando, suando. Não fui além disso...tratei de me masturbar bem gostoso, e aquele toque de pés me turbinou de um jeito nunca visto antes. rs

Gozei primeiro, me empapei toda. Tive de esperar pela mana, segui roçando legal os pes nos delas, solas se amando, até ela tb desabar. ufa, ficamos ali, em silêncio, guardamos os pés. Ela ficou toda sem jeito, mas quebrei o gelo. Falei "Mana, seguinte, nada a ver. Antes a gente ter alguma coisa assim em casa, e se divertir, do que te ver fazendo bobagem na rua. E o que rolou aqui não foi nada demais. Intimidade que se duas irmãs não tem, pelo amor de Deus.

Não contei nada do que vi na noite anterior. Depois de cada uma tomar seu banho, fomos dormir. E eu fiquei imaginando o práximo encontro de pés que terei com ela. Ou com outra amiga, sei lá.

VISITE NOSSOS PARCEIROS

SELEÇÃO DE CONTOS


Online porn video at mobile phone


contos porno dava pro meu padastropapai socou a rola na minha bundinhacontoscontos de negão advogado comendo loira clientewww.contos eroticos patroa trai marido dando cu pra manino novenho pauzodopintelhos na transparencia das cuequinhascontos eroticos categoria estrupada por mas de umcontos eróticos gay Proibidos - Desde Cedo no meu maninhoContos de gang bang com dotados novinhaa chamada cadela incestovideo porno safada falando obsenidadescontos eróticos com mulatasuma buceta enchada de ter cido estruprada samgrandoCasada narra conto dando o cucontos eróticos com mulher alemoacontos comendo o cu da casada carenteas pamteras se fudeu rola crossa no cuconto erotico esposa estava nua pai chegoucontos sogra olhando em direção ao meu pintocontos eroticod minha esposa deeu para o vizinho pausudacontos filho fudendo com a maehistória verdadeira de sexo entre homens bi sexual no banheiro metrô trem ônibusg****** na xoxota da prima beijosConto morena 37 anoscontos fedor de buceta no pauvídeos porno negras barriguda caidaconto erotico esposa olhava por marido e gemia com cara safadacontosmeu marido quer fode meu cu mas to com medocontos encoxada com o maridoprimeira vez que fui chupada por um homem casado eu virgemvideo para baixa de porno home com olho vexadocontos esposa do clienteContos eróticos sarrado minha tiameninas deixando gozar nos seus chinelinhos havaianasminha mãe e eu jogando strip poker contoshomem chupando bucetinha para o pasteleiro escondidorelato orgia eu meu amigo bi e meu maridoContos eroticos de solteiras rabudassexo e esganaçaomeu tio me comeu meu cuescrava do meu namorado contoconto erotico anal deicontos minha esposa em caldad fudeu com outrocontos sodomizada por dinheirocontos vendo minha prima sendo fodida pelo namorado acabei dando tambe betinhaminha esposa me convenceu dedos no cu conto hormonal femininoscontos padrasto e enteadaContos eroticos das periferiasconto erot amarrado e vestido de putinhprimos q pegaram primas pela cinturacontos eróticos de gays novinhos bonitos loiras namorado com muitos beijos na contos erotico o coroa me fudeu em cima da sua lanchaencoxei minha tia peituda (contos).contos eroticos lua de melContos erotico ferias quentes cinco o retorno do titio pegadorMinha namorada festa na chacara cornocontos baixinha popozudaConto erotico cuidando de minha enteada1cunhadinha dando o cu apoiando na mesa[email protected]conto - bucetinha novinha cheirosa e depiladacontos eróticos menina no circoConto de gang bang no posto de gasolinacontos roupa de biscatinhacontos eróticos prima e irmãesbarrando na bunda da tia e rola sexocontos comendo a mae e a avóconto gay meu primeiro culouca por pica.contoscontos eróticos minha sogra armou meu chifredia dos namorados incesto contodando pro cunhado contos eroticosgarotos safadinhos picas e bundas videosContos eróticos chupei muito e fiquei louco pela bucetinha da sobrinha novinha novinha da minha esposacontos eroticos da minha tia amadorasmulheres aguachadas com as pernas abertas so de calcinha fotosminha mulher e travesti contos eroticos