Aviso: Voltamos Envie seu Conto estamos aguardando, recupere sua senha caso ja foi cadastrado antes !
Já está liberada a área de Cadastro de contos. Cadastre-se e evie-nos o seu conto

VOLTEI A ACAO NUM ONIBUS

Depois de tudo o que aconteceu entre eu e meu padrinho, fiquei um bom tempo sem ter qualquer contato com outro homem, apesar de nunca esquecer o que rolou. Sempre que podia aproveitava algumas situações, por exemplo, em ônibus lotados, pra dar uma azarada . Pra ir ao trabalho pego dois ônibus. O primeiro é sempre uma lata de sardinha, de tanta gente. Nessas horas, pra mim, o que vier é lucro. Tanto faz se eu for encochando alguma gatinha ou se for sendo encoxado por algum marmanjo. O problema é que na vida real, as coisas são bem diferentes do que você normalmente lê por aí. A maioria dos homens dificilmente fica a vontade quando está perto de outro homem. Pelo menos comigo, outros homens nunca chegam me cantando e prontos pra me comer. Por sorte, a algumas semanas atras eu encontrei uma exceção . Aqui em Curitiba existem os ônibus chamados Ligeirnhos, que param apenas nas chamadas estações tubo. Eles percorrem grandes distancias mas com poucas paradas. Normalmente eles param em alguns terminais onde você pode fazer conexões com outras linhas, sem pagar outra passagem. Dependendo do transito, você pode ficar vários minutos preso dentro do ônibus, aproveitando as mais diversas situações. Era uma terça-feira, sete horas de uma manha já bem quente. Eu usava uma calça parecida com jeans, mas era um tecido bem mais fino e fresco. No calor elas são bem mais confortáveis e até nas ralações no ônibus ela é mais gostosa. Como fazia normalmente, entrei dentro do ônibus junto com um bolo humano. Fiz uma checagem mas não tinha nenhuma gatinha por perto. Quem me chamou a atenção foi um homem de uns quarenta anos que estava bem do meu lado, virado de frente pra mim. Aproveitei a posição, tirei meu celular do bolso e fiquei segurando ele na mão direita enquanto que com a mão esquerda eu segurava no ferro do ônibus . Bem devagar, fui posicionando a mão que estava com o celular, de modo que ela ficasse bem perto do pinto do cara que eu tinha reparado. Conforme o ônibus mexia, eu dava uma roçada de leve, com as costas da mão, no pau do cara. E assim foi ate chegar em outro tubo, quando mais algumas pessoas entraram. O aperto foi tanto que a minha mão estava prensada naquele homem. Eu disfarçava o que podia e nem olhava pra cara do sujeito, mas já podia perceber que ele devia estar gostando, já que eu sentia o volume cada vez maior . Depois de alguns minutos nessa curtição, chegamos na estação central, onde a maior parte do pessoal desceu, inclusive o carinha. Dei uma olhada de leve, mas parecia que ele nem tinha ligado. Continuei na minha e segui viagem até a minha parada que era dois tubos depois da central. No outro dia pela manha não o vi no ônibus. Na Quinta-feira, ele estava lá e acabamos ficando quase que na mesma posição de terça. E da mesma maneira ele foi embora sem ao menos me notar. Alguns dias depois, ao entrar na estaçao-tubo dei de cara com o carinha esperando o onibus. Entramos quase que juntos no ônibus, sá que dessa vez ele estava atras de mim. E foi me encoxando até a estação central até ele descer. Num outro dia, novamente ele ficou atras de mim, sá que dessa vez meio de lado. Do mesmo modo que eu tinha feito, ele ficou com uma mão pra baixo, enquanto se segurava com a outra. Sá que a mão que estava pra baixo, ficava grudada na minha bunda. Quando o ônibus parou no práximo tubo, ficou ainda mais cheio. Aproveitei e separei um pouco as pernas e dei uma arrebitada na bunda. Senti na hora a mão dele me pressionar com mais força, apesar de que em nenhum momento ele me apertou ou algo parecido. Ele apenas deixava a mão solta, pressionando bem no meio da minha bunda. Apesar dele nao me olhar e de se fazer indiferente, sabia que ele estava curtindo aquela situacao. Numa Quinta, quando entrei no tubo, percebi que ele já estava lá, sá que um pouco afastado do resto do pessoal que ficava empilhado na porta esperando o ônibus chegar. Assim que o ônibus chegou, fui me enfiando no meio da galera e ele veio logo atras. Novamente ele ficou atras de mim, sá que dessa vez ele começou a puxar papo. Ele falou : esse ônibus parece cada vez mais cheio. E eu respondi : e fica cada vez mais quente. Ele continuou puxando assunto e as vezes falava bem práximo do meu ouvido, o que me deixava arrepiado e muito excitado. Ele continuou me encoxando e conversando até o tubo central. No outro dia ele estava me esperando no tubo. Se apresentou com o nome de Marcos e começou o bate-papo. Entramos no ônibus e ficamos posicionados quase que igual a primeira vez. Sá que agora ele pressionava o pau na minha mão e me encarava com um olhar bem diferente. Agora estava tudo as claras e ele quase sempre me esperava pela manha pra continuar as brincadeiras. Teve um dia que ele estava me esperando e, apesar do calor, percebi que ele segurava um casaco em uma das mãos. Entramos no ônibus e ele ficou quase que de frente pra mim segurando o casaco sobre a barriga. No que eu me aproximei, senti algo quente encostar na minha mão. Ele tinha tirado o pau pra fora e coberto pelo casaco. Fiquei tão excitado com aquela situação que não pensei duas vezes. Guardei o meu celular no bolso e agarrei discretamente seu pau que estava totalmente duro. fiquei brincando com aquele pinto até o momento em que ele desceu. Naquele dia fiquei com tanto tesão que bati umas duas punhetas no banheiro da empresa. Já na outra manha ficamos colados na porta. Ele estava atras de mim, sá que meio de lado e não podia me encoxar. Eu coloquei a minha mão para trás e comecei a apalpa-lo sobre a calca. Como retribuição ele começou a alisar a minha bunda, passando a mão entre as minhas nádegas pressionando o meu cu. Ate parecia que ele queria enfiar o dedo no meu rabo com calca e tudo. Quando chegamos na estação central, achei que ele ia descer mas ele virou pra mim e disse que precisava pegar uma outra direçao. Fiquei sem entender mas ele disse que depois explicava e foi para o fundo ônibus. Quando chegamos no meu terminal, ele se aproximou e falou para que eu o seguisse. Ele se dirigiu para o banheiro. Entramos e fomos até a pia. Ele deu uma espiada e me mandou entrar num dos boxes mais afastados. Eu obedeci e fui sozinho. Me sentei sobre a privada e pouco tempo depois ele entrou. Trancou a porta, fez sinal de silencio com o dedo, foi abrindo o zíper e tirando o pau pra fora. Eu rapidamente o agarrei e comecei a punheta-lo. Ele se abaixou e falou bem no meu ouvido que não era isso que ele queria. Ele queria me ver chupando o pau dele. Como eu estava muito excitado não perdi tempo e cai de boca. Chupava tanto que podia perceber ele se esforçando pra não fazer barulho. Abri o botão e baixei a calca e a cueca dele ate os pés. Brincava com as bolas sem desgrudar do pinto. Ele tinha um pau bem grosso mas que não era longo. Aproveitei e segurando na sua bunda, puxava o seu corpo de encontro ao meu rosto, engolindo cada vez mais o seu pinto. Num certo momento me fez levantar e punheta-lo, enquanto me alisava a bunda e descia minhas calcas. Colocou um dedo na boca e começou a enfia-lo no meu rabo. Não demorou e eu já tinha dois dedos que entravam e saiam com facilidade. Rapidamente ele me virou de costas, me inclinou pra frente e enfiou sem dá. Naquele momento quase soltei um grito de tesão. Ele me segurava pela cintura com as duas mãos, me puxando com forca e metendo sem parar. Depois de algum tempo naquela posição, ele se sentou sobre a privada e me fez sentar em seu colo. Naquela posição parecia que seu pau tinha ficado ainda maior, já que eu o sentia fundo no meu cu. Não demorou, a gente se levantou sem tirar o pau do meu rabo. Ele continuou me comendo cada vez mais forte e eu pude sentir seu pau inchando e pulsando dentro de mim até que ele gozou na minha bunda. Assim que nos recuperamos, ele saiu e depois de alguns minutos foi a minha vez. Quando saí ele já tinha ido embora. Voltamos a nos encontrar no ônibus varias vezes depois, mas até agora nada mais rolou alem de algumas ralaçoes. Qualquer novidade, volto a escrever.

VISITE NOSSOS PARCEIROS

SELEÇÃO DE CONTOS


Online porn video at mobile phone


empregada carente de um trato na camaengolindo ate o talo contoscontos-você vai devagar no meu cuzinhonegoes jegudos na punhetaContos comendo a mulher do amigoconto gay minha bundacontos erroticos eu melava minha calsinha para meu amigo chera elaContos erotico sinco meninina inocentescontos eroticos de transando com a cunhada casada com o consentimento do seu maridocontos eroticos de vendedor velho gordo seduzindo a meninacontos eroticos estou chifrando meu marido tomando porra do cunhadocontos o pedreiro me fez mulhercontos eroticos tia da esposa dormiu em casafui trepada pelo jegue di meu sogro. conto eróticocaralho meu empurra tudo nu meu cuzinhoDesenho porno pai bota filhar pra domir i fode ela todinharcontos eroticos mulheres de 60 anos gostosas fudendo no estupro e gostandocontos mulher infiel marido atento incestocontos eroticos ela foi banha e laou meu pintinhoconto pirno vovózinha bicontos eróticos comendo a gata do hoteleiraContos de sexo sogro acima de 70 anos e noraContos erotico ferias quentes cinco o retorno do titio pegadorcontos realizei o sonho do corno engravidei de outrocdzinha dando bundinha vestida de sainha rosa gosando gostoso sem tocar no paucontos eróticos com vizinha viúvaContos.encesto.mae.desfila.de.calcinha.pro.filhocontos eroticos chamei meus amigos pra ver jogo em casaconto erotico espiando pelo buraco da fechaduracontos erotico pirocaox video.com madrasta me mandou eu lamber o seu cuzinhocontos eróticos de mulheres casadas q já treparam com travesticontos zoofilia cadela apaixonadacontos eroticos chantagiando a prima da mulhercontos eu minha esposa meu pai e meu irmao na putariaconto.eroticos patrao com funcionarios ou aszoofilia brut com cachorrocontos eroticos ela nao aceita ser cornocontos eróticos priminha caçulacontos eróticos de bebados e drogados gayscontos sexo paraíso em famíliaporno desmarcada do funkputão na vara contoscontos eróticos cunhadinhas safadas com fotosconto erotico da grossura de uma latavídeos de donas de casa sendo violentadas opor cassetudos tarradoscontos eroticos chorando com o pau enterrado no cu e o macho arrancando bostaContos eróticos virgindadeEu morava sozinho na cidade a filha do meu amigo ela veio do interior pra ela ser minha empregada conto eroticohttp://googleweblight.com/?lite_url=http://biz-kon24.ru/conto_13911_no-cine-porno-carioca.html&ei=ea8Z-K7J&lc=pt-BR&s=1&m=276&host=www.google.com.br&ts=1516003814&sig=AOyes_Q1gH0JgEpGP49Lv3Pg-0YeXVtLBgsou casada madura mas na chacara bati uma punheta pro visinhoseduzido contosmalandrao dando o cuzinho pra boy malhado contocoto erotico meninas novinhas surubascontos eróticos frio chuvaconto erotico de enfermeiro aplicsndo injecaode verdade o que injetam ou introduzem para aumenta bumbum e seios okinawan gélico pornôhomens apanhados a pila na maogozoo na bucetakcontos eroticos de madrinhascontos eroticos de rafinha do mercadovídeo pornô intrigada e padrastocdzinha feminizadaconto gay filho ve o pai com o pau duro e perguta o que a quinlocontos eroticos meu genro pausudo arregacou minha bucetacontos de coroa com novinhofnegao fode cu da cadela e gizatiti do cu apertado emncontoseroticoscomendo a coroa loira e a filha delacontos eroticos casada e o farmaceitico negaodormindo com a cunhada contosFui arrombada