Aviso: Voltamos Envie seu Conto estamos aguardando, recupere sua senha caso ja foi cadastrado antes !
Já está liberada a área de Cadastro de contos. Cadastre-se e evie-nos o seu conto

VOLTEI A ACAO NUM ONIBUS

Depois de tudo o que aconteceu entre eu e meu padrinho, fiquei um bom tempo sem ter qualquer contato com outro homem, apesar de nunca esquecer o que rolou. Sempre que podia aproveitava algumas situações, por exemplo, em ônibus lotados, pra dar uma azarada . Pra ir ao trabalho pego dois ônibus. O primeiro é sempre uma lata de sardinha, de tanta gente. Nessas horas, pra mim, o que vier é lucro. Tanto faz se eu for encochando alguma gatinha ou se for sendo encoxado por algum marmanjo. O problema é que na vida real, as coisas são bem diferentes do que você normalmente lê por aí. A maioria dos homens dificilmente fica a vontade quando está perto de outro homem. Pelo menos comigo, outros homens nunca chegam me cantando e prontos pra me comer. Por sorte, a algumas semanas atras eu encontrei uma exceção . Aqui em Curitiba existem os ônibus chamados Ligeirnhos, que param apenas nas chamadas estações tubo. Eles percorrem grandes distancias mas com poucas paradas. Normalmente eles param em alguns terminais onde você pode fazer conexões com outras linhas, sem pagar outra passagem. Dependendo do transito, você pode ficar vários minutos preso dentro do ônibus, aproveitando as mais diversas situações. Era uma terça-feira, sete horas de uma manha já bem quente. Eu usava uma calça parecida com jeans, mas era um tecido bem mais fino e fresco. No calor elas são bem mais confortáveis e até nas ralações no ônibus ela é mais gostosa. Como fazia normalmente, entrei dentro do ônibus junto com um bolo humano. Fiz uma checagem mas não tinha nenhuma gatinha por perto. Quem me chamou a atenção foi um homem de uns quarenta anos que estava bem do meu lado, virado de frente pra mim. Aproveitei a posição, tirei meu celular do bolso e fiquei segurando ele na mão direita enquanto que com a mão esquerda eu segurava no ferro do ônibus . Bem devagar, fui posicionando a mão que estava com o celular, de modo que ela ficasse bem perto do pinto do cara que eu tinha reparado. Conforme o ônibus mexia, eu dava uma roçada de leve, com as costas da mão, no pau do cara. E assim foi ate chegar em outro tubo, quando mais algumas pessoas entraram. O aperto foi tanto que a minha mão estava prensada naquele homem. Eu disfarçava o que podia e nem olhava pra cara do sujeito, mas já podia perceber que ele devia estar gostando, já que eu sentia o volume cada vez maior . Depois de alguns minutos nessa curtição, chegamos na estação central, onde a maior parte do pessoal desceu, inclusive o carinha. Dei uma olhada de leve, mas parecia que ele nem tinha ligado. Continuei na minha e segui viagem até a minha parada que era dois tubos depois da central. No outro dia pela manha não o vi no ônibus. Na Quinta-feira, ele estava lá e acabamos ficando quase que na mesma posição de terça. E da mesma maneira ele foi embora sem ao menos me notar. Alguns dias depois, ao entrar na estaçao-tubo dei de cara com o carinha esperando o onibus. Entramos quase que juntos no ônibus, sá que dessa vez ele estava atras de mim. E foi me encoxando até a estação central até ele descer. Num outro dia, novamente ele ficou atras de mim, sá que dessa vez meio de lado. Do mesmo modo que eu tinha feito, ele ficou com uma mão pra baixo, enquanto se segurava com a outra. Sá que a mão que estava pra baixo, ficava grudada na minha bunda. Quando o ônibus parou no práximo tubo, ficou ainda mais cheio. Aproveitei e separei um pouco as pernas e dei uma arrebitada na bunda. Senti na hora a mão dele me pressionar com mais força, apesar de que em nenhum momento ele me apertou ou algo parecido. Ele apenas deixava a mão solta, pressionando bem no meio da minha bunda. Apesar dele nao me olhar e de se fazer indiferente, sabia que ele estava curtindo aquela situacao. Numa Quinta, quando entrei no tubo, percebi que ele já estava lá, sá que um pouco afastado do resto do pessoal que ficava empilhado na porta esperando o ônibus chegar. Assim que o ônibus chegou, fui me enfiando no meio da galera e ele veio logo atras. Novamente ele ficou atras de mim, sá que dessa vez ele começou a puxar papo. Ele falou : esse ônibus parece cada vez mais cheio. E eu respondi : e fica cada vez mais quente. Ele continuou puxando assunto e as vezes falava bem práximo do meu ouvido, o que me deixava arrepiado e muito excitado. Ele continuou me encoxando e conversando até o tubo central. No outro dia ele estava me esperando no tubo. Se apresentou com o nome de Marcos e começou o bate-papo. Entramos no ônibus e ficamos posicionados quase que igual a primeira vez. Sá que agora ele pressionava o pau na minha mão e me encarava com um olhar bem diferente. Agora estava tudo as claras e ele quase sempre me esperava pela manha pra continuar as brincadeiras. Teve um dia que ele estava me esperando e, apesar do calor, percebi que ele segurava um casaco em uma das mãos. Entramos no ônibus e ele ficou quase que de frente pra mim segurando o casaco sobre a barriga. No que eu me aproximei, senti algo quente encostar na minha mão. Ele tinha tirado o pau pra fora e coberto pelo casaco. Fiquei tão excitado com aquela situação que não pensei duas vezes. Guardei o meu celular no bolso e agarrei discretamente seu pau que estava totalmente duro. fiquei brincando com aquele pinto até o momento em que ele desceu. Naquele dia fiquei com tanto tesão que bati umas duas punhetas no banheiro da empresa. Já na outra manha ficamos colados na porta. Ele estava atras de mim, sá que meio de lado e não podia me encoxar. Eu coloquei a minha mão para trás e comecei a apalpa-lo sobre a calca. Como retribuição ele começou a alisar a minha bunda, passando a mão entre as minhas nádegas pressionando o meu cu. Ate parecia que ele queria enfiar o dedo no meu rabo com calca e tudo. Quando chegamos na estação central, achei que ele ia descer mas ele virou pra mim e disse que precisava pegar uma outra direçao. Fiquei sem entender mas ele disse que depois explicava e foi para o fundo ônibus. Quando chegamos no meu terminal, ele se aproximou e falou para que eu o seguisse. Ele se dirigiu para o banheiro. Entramos e fomos até a pia. Ele deu uma espiada e me mandou entrar num dos boxes mais afastados. Eu obedeci e fui sozinho. Me sentei sobre a privada e pouco tempo depois ele entrou. Trancou a porta, fez sinal de silencio com o dedo, foi abrindo o zíper e tirando o pau pra fora. Eu rapidamente o agarrei e comecei a punheta-lo. Ele se abaixou e falou bem no meu ouvido que não era isso que ele queria. Ele queria me ver chupando o pau dele. Como eu estava muito excitado não perdi tempo e cai de boca. Chupava tanto que podia perceber ele se esforçando pra não fazer barulho. Abri o botão e baixei a calca e a cueca dele ate os pés. Brincava com as bolas sem desgrudar do pinto. Ele tinha um pau bem grosso mas que não era longo. Aproveitei e segurando na sua bunda, puxava o seu corpo de encontro ao meu rosto, engolindo cada vez mais o seu pinto. Num certo momento me fez levantar e punheta-lo, enquanto me alisava a bunda e descia minhas calcas. Colocou um dedo na boca e começou a enfia-lo no meu rabo. Não demorou e eu já tinha dois dedos que entravam e saiam com facilidade. Rapidamente ele me virou de costas, me inclinou pra frente e enfiou sem dá. Naquele momento quase soltei um grito de tesão. Ele me segurava pela cintura com as duas mãos, me puxando com forca e metendo sem parar. Depois de algum tempo naquela posição, ele se sentou sobre a privada e me fez sentar em seu colo. Naquela posição parecia que seu pau tinha ficado ainda maior, já que eu o sentia fundo no meu cu. Não demorou, a gente se levantou sem tirar o pau do meu rabo. Ele continuou me comendo cada vez mais forte e eu pude sentir seu pau inchando e pulsando dentro de mim até que ele gozou na minha bunda. Assim que nos recuperamos, ele saiu e depois de alguns minutos foi a minha vez. Quando saí ele já tinha ido embora. Voltamos a nos encontrar no ônibus varias vezes depois, mas até agora nada mais rolou alem de algumas ralaçoes. Qualquer novidade, volto a escrever.

VISITE NOSSOS PARCEIROS

SELEÇÃO DE CONTOS


Online porn video at mobile phone


tarada limpa o sebo da cabeça da rola com a línguacontos eroticos de regata sem sutiaFodida no baile funk a força contoscontos arrombado no banheirovidios porno dona de casa carente gosa com seu cachorrocontos eroticosmasturbando o cuzinhoContos eroticos de irman eirmaoComtos namorada fodida para pagar dividas do namoradocontos eroticos na viagem comi sogra e mulher no carroconto.eroticos patrao com funcionarios ou asContos eróticos Gay Calção Recheado do irmãocontos eróticos cheirando a bunda de minha sogracomo perdi o meu analcontos gozando primeira vez orgasmo 19 anosf***** na borracharia contos eróticos gaycontos papai socou tudo no cu da filha ela se cagouestuprada na frente do marido por 6 homes conto eroticoultimo contos eróticos transando com tio afui arrombadacontos eroticos garotas na escolaContos a baba lavou minha xanacontos eroticos de se masturbando nas sandalias da sografui dormir na casa da tia e comeu o Helenacontos eróticos meu namorado deu o curso para não comerem minha bucetatSexo anal com o massagista conto eroticocoroa.muito.gostosa.43.ano.cimasturbandocontos eróticos me bater castigocontos eroticos de cornoscontos eroticos morena gostosa malhadanovia gotoda detilado abucetafui chupada igual uva contoscontos eroticos meu alunocontos traiçao punhetaos policias comero minha muler porno contos eroticocontos eroticos cachorro cheirando minha rolacontos eroticostransei com meu amigo gayscontos eroticos marido come o cu da deficienteConto erotic castiguei meu irmao gaiarrombado; contos gayestiquei os peitos da gostosa contosContos Eroticos Dando a Buceta Pro Meu Vizinho Brennocontos erotucos escritos lesbicos transei com uma nerdA primeira vez q dei meu cuzinho micheleconto historia com lesbicacomi a adilhada novinha loira olho azul contoConto eroticos no beco escuroporra minha secretária tem a bunda deliciacontos genro me comeucontos eroticos incesto fode meu cu mncontos eróticos funcionáriatia s***** rebola bem muito Encosta a bunda no pau do sobrinho dançando funkContos fingindo dormirconto erotico carona pro sobrinhovirei puto do bar conto gaycontos dois gemeos chupandocontos eroticos encoxando minha mae na salaconto minha mae chupando meu pau com meu pai ao ladorelatos eroticos romanticocontos notei que minha namoradaConto podolatria gay o chulé do loirodesço no teu pauprofessor cacetudo comendo o cuzinho do menino afeminado no banheiroRenato shortinho coladinho fazendo na rolacontos de coroa com novinhocasa dos contos mae e filha xupação de bucetaMinha prima me falou que tem vontade de chupa no meu peniscontos. papai da leitinhocomo perdi o meu analcarlão socando ate as bolas no cu da vadiaContos eroticos- meu pai me xingando no sexominha xereca consando na rua contos eroticoscdzinha contos troca trocacontos eroticos enrabada pelo professor de academia