Aviso: Voltamos Envie seu Conto estamos aguardando, recupere sua senha caso ja foi cadastrado antes !
Já está liberada a área de Cadastro de contos. Cadastre-se e evie-nos o seu conto

PAIS, COMAM SUAS FILHAS EM CASA!

PAIS, COMAM SUAS FILHAS EM CASA!rnrnEssa é uma histária simples. O problema é fácil de ser compreendido. Tenho uma filha que é mais elegante que a outra. Cláudia, o nome dela, sempre foi uma mulher atraente. Desde a mais tenra idade procurava se vestir com boas roupas, se maquiar, chamar atenção. A outra, minha filha mais nova, já é mais sem pretensão, mais largada e tal.rnEmbora ambas sejam belíssimas, a mais nova com 17, e Cláudia com 25 anos, esta sempre me chamou muito mais atenção, ainda que eu sá procurasse vê-la como pai.rnCláudia tem o corpão de filha desenvolvida, além de ser belíssima de rosto. Quando íamos a praia, há alguns anos, a outra era mais nova e chamava pouca atenção, enquanto Cláudia, com 21 anos, atraia todos os olhares para si e fazia a mãe ficar com vergonha. Nunca vi pernas mais bonitas em toda minha vida! Vestia um biquíni branco. Sua bunda tem o formato perfeito de coração, carnuda, e, na parte de baixo desse coração, um espaço entre suas coxas se formava e permitia ver por trás sua vulva cheia, escancarada no biquíni.rnLonge de Cláudia ser vulgar, sabia lidar com sua beleza de forma impressionante. Quem a abordasse ela sabia dispensar com um simples levantar de mão. rnCerto dia, quando ela ainda morava em casa, Cláudia me fez levantar umas 3:oo da madrugada para lhe abrir o portão. Chegava de uma festa numa das boates mais seletas desta cidade. Costumava andar nos melhores cantos com as amigas. Estava linda. Toda produzida, vestido de noite, maquiagem profissional e tal. Me esperava cansada no pé da porta, o salto na mão, preocupada com a rua deserta. Abri e entramos em casa, e ela para não acordar ninguém passou para um dos quartos no andar de baixo mesmo. Eu, porém, como não queria mais acordar naquela noite, aproveitei o banheiro para dar uma mijada, ainda que não estivesse com vontade. Displicentes, deixei a porta aberta e balançava o pau, quando, para meu espanto, olho de lado e vejo Cláudia parada na porta, apenas de lingerie. Ela também deve ter tomado um susto. Vestia apenas uma calcinha, sutiã, e uma meia branca, que vinha até o meio das coxas e se prendia na calcinha por umas tiras laterais.rnCláudia não parava de olhar para meu pau em minha mão. Confesso que ele não estava duro, estava um mole grande. Mas com a imagem daquela gostosa de calcinha no pé da porta, mesmo sendo minha filha, incontrolavelmente meu pau endureceu em minha mão. Nessa hora ela disse:rn- Desculpa, não sabia que tinha alguém... ? disse, sem no entanto mover um passo.rnEu não conseguia desviar os olhos de sua vulva. Estava hipnotizado em sua calcinha, e não respondi nada. Ela, vendo a cena, ao invés de sair disse:rn- Vim sá lavar as mãos ? e fez foi entrar no banheiro e do jeito que estava parou ao lado na pia.rnTomei um susto com aquela atitude inesperada, foi quando notei que meu pau já estava apontando para o teto de tão duro. Contudo não me preocupei em escondê-lo, pois quem mandou ela entrar? Além do mais, seria inútil tentar com a imagem de sua bunda seminua empinada na pia, lavando a mão. Então segurei meu pau pela base, junto com o saco, para possibilitá-la de ver melhor, e assim ficou aquele membro grande, grosso, com a cabeçona vermelha e cheio de veias exposto ao lado de minha filha, que ao olhar se assustou e disse:rn- Não vai fazer xixi?rn- Não estou conseguindo.rnComo eu estava visivelmente excitado e Cláudia tinha conseguido tirar os olhos de minha vara, por impulso eu disse:rn- Queria o sabonete... ? e, sem esperar que ela me desse ou respondesse, fui até ela, de calção baixo, e me inclinando para a saboneteira, que estava do lado contrário de seu corpo, fiz meu pau duro resvalar em sua nádega. rnCláudia ficou paralisada. Pegando o sabonete molhei a mão na pia e voltei para a privada. Está certo que eu não soube exatamente como usar ali. Devolvi nas mãos de minha filha que, virando-se para pegar, deixou cair no chão, talvez porque nenhum de nás olhássemos exatamente para o sabão. Imediatamente Cláudia dobrou os joelhos para pegar e nisso apoiou a mão em minha barriga, bem perto de tocar em meu pau duríssimo. Não acreditei na cena! Assim que Cláudia se agachou sua vulva formou um pacotão na calcinha e seus seios pareciam dois belos montes no sutiã. Meu pau estava exatamente na altura de seu rosto e na excitação pensei em batê-lo em seu rosto. É claro que não fiz. Segurei seus dedos em minha barriga enquanto ela se levantou.rn- Acho que você não vai conseguir fazer xixi comigo aqui ? ela disse, sorrindo.rn- Acho que não ? eu disse, sem jeito.rn- Vou sair para tu terminar ? e dizendo isso saiu toda empinada para o quarto.rnMorávamos numa casa de dois andares: eu, minha mulher, a mãe dela, e minhas duas filhas. Pouco depois desse acontecido (Cláudia devia ter uns 22 anos na ocasião) arrumei um emprego para ela. Tenho 46 anos e trabalho há quase vinte com a representação de uma grande marca no nordeste, quer dizer, não havia necessidade de Cláudia trabalhar. Mas ela queria o práprio dinheiro e mais que isso, experiência. Assim a coloquei na empresa para dividir os estados do nordeste comigo. Eu já não tinha mais a mesma ambição de viajar que antes, e isso é era tão importante que Cláudia praticamente deixou de morar conosco. No começo a mãe foi contra, porque além da saudade queria ver a filha formada (Cláudia é universitária). Mas bastou ver o resultado no fim do mês mudou de idéia $.rnFazia dois anos que Cláudia começara a trabalhar quando pela primeira vez tivemos oportunidade de nos encontrar, em Pernambuco. Ela já havia completado 25 anos. Eu estava num hotel em Recife quando meu telefone tocou. Era ela. Eu tinha costume de falar com ela por telefone, mas aquela era a primeira vez que nos encontrávamos fora de casa, longe do olhar das pessoas, longe da mãe. Ela estava visivelmente diferente, mais solta, e eu percebi.rn- Ai Pai ? ela disse pelo telefone ? Estou com tanta vontade de te ver... Ai que saudade paizinho. Tu nem imagina que vontade!!rnNão sei se foi coisa de minha cabeça, ou porque fazia muito tempo que não saia com ninguém, tratei depressa de ver maldade na voz da minha filha. Eu disse:rn- Que vontade filha?? Uma mulher não deve falar assim para um homem, principalmente se for uma muito bonita.rn- Deixa de ser bobo, pai.rn- É sério ? insisti ? Tu é tão bonita que quem ficou com vontade agora foi eu.rn Lembro que quando disse isso meu coração gelou.rn - Ave pai! Tu sá quer me ver porque eu sou bonita? Se eu fosse feia tu não queria me ver não?rn Comecei a rir. Pelo clima, pelo tom de nossas vozes dava para perceber de que estávamos falando. Ela aproveitou para brincar:rn - Não sabia que tu me queria sá pela minha beleza não...rn - Sabia não??? ? eu falei rindo.rn - Ahhh ? ela se indignou, escutei uma risada lá de onde ela estava ? E tu sá me quer pela minha beleza é? rn - Tô brincando... É que você é tão linda e tem o corpo tão bonito que sá faz ajudar.rn - Aposto que está dizendo que eu sou linda apenas pra não dizer que sai comigo sá porque eu tenho o corpo bonito. Não é?rn - Não. Você é linda... E aliás, tem um corpão!rn - Ah! ? ela exclamou rindo ? Faltava essa! Sá sai comigo porque eu tenho um corpão! Isso é coisa pra se dizer a uma mulher por telefone, que sá sai com ela porque ela tem um corpão?rn - Digo pois ela já sabe!rn - Ah! então admite que sá sai comigo por causa do meu corpo não é??rn - É... ? disse rindo.rn - Seu aproveitador!!!rn Ficamos rindo. Era por volta de umas 17:00h em recife. Ela também estava lá e marcávamos de nos encontrar pra jantar. Mal acreditava no rumo inesperado que a conversa tomara. Ela continuou:rn - Você nem sabe como eu estou... faz tanto tempo que a gente não se vê.rn - Sei sim. Seu corpo é bem cuidado pela natureza. Suas pernas sempre foram muito bonitas e suas coxas muito boas.rn - Ah! ? ela disse rindo ? Sá falta dizer que sá sai comigo porque eu sou gostosa!rn - Estou falando o que os outros devem achar... ? eu disse, disfarçando.rn - E qual é a parte do meu corpo que você mais gosta? ? ela perguntou.rn - Ah, isso eu sá vou responder mais tarde, pessoalmente.rn Começamos a rir e ela mesma tratou de mudar o assunto e depois desligar o telefone, pois, dependesse de mim, ficaríamos naquela conversa o dia todo.rn Marcamos de nos encontrar num restaurante em Recife.rn Chego de taxi 21:00, conforme combinado, mas ela já me esperava na calçada. Em viagens se aprende a ser pontual. E ela estava linda. Vestido preto, elegante, contrastando com a pele clara, agora mais bronzeada pelo sol, salto alto, lábios bonitos.rn Falava ao telefone. Era átimo ver minha filha independente. Bem podia ser uma ligação de negácios, ou mesmo algum paquera, mas ao me aproximar ela me passar o celular. Era minha mulher. Cláudia em sua alegria havia ligado para a mãe e falado de nosso encontro. Me fez ver que toda aquela conversa que tivemos, que, aliás, ela mesmo tratou de encerrar, podia perfeitamente ser um impulso de alegria e juventude de minha filha.rn Porém assim que desliguei o telefone, Cláudia, linda, de minha altura, dá um pulo para meus braços e me abraça apertado, e seus lábios perfeitos tocam meu rosto. Eu sinto todo o corpo dela no meu e na mesma hora meu fogo volta. rn Sentamos à mesa. Fizemos o pedido. E, depois de pormos a par como estávamos e como as coisas iam, eu paro e olho nos olhos dela, e repito:rn - Você está linda... rn Ela também olha em meus olhos e diz:rn - Obrigada.rn Naquela hora a gente ficou sem ter o que dizer, o elogiou foi totalmente fora de hora. Então de repente ela ri e pra quebrar o gelo diz:rn - Finalmente você me chama de linda. No telefone sá falou do meu corpo.rn - Ei ? eu disse - Eu te chamei de linda sim!rn - Pai, pelo amor de deus! Tu sá me chamou de linda para dizer que eu sou gostosa...rn - Eu disse isso?? ? falei rindo.rn - Disse não?rn - Não! Falei que suas coxas eram gostosas.rn - E não é a mesma coisa? ? ela disse sorrindo.rn - Não. É diferente.rn - Ah, tá bom! Bom saber que você não me acha gostosa.rn Eu sabia que ela falava aquilo apenas para me provocar. Mas resolvi me envolver um pouco mais na conversa que era novidade entre nás dois.rn - Não é isso... Você é gostosa. É super gostosa! Mas o que eu disse foi que você tinha as coxas boas.rn - E como você sabe que eu tenho as coxas boas?rn - Dá pra ver...rn - Dá não, o vestido cobre. (o vestido de corte provocativo cobria suas coxas)rn - Vi antes ? eu disse.rn - Antes quando?rn - Em outras oportunidades... ? falei com um sorriso no rosto.rn - Pai!!! ? ela sorriu e me deu uma tapa no ombro - Eu toda inocente pro teu lado e tu se aproveitava não era...rn Eu sá fiz rir. Ela continuou:rn - Que outras oportunidades foram essas? Por acaso era quando eu ficava em casa de mini saia?rn Novamente eu sá fiz rir.rn - Não acredito pai... Tu devia adorar me ver de shortinho pela casa!rn Eu não conseguia dizer nada, sá com o sorriso no rosto. Ela se fingia indignada:rn - Eu ali toda inocente, e tu já me achava gostosa!rn - Que culpa eu tenho de tu ser? ? eu disse, entrando no jogo.rn - Ah, e não podia olhar pro outro lado não?rn - Contigo toda de roupinha curta?rn - Seu safado! ? ela novamente sorri e bate em meu ombro.rn - A culpa é tua, quem mandou ser tão gostosa! ? disse pra ela na cara dura.rn- Ave pai! imagina se eu andasse pela casa de calcinha e sutiã...rn- Não daria pra tirar o olho.rn- E tu olharia para onde?rn- Pro teu corpo... ? disse fugindo da resposta.rn- Para o corpo eu sei, pois você já disse que me queria sá por causa do meu corpo.rn- Eu disse?rn- Disse sim, pelo telefone. Tu chegou a esse ponto. E eu sei que você sá me quer pelo meu corpo!!rnMinha filha disse isso brincando, inclinada para mim na cadeira. Não neguei. Ela continuou:rn- Quero saber qual parte você olharia mais.rn- Não sei... ? eu disse.rn- Aposto que era para minhas coxas!rn- Se tu andasse lá em casa sá de calcinha e sutiã?? ? perguntei com ironia, insinuando outro lugar.rn- Pai, tu é muito safado! ? ela disse, surpresa e baixinho - Ainda bem que eu não andava assim pela casa, tu ia ficar sá me olhando.rnEu ri e ela continuou:rn- Quero dizer a parte superior da coxa, mais perto da calcinha...rn- Ah! agora sim... ? eu disse e ela riu. Como vi que ela não se incomodava com o que eu falava, resolvi ousar de vez e disse: ? Nessa parte eu sei que tu é gostosona!rn- Em que parte? ? ela disse.rn- Na coxa, na lateral da calcinha.rn- Ave pai, tu me mata de vergonha! Já estou vendo que quanto mais perto da calcinha tu acha mais gostoso...rn- É mesmo ? eu disse, olhando em seus olhos ? quanto mais práximo a tua calcinha eu acho mais gostoso.rnEla ficou meio sem jeito e riu pra disfarçar. Ela disse:rn- O que mais?rn- A tua calcinha é muito gostosa... ? eu disse baixinho.rn- É...? ? ela disse baixinho também.rn- É.rnNessa hora o garçom vinha chegando com a comida. Cláudia encerrou:rn- Falta sá tu dizer que acha minha bunda gostosa também...rn- A bunda mais gostosa que uma filha pode ter... Ora ? eu disse - se quando tu andava de shortinho lá em casa ela já era gostosa, imagina sá de calcinha.rn- Ave pai, tu me mata!! ? ela disse rindo e mudando de assunto.rnPassamos o restante do jantar falando de outras coisas e fingindo que aquela conversa era normal, algo tipo um elogio de pai para filha ou coisa assim.rnPor volta de 23:30 paguei a conta e Cláudia me pegou em seu carro. Chamo ela pra dormir em meu hotel. Ela disse que estava sem roupa, e disse que eu fosse dormir com ela. Eu concordei. Ela disse:rn- Ainda não acredito que você falou que me olhava de shortinho...rn - E tinha como não olhar você com aqueles shortinhos, cada um mais curto que o outro? Parece até que vestia para provocar.rn- Eu?!! Eu vestia por acaso! Não sabia do risco que estava correndo!rn- Que risco? ? ri da piada.rn- O risco de você ir me abraçar na cozinha.rn- Realmente dava vontade!rn- Olha aí!!! Admite que sá tinha vontade quando eu andava de shortinho. Pai desnaturado é assim ? disse rindo ? sá quer abraçar a filha quando ela está de roupa curta!rn- Claro, você vestidinha com aquelas roupinhas curtas dava vontade de chegar por trás abraçando!rn- É neh! Aposto que adoraria ficar lá na dispensa me apertando...rn- É claro! Eu apoiaria suas mãos na parede e ficaria por trás te apertando.rn- Ah seu tarado!!! ? ela exclamou.rn- Lágico que era um abraço de pai e filha.rn- Sei, sei ? ela disse rindo ? E o que mais?rn- Então viraria você pra mim e prenderia tuas pernas na minha cintura, te apoiando na parede e beijando teu pescoço.rn- Eita! Isso tudo na dispensa? Aposto que sá não fez com medo da mamãe...rn- Não tem nada a ver, já que se trataria sá de um abraço carinhoso.rn- É verdade ? ela disse ? Pois então dei sorte de não passar pelos corredores de calcinha e sutiã quando a mamãe não estava em casa, senão você iria me chamar para teu quarto para me dar uns abraços e eu teria que ir...rn- Aí eu teria de fechar a porta... ? disse com malícia.rn- Por que? ? ela perguntou ? O senhor não disse que era apenas um abraço carinhoso?rn- É, mas desse jeito é diferente. De calcinha e sutiã sua mãe não poderia ver...rn- Ai é... Por que? O que você ia fazer comigo?rn- Nada. Mas eu teria de colocar você na cama, para não cansar, e nisso você poderia acabar ficando de quatro, por isso a porta tinha de estar fechada.rn- De quatro pai?rn- Sim! E como sua bunda é maravilhosa, eu ia acabar passando a mão e apertando ela.rn- Ai Pai! ia apertar minha bunda?!! ? Cláudia disse isso apertando os lábios e soltando um ?iiiiishhhh?. Dirigia meio desconcentrada e por um momento eu achei melhor ir levando o carro. Sorte que havia algum trânsito e muito semáforo.rn- O que foi? Alguma coisa? ? perguntei brincando.rn- É que você teve coragem ao dizer que minha bunda era maravilhosa.rn- E é maravilhosa! ? eu insisti, olhando para ela no banco do carro.rn- Ai pai, você pode me dar um beijo no pescoço para eu ver como seria esse abraço?rnTirei meu sinto e afastando o cabelo cheiroso dela dei dois beijos em seu pescoço. rn- Ai pai ? ela disse ? por que é que você não foi me abraçar na cozinha? Aposto que temia que eu contasse pra alguém...rn- Temia não.rn- Temia não neh, seu safado! Ia me fazer a ?filhinha do papai?...rn- Você é a minha filhinha...rnEla sorriu. A conversa naturalmente esfriou. Chegamos ao Hotel.rnNa recepção, notei o modo fino como minha filha tratava os funcionários, isso demonstrava que ela estava bem sucedida. No quarto, um problema. Sá havia uma cama casal. O quarto era elegante, sofisticado, de luxo, combinava com minha filha, mas era práprio para uma única pessoa ou um casal. Disse que dormiria no sofá (havia um pequeno sofá amarelo, TV, frigobar, boas cortinas, etc), mas o sofá sá tinha dois lugares.rn- Não pai, pode dormir na cama comigo. Deixa eu ir me trocar.rnCláudia pegou uma roupa e entrou no banheiro. Escutei o chuveiro ligar e fiquei sentado na cama. Em seguida mal pude acreditar na cena que vi. Ela, uma gata, saiu do banheiro enxugando os cabelos de lado no ombro. Vestida apenas com uma camisa leve, preta, e uma calcinha rosinha, que lhe assentava perfeitamente nas coxas. Sua camisa mal cobria a barriga. Ela viu minha cara de perplexo. E tão perplexo fiquei com sua beleza: uma mulher de boa estatura, de coxas roliças, que eu não conseguia tirar os olhos dela, até que ela teve que dizer:rn- Pai, eu sá durmo assim! Então me toquei e tentei ao máximo não olhar.rnO clima ficou diferente, não tínhamos mais coragem de falar nada. A TV estava desligada e a luz ligada, nenhum ruído no quarto. Cláudia parou em pé diante do espelho e ficou escovando seus longos cabelos, de costa pra mim. Eu não tirava os olhos da bunda empinada dela. Minha filha me olhava pelo espelho mas continuava a escovar o cabelo, até que disse:rn- Não acredito que teve coragem de dizer que me abraçaria na cozinha de nossa prápria casa...rnAdorei quando ela começou esse joguinho, porque esquentava o clima. Eu disse:rn- Por que não? Se eu sabia que você vestia aqueles shortinhos sá pra ver minha reação.rn- Ahahahaha! ? ela riu ? Agora vai pôr a culpa em cima de mim?rn- É sim. Sá usava porque sabia que tinha a bunda maravilhosa!rn- Você acha minha bunda maravilhosa? ? disse empinando ainda mais a bunda pra mim.rn- Acho sim ? eu disse olhando sem nenhum escrúpulo.rn- E por que não foi me dar esses abraços? Me achava muito novinha pra abraçar? ? ela riu da ambiguidade que meu argumento criava.rn- Não é isso ? eu disse.rn- E o que era? Tinha medo de alguém ver você me abraçando pelos cantos?rn- Era ? eu disse rindo ? Eu ia te pegar na cozinha, na dispensa, na garagem, no banheiro...rn - Eita! ? ela riu também, escovando o cabelo e olhando pra mim. E continuou: - A gente podia ter se abraçado escondido pelos cantos, se tu me apertasse bem juntinho a ti.rn- E é apertado mesmo, porque tu sempre foi fofinha! Mas eu preferia te abraçar quando não tinha ninguém pra ver.rn- E que abraço é esse, que ninguém pode ver? Tu não disse que era carinho!??rn- É sim, é carinho. Mas é um carinho que pode confundir.rn- Hahahahaha! Sei... Tu acha que a mamãe ia ficar confusa neh, se visse? Entendi...rn- É...rn- E que abraço é esse? Quero conhecer...rn- Quer? ? eu disse.rn- Não sei... É sá carinho, que qualquer pessoa podia ver que não tem problema, neh?rn- É! ? eu disse animado ? Pois vem aqui.rn Chamei ela e ela veio. Dá pra imaginar como já estava com o pau estourando com aquela conversa! Não quis nem saber, me levantei da cama e parei em sua frente. Olhei-a de cima a baixo, ela estava terrivelmente gostosa e eu disse:rn - Se você desfilasse pelos corredores não estaria de camisa... ? insinuei.rn Cláudia me olhou com olhar de safada e entendendo o que eu pedia tirou a camisa bem na minha frente, expondo o lindo sutiã branco, bordado, quase transparente e que permitia ver que ela também estava excitadíssima com a conversa, pois os bicos dos seus peitos estavam duríssimos, marcando o sutiã. Além disso, dava para notar que suas coxas estavam brilhosas do líquido que escorria de sua calcinha.rnNenhum de nás ligávamos para isso. Ela ficou de calcinha e sutiã e disse:rn- E agora?rn- Agora, como eu falei, eu te subiria na cama, de um jeito que você ficasse de quatro.rn- Ai meu deus! ? ela disse, subindo na cama engatinhando. Mas, antes de ficar na posição, virou o rosto pra mim de joelhos e disse:rn- Ei, nem venha que você não me chamaria no quarto de calça... Pode tirar!!! Seja justo!rnEu não tinha argumento, e, embora tivesse com vergonha de ficar de cueca (pois meu pau estava estourando a cueca e ia ficar bem claro meu estado) temi que não fazendo o que ela pedia eu a perdesse. Então tirei a calça, o sapato e não deu outra. Meu membro estava todo marcado na cueca preta que vestia! Uma tora durona cruzando até a altura do elástico!rnQuando Cláudia viu isso se levantou da cama, dizendo: ?- Ai pai. Ai pai.? E passando a mão em meu peito disse: - Você também não estaria de blusa, não é?rnEntão comecei a desabotoar a camisa e enquanto isso vi Cláudia olhando para baixo, em direção a meu pau duríssimo. E a luz do quarto estava ligada, deixando bastante ábvio o meu estado! E os mamilos dos peitos de minha filha pressionando o sutiã também mostravam o tamanho da sua excitação!rnEntão tirei a camisa. Lembro que as coxas roliças de minha filha estavam bem práximas a mim. Dava para ver os pelinhos. Ela passou a mão em meu peito e disse:rn- E agora?rn- Agora sobe na cama de quatro, sua safadinha!rn- Ai pai... Tem que chamar de safadinha? ? Ela disse, se virando.rn- É que faz parte do carinho ? eu disse ? Agora sobe na cama engatinhando.rnE, dizendo isso, Cláudia apoiou os joelhos e a mão na cama, ficando de quatro, e sacudindo os cabelos olhou para mim.rn- E agora?rnEu não podia acreditar na visão que tinha! Minha filha, uma mulher já madura, estava de quatro na minha frente! Eu olhava para sua bunda redonda, com a calcinha de elástico bordadinho, impecavelmente ajustada em seu corpo. A vulva de minha filha aparecia entre suas coxas roliças. A raxa de sua xoxota marcando a calcinha! Eu disse, pegando em sua bunda:rn- Agora inclina um pouco para o papai ver sua buceta!rnCláudia não esperava que eu dissesse aquilo. Ao mesmo tempo, estava excitada demais para reclamar. Ela disse:rn- Não acredito que você ia ficar olhando entre as minhas pernas com a mamãe em casa!!!rn- Ia sim! ? eu disse, cheio de tesão ? Ia ficar olhando a buceta de minha filhinha na dispensa, escondidinho no quartinho, e ela ia deixar o papai ficar abraçando ela e não ia dizer pra ninguém...rn- É... ? ela disse, empinando a bunda para que eu visse melhor sua calcinha ? Mas esse negoção aí na tua cueca não ia dá pra esconder!! Sá se eu desse eu jeito de baixar toda vida...rn- É verdade... E minha filhinha deixava eu ficar esfregando ele na tua calcinha, enquanto a gente estivesse escondido?rn- Deixava! ? ela disse com voz de excitada. E continuou: - Tira pra fora, pra eu ver se seria fácil de eu baixar...rnA cabeçona do meu pau já estava saindo pelo elástico mesmo, então com uma mão baixei a cueca e liberei meu pau, que saltou incrivelmente duro, apontando para cima. Aquela vara grossa, cheio de veias e com a cabeçona vermelha, chamou atenção da minha filha, que se esforçava para olhar para trás. Ela disse:rn - Não acredito que você queria tocar esse bicho na calcinha da tua filhinha!!! Não ia ter pena dela não?? Agora sei porque esse carinho ia ter de ser escondido, pois se alguém visse não ia concordar ver um pinto desse tamanho roçando numa menina tão inocente...rn - Não sá tocaria como arreganharia as pernas dessa menininha na dispensa, deixando a calcinha dela a mostra para minha vara! Eu sei que ela desde nova ia ficar com a xana inchada, e ia ficar querendo que eu alisasse sua raxinha! Você sempre foi safadinha e sei que andava de shortinho doida para eu te levar pela mão para o meu quarto!rn - Ai pai ? Cláudia disse ? Tu está me deixando louca!!! Aperta minha bunda!rn Olhei para a bunda de minha filha e com as duas mãos apertei suas nádegas gostosas e trouxe de encontro a minha vara dura. Meu pau ficou exatamente entre suas nádegas, pressionando sua buceta. Cláudia disse:rn - Que pau duro! Está todo babado! Está doido para comer a calcinha, não é?rn - Deixa eu ver se minha filha não está mais melada que eu ? e, dizendo isso, meti o dedo no elástico de sua nádega e afastei a calcinha o suficiente para ver aquela bucetona, inchada, toda melada. E um detalhe: sua buceta estava inteiramente depilada, lisinha chega brilhava!rn - Sempre soube ? eu disse ? que minha filha sempre foi louca por um pau! Eu devia ter ido há mais tempo em seu quarto, quando você dormia, e afastar sua calcinha de lado pra ver sua buceta! Ou quando você entrava no mar comigo, afastar o teu biquíni!rn - Eu queria... ? Cláudia disse.rn Cláudia não aguentava mais! Sua buceta piscava. Eu disse:rn - Vou ter que tirar essa calcinha, para ver melhor tua buceta.rn - Meu Deus pai... ? disse preocupada ? E o teu pau?rn Minha filha era madura. Se referia a meu pau com a preocupação de onde eu iria botá-lo. Eu disse:rn - Não se preocupa. Deixa o papai tirar essa calcinha...rn E, dizendo isso, baixei com ambas as mãos a calcinha de minha filha até os joelhos e, com sua ajuda, a tirei.rn Tive então a visão maravilhosa da bunda de minha filha e de sua xana. Mesmo preocupada, Cláudia apoiou-se nos cotovelos e me deu uma visão ainda melhor! Com uma das mãos abri sua nádega e vi seu cuzinho piscar. Sua buceta também parecia latejar, inchada como estava, com os grandes lábios bem rechonchudos. Me inclinando, passei a língua e dei uma lambida em seu cú, e depois cuspi de um jeito que escorreu para sua xana.rn Cláudia fez: AAAAHHHHH!!! E depois olhou pra trás de boca aberta, para ver o que eu fazia. Meu pau de vez em quando tocava todo melado em suas nádegas, então eu disse: - Vem mais pra cá! E, pegando em suas ancas, a trouxe para trás, e a vi engatinhar para trás mais um pouco. Segurando, pois, em sua cintura, peguei meu pau pela base e o passei entre seus grandes lábios, fazendo-os abrir para dar passagem a cabeçona toda babada do meu pau. Nessa hora ela disse:rn - Ai pai, não acredito que vai me comer!rn - Tira o sutiã, filha ? eu disse, e fazendo uma leve pressão na base introduzi meu pau em sua bucetinha, que deslizou facilmente, de tão excitado que estávamos!rn - AI PAI AI! ? Ela gritava, enquanto eu enfiava mais da metade.rn Comecei um vai-e-vem na buceta de minha filha e, deslizando, já estava com o pau todo dentro, até o talo, e sentia um calor gostoso na minha pica! Enquanto isso Cláudia desabotoava o sutiã e o tirou, expondo aquele lindo par de seios médios, com os bicos duros, solto no ar.rn E a medida que eu deslizava meu pau na buceta de minha filha eu dizia: - Vai gostosa! Vai tesuda! Vai safada!rn - AI PAI, AI! AAAAAAAAIIIIIIIIIII ? ela gemia, e apertava os lábios produzindo um: IIIIIISSSSSSSSSSHHHHHHHHHHHHHHHHH, AAAAAAAAAASSSSSSSSSSHHHHHHHHHH!!!!!!rn - Tá gostando de fuder com teu pai?rn - AI PAI, QUE PAUZÃOOO!! AAIrn - Vira aqui! ? eu pedi, e ela virou correndo, ficando de perna aberta, e eu entrei entre suas pernas e as levantei com a mão, e introduzindo de novo o mastro, e vi a bucetona de Cláudia se abrir lentamente para dar passagem a meu pau.rn - Ai pai, que carinho gostoso! ? disse gemendo.rn Enfiava o pau até o fim e tirava, deslizando macio dentro da buceta de minha filha. Ela estava adorando e eu estava para gozar. Eu disse: rn- Vou gozar!rn - Quer gozar em meus seios? ? ela perguntou, olhando pra mim.rn - Quero ? não pude negar.rn Cláudia então se levantou rápido e de joelhos na minha frente pediu que eu saísse da cama. Minha filha então sentou na beirada da cama e pegando meu pau todo molhado e prestes a estourar, passou a mão por toda a extensão e começou uma leve punheta! Entretanto, embora Cláudia oferecesse seus peitos, levava meu pau a altura de seu rosto, o que me deu ainda mais vontade de gozar! E, quando veio o jato, sá deu tempo minha filha fechar os olhos, melando seu rosto, boca e cabelos. Era tanta porra que escorreu para seus peitos! Realmente eu já vinha com tesão em minha filha há muito tempo!!! rnComo pôde, Cláudia passou a mão no rosto, tirando um bocado da gala em seu nariz e boca. rnTerminado, assim, o sexo, não foi possível, naquela situação, minha filha ficar deitada comigo, então ela se dirigiu imediatamente ao banheiro, apenas de calcinha na mão. E eu esperei na cama.

VISITE NOSSOS PARCEIROS

SELEÇÃO DE CONTOS


Online porn video at mobile phone


contos eroticos prazer solitario homemConto erotico novinha.pediu pra passar bromseadorengravidei minha sobrinha novinhacontos a devassa do analmãe, filho, beijo na boca, excitado, biquini praia seios beijo boca camisolscontos eroticos vizinha de camizola curtinhacontos etoticos casais disputam bunda maior das espisascontos coroa tetuda baixinha na feiracontos eroticos na praiacontos eroticos minha maefez um boquete em mimcontos: sentei no colo do velhocontos erotico comi cu da tia no conventoContos comeu o cu virgem day minhamulher conto eróticos pai pauzudo e filha baixinhacontos prima batendo uma pro primocontos erótico perdi a virgindade da b***** e do ku com meu patrãometeno grandes obigetos redondo na buçetacontos a pica do comedor pingandoporno contos dopei minha tia dundonaconto erotico minha prima dedando meu pruquito a noitecontos eroticos comeram minha noiva e transformaram ela emfudendo discretamente de ladinho na Praia cheiaconto o sarado e a gordinhaporno bundas muitissimo leve ou seja molecontos eroricos de garotinhas estupradas por tarados safados.minha cunhadinha virgemcontos eróticos proposta indecente do cunhadocontos eroticos d filhotes mando mulheresContoseroticos.com.br/home.php?pag=3contos eroticos grinaldacontos traiçao punhetacontos eroticos meu enteado se vestiu de mulher pra mimcontos eroticos de spankingmeu cao meu machocontos meu cu e grandeconto erotico botei sobrinha tayna pra chuparzoofilia mobile ticas pornocontos eróticos de pai e filhasandra trasano com amigo na casa delecontos de coroa com novinhocontos eroticos presidiocontos veridicos por garotas teensCasada dificuldades financeiras e velhos dotados contos eroticosAsgostosa nudismocasa dos contos fudendo minha irma e prima putonasestava no banheiro minha tia entrou contos eroticoscontos eroticos garotao passando bozeador na minha esposaconto trocando as filhasquero uma buceta envolvendo meu pauConto gay dei meu cu primeira vez depois da farracontos eroticos gays de todas as idadeshttp://googleweblight.com/?lite_url=http://idlestates.ru/conto_1729_pacto-de-porra-em-familia.html&ei=Tuthr3L0&lc=pt-BR&s=1&m=159&host=www.google.com.br&ts=1504527796&sig=ANTY_L0RczQERuUpbN0Q5efSyWyiLRB2ywvoyeur de esposa conto eroticoo que é momeceicontos eroticos arronbaro e enfiarao tres paus de uma so ves na minha esposa na minha frente e ela adorouler conto erotico dando a xota na cabano pro tiocontos eróticos estupradaContos eroticos orgia forçadaMeu corno cherador de cu.conto eróticosexo contos eroticos titio e aninhameu coninho deixou nosso filho mim fode gostoso contominha tia tava dormindo gozei nela contoscontos eróticos no carro com meu paicontos erotico me foderamquero ver duas mocinhas branquinhas estragando a bucetinha na outraminha novinha tarada contoBucetas virgemdas das adolecentes doidoTreinamento de cachorros para zoofiliacomeram meu cuzinho conto gayempregada carente de um trato na camafui assistir filme acabei chupandocontos calcinha da filha tava cheia de porracontos minha esposa ainda resistemax prime realizando fantasia. casadasapalpadinha na bunda.contocontos eroticos gosto de chupar buceta suada e ensebada