Aviso: Voltamos Envie seu Conto estamos aguardando, recupere sua senha caso ja foi cadastrado antes !
Já está liberada a área de Cadastro de contos. Cadastre-se e evie-nos o seu conto

MINHA VIDA, DORMINDO COM CARLA

28 de junho de 1965, segunda-feira.

Não era normal chover tanto em junho, mas aquele ano tinha sido diferente de todos os junhos que me lembrava. No domingo o sol sá apareceu pertinho da hora da missa e de noite pareceu que São Pedro tinha se esquecido a torneira aberta. Choveu com relâmpago e muito trovão zumbando o mundo.

Sabia que Carlinha deveria estar morrendo de medo, era uma das poucas ocasiões em que ela demonstrava ter medo e não eram dos raios singrando o céu escuro, eram os trovões que atazanavam a coragem e fazia perder o sono.

Eu não me importava muito com isso, até gostava de ouvir o rufar das caixas do céu. Mas naquela noite era diferente, parecia que os anjos batucavam os bumbos com força e raiva, não parava um sá instante. A chuva forte batia nas telhas e uma espécie de chuvisco descia pelas frestas me incomodando o sono.Cedo mamãe tinha entrado no quarto pra ver se não tinha goteira.

– Juninho... – ela chamou baixinho – Tem goteira na tua cama?

Não tinha, sá o respingar anormal pela forças do vento espreitando a chuva pelas telhas quase centenárias.

– Tem não mãe... O pai já dormiu?

– Aquele galego já tá no terceiro sono... – se encostou na beliche – E você, porque ainda não ferrou no sono?

Gostava de ficar ouvindo o barulho da água, o zumbar dos trovões e o riscar dos raios alumiando a escuridão.

– Tô com sono não mãe... – respondi me virando pra ela – A Carlinha deve de tá com medo...

Mamãe sabia do pavor que Carla tinha de trovões.

– Parece que pegou no sono antes de piorar a chuva... – senti a mão macia e deliciosa dela passando em minha cabeça – Vai dormir filho, tá tarde...

Não conseguia, não com todo aquele barulho de festa no céu.

– Gosto de ouvir chuva forte... – falei fazendo carinho em seu rosto – Esses pinguinho das telha é bonzinho...

Ficamos parados nos olhando na escuridão, a lamparina que ela tinha deixado no corredor tinha apagado por uma lufada mais forte de vento entrado pela fresta da porta e sá via o vulto emoldurado pelo breu escuro, vez por outra um relâmpago alumiava seu rosto.

– A senhora parece uma anja... – falei baixinho.

Mamãe sorriu, vi que sorria por causa de um raio.

– E você meu machinho gostoso...

A mão desceu e entrou em meu pijama, eu estava mole e não pensava naquelas coisas.

– Vai dormir Juninho... Tua irmã... – ela parou notando que estava ficando duro – Tua irmã já dormiu...

Ficou fazendo massagem, um gostinho gostoso entrou dentro de mim e eu solucei.

– Tu ta ficando grandinho... – segurou com carinho – Deixa eu ver esse negácio...

Baixou meu pijama e encostou o rosto, senti o bafo quente diferente do ar frio da noite de chuva. Fechei os olhos quando ela botou dentro da boca e deu uma chupadinha.

Nunca antes ela tinha feito aquilo, mas não achei estranho e gostei de sentir sua boca molhada engolindo meu piru. Era muito diferente da boca nervosa de Carla.

– Teu pai não quis brincar comigo hoje... – ela falou e voltou a botar a boca, ficou chupando, passando as língua.

Eu respirava agoniado sentindo uma coisa gostosa brincando dentro de mim.

– Não fala pra ninguém que eu fiz isso viu? – ela botou meu piru para dentro do pijama – Mas deu vontade de chupar um pouquinho...

Riu e beijou a ponta de meu nariz, senti o cheiro de meu piru saindo de sua boca.

– Vai dormir Juninho... Amanhã a gente conversa...

Saiu.

– Juninho eu tô com medo... – Carla empurrou o colchão da beliche com o pé – Vem dormir comigo, vem?

Olhei para baixo, ela estava cobertas da cabeça aos pés.

– Tu não tava dormindo? – perguntei assustado sem saber se ela tinha visto o que mamãe tinha feito.

– Tava não... Tô com medo dos trovões... Vem dormir comigo, vem?

Desci no beliche e entrei debaixo do cobertor de lã crua, meu piru ainda estava duro e sentia ainda o calorzinho da boca de mamãe.

– O que mamãe tava falando contigo? – perguntou se aninhando em meu corpo.

Respirei aliviado, ela parecia não ter notado ou escutado nada.

– Nada não, sá tava dizendo que o papai dormiu cedo... – passei o braço por detrás de seu corpo – Veio ver se não tinha goteira...

Ficamos calados ouvindo o barulho do temporal, vez por outra sentia seu corpo ficar rijo quando um trovão mais forte batucava nas paredes.

– Tu gosta muito de mim Juninho? – ela perguntou entre um e outro zoar do trovão.

– Tu sabe que sim... Gosto de mais até de tu...

Ela passou a perna por cima de mim e sentiu que eu estava duro.

– Quando eu crescer eu vou casar contigo... – ela falou baixinho no meu ouvido – E a gente vai ter dois filho...

Sempre falou isso, desde que me lembro sempre dizia que iríamos casar e que teríamos dois filhos: Junho Junior e Carla Junhia.

– E a gente vai morar numa casa na beira de um riacho – completei nosso sonho – E vamos ter uma criação de bode, galinha pra comer e peru pra ceia de natal...

Carla riu baixinho das coisas que a gente tinha conversado a vida toda.

– Tu gosta da minha periquita? – falou baixinho – Teu piru tá durinho... Tu não quer bincar?

Estava danado de vontade, mas não tinha ido dormir com ela sá pra isso, queria sentir o calor do seu corpo e fugir os respingados da chuva.

– Vamos brincar de meter? – ela levantou a cabeça e me olhou – Tu tá durinho da silva...

Ela sentou na cama e tirou o pijama, também tirei o meu e joguei a manta no chão. Parecia que ela tinha se esquecido dos trovões, e os relâmpagos deixava eu ver ela nua, esperando que eu tirasse meu pijama.

– Dessa vez eu quero ficar em cima... – pegou meu piru – Tu deixa eu ficar em cima?

Deixei e ela passou a perna sobre meu corpo. A chuva parecia ter piorado, o vento zunia nas frestas da janela, os raios cada vez mais fortes seguidos por turbilhões de zoada dos trovões como querendo fazer a gente deixar de ouvir as batucadas de nossos corações acelera-dos. Ela se ajeitou segurando meu piru até eu sentir o toque macio do xiri melado.

– Senta devagar... – sempre tive medo de quebrar meu talo.

Ela me olhou e sorriu. Botou no buraquinho e começou a descer, ia entrando bem devagar e sentimos o gosto gostoso de nossos sexos unidos.

VISITE NOSSOS PARCEIROS

SELEÇÃO DE CONTOS


Online porn video at mobile phone


comi o cu do meu irmao e da minha irma brincando de pique esconde contosgostosa sografiodentalcontos sobrinha veio cuidar da sograconto erotico pedi e minha mulher fez massagem emminha bundacontos eroticos perdi a virgindade com meu tutorConto incesto sogra no volantefoda no escritório contosContos sadomasoquismo violentoufa ufa ela senta fode e chupafiz sexo pra passar de semestre contosconto gay sendo estuprado em que a dor é maior que o prazeramamentar o pedreiro contosNegro mordendo o grelo de minha mulher contos eróticosconto gay moleque mijou.em.mimConto erotico madrinhacontos gay peguei meu amigo comendo um outrocontos eroticos sou casada sobrinho prediletocontos eróticos fudendova esposa e a filha do amigo contos eroticos familia camping nudistacontos fui banha no rio e minha tia foi atrazConto erotico esposa santinhaContos erotico dois policial dotadu fudel minha esposaconto erotico minha mim deixado de castigosapequinha muito magra dando o cu pro cachorrobronzeamento com a amiga greluda contocontos eróticos com enteada caipirainfermerinhas danao a buceta aus passientegoogleweblight/buceta virgem/ fotosminha tia querida bota roupas curtas e eu fico com tesão doido pra comer ela mais tenho vergonha o q façocontos eroticos gay meu pai me comeutia tezuda fodendo com seu sobrinho ela ten abuceta peluda contoseu quero história comendo a minha vizinha e ela nem dá bolaincentivanda pelo marido contos pornoFui confessar e comi a madre contoscontos gay cunhado barracacontos eróticos de virgens perdendo o cabaço a forçacontos eroticos comi minha madrinha na cama do meu padrinhocontos eroticos:lavando meu peniscontos: sentei no colo do velhoum coroa me fudeucontos eroticos meu sogro me pegou a forçaminha esposa deixa a buceta cabeluda e da pra o meu melhor amigo em relatosconto eroticos primas gostosa veio min vizitarComtos filha fodida pelo pai e amigos deleminha amiga me levou p suruba contos eroticosDei a um cara que tinha elefantismo no pau contosxvidio preza na ilhachupando pintaoooprofessor e aluna contosTrepadas no caminhao cabineaos 60 anos dei a buceta pro menino de 15 contosminha esposa me contou suas aventuras sexuaislanbinda na bucetacorno enrustidotravesty bonita cimasturbandcontos eroticos a travesti segurou em minhas bolas e empurrou 23cm no meu cucache:XIRRUtFC4SYJ:https://idlestates.ru/conto_12285_fui-estuprada-por-minha-culpa-parte2.html contos corno empretei minha mulher para traveti e fikei vendoconto dei minha xoxotinha para o meu padrasto quando tinha oito anos doeu mais foi gostosovalesca chupando e o namorado olhandodepilano a buceta dela io cara comi elapornodoido negro bem dotado fudendo ocuzinho e a buceta de mulhet gtavida ecasadaconto gazada farta na boca da exContos dei o cuzinho para a travesti fabiola voguelporn contos eroticos casada sendo enrrabada no barContos eroticos titio me chupando forte as tetas ate ficar vermelhinhasamiga lésbica tira a calcinha da amiga com Statevideos de safadecaszoofilia casada conto xacraMamando o netinho contoseroticosContos-esporrei na comida da cegacontos erótico comadre desmaiou contos eróticos mulheres p****contos eroticos minha amante nao queria no cuzinhocontoseroticos encoxand me ninas picinasMe comeu e comeu meu maridochaves sotinho ponopriminho tesudinhoConto esposa de tampa sexovamos lá tem uma loira chupando a b***** da outra na boa f***contos heroticos na semana santa