Aviso: Voltamos Envie seu Conto estamos aguardando, recupere sua senha caso ja foi cadastrado antes !
Já está liberada a área de Cadastro de contos. Cadastre-se e evie-nos o seu conto

TIMIDEZ NA ADOLESCENCIA

Meu nome é Mario, hoje tenho 19 anos, mas quando essa histária aconteceu comigo eu tinha 19 pra 15. Tenho 1,73 m, pele bem clarinha e sem pelo nenhum no corpo,sá uma pelugenzinha no ocntrono do meu pinto, corpo com traçõs feminios mas malhado, olhos azuis, boca avermelhada, sorriso perfeito, cabelo pretos e lisos com franja, bundinha lisinha, grande e bemm empinada, uma voz meio rouca, sá que suave. cinturinha fininha que nem de mulher. Mesmo tendo esses traços, eu nunca dei a minima importância pra outros garotos, pelo contrário, adorva minas ( e ainda adoro), ficava com uma semana sim, semana não. Isso é, até o ano passado. Já fazia dois anos que eu estudava na minah atual escola e já conhecia bastante gente. Sempre fui gentil com todo mundo e por isso fiz vários amigos, mas tinha um carinha d aminha sala que eu smepre tratei bem, mas sá que nunca due confinaç pra mim: o Roberto. Estranho. Ele conversava com todas outras pessoas, mas era frio comigo. Mas essa frieza não impedia ele de fazer certas brincadeira comigo, como dar tapinhas na minah bunda quando eu tava de costas pra ele, etc. Issome deixava com muita raiva. Como passar do tempo, ele foi fazendo novas amizades e foi praticando cada vez mais esportes, ficando cum um físico delicioso . Ele era loiro dos olhos verdes esmeralda, mas com pele dourada, corpo fort e definido, pernas grossas e peludas, um rosto de homemn ( mesmo com 19 anos), mas com traçois delicados, uma bunda colossal e uma voz grossa, daquelas gostosas de se ouvir no ouivdo. Nunca me peguei olhando pra nenhum outro cara, até que depois de um jogo de futebol ele me chega na sala todo suado e sme camisa, com umsorriso estmapado na cara. Estava conversando com uns amigos meus e parie na hora pra ver aquilo. Estava pasmo com a cena. Aquele corpo lindo, aquele sorriso perfeito, aquele peitoral sarado e suado. Comeceia suar frio . Meu coração btia forte. Minha pupila se dilatou completmanete com aquela cena, que ñ durou nem 30 segundos, pois eprofessroa tinha mandado ele sair de sala, posi estava sme camisa. Passei o resto da aula atéo recreio me sentindo esquisito. Passava mil coisas na minah cabeça . Uma confusão sá . Já estava quase pirando quando bateu o sinal . Ufa. Sai pro recreio e já estava melhorando, quando resolvo ir no banheiro conferir o pentado, quando me deparo com ele saindo do banheir. Meu coração gel e minah face fica vermelha . Ele sem querer esbarra em mim e pede desculpas e me cumprimente, com um sorriso meigo na cara.Eu, meio timido, troco o sorrisoe cumprimento ele tambem. Ficamos assim um olahdno pra cara do outro por uns 20 segundos até que ele puxa um assunto ecomeçamos aconverar. Nem em lembre de ir pro banheiro. Aquela voz grossa tava me fazendo ir as nuvens, sorria que nem um bebe contente quando tava ao ledo dele. Ele tavamais legla comigo, mais camarada.Andamos um pouco e fomos no sentar pra conversar. Conversmaos de tud]o, mas quando fomos falr da smeninas bonitas da sla, vi que ele fechou a kra e tenyou mudar de assunto. Achei estranho . a aula acabou e eu fui pra cas nem preciso dizer que passei o dia pensando nele. Foi asismpor um mêm inteiro, nossa amizade crescendo cada vez mais e o meu desjo tambem . Já nao achava estranho pensar nele. Pelo contrario, pensava cada vez mais e todas as minahs punhetas forma pensando nele. No final do semestre a, a professroa marocu um trabalho emnorma pra ser feito em trio . Nás olhamos uma pra cara do outro na hora e sorrimos, faltav achar um vela pra completar o grupo . Com muito dissabor convidei nina, uma amiga minha. Fizemos uma rodinha e ficmaos discutndo sobreo trabalho e outras coias com os outros grupos e reparei que ele ñ tava nem ai pro trabaho, ñ tirava o ohlo de mim . me olhava porinteiro . eu tentanadisfarçar, mas ñ conseguia, olhava pra ele tambem, atéu que ele soltou um sorrisinho na cara que me deixou timdo. Na saidam eu fui no bnaheiro e ele me seguiu, na hora que ele foi me cumpriementar, ele ''caiu '' em cima d emim, e pra se levantar, me usou como base, roçando aquele corpo dele todinho em mim .Dei um suspiro ofte na hore e acho que ele ouviu, pois falou :'' A gente se esbarra por aikra. Tchau pra ti ''.e saiu com um sorriso enorme no rosto. Segunda feira combiamos de fazer a parte final do trabhlo em minh caa, masquando eu fui avisar a nina, eu pensei : hj via ser o dia que eu mato esse desejo. n~aguneto mais. Odia tava perfeito pra isso: is passar a tarde sozinho em casa. Marcamos duas hora em casa. Cheguei em casa, nem almocei e fui pro banho, .Como não tinha nunguem em casa, fiz um chuveirnho e tomei banho de banheira. Passei o hidrante que eu uso várias vezes no meu corpo e vesti uma bermuda com cmaisa folga, pra deixar o ombro aparecendo. 2:10 a campainha toca, Recebo ele com um sorriso e o levo pra sala. Percebo que ele tinah tomaod banho e que estava todo cheiroso. Chegando nasala, onde temuma tapete neorme e fofinho, ele tenta fazer o truque da quedas comigo de novo, mas dessa vez eu ajuedie e fiz com que nás dois caissemosno chão. Rimos umpouco e ele começa e fazer ocmeçar emmim,, mematando de tnato rir.Soprava meu umbigo com força. Qaundo eu já tava quse chorando e tanto rir, ele para eolha nos meu olhos.Ficmaos assim um tempão; abraçados,um de frente pro outro, sentindo a respiração dele. Ñao resisto e dou um selinho nele. Ele sorri eme beija d elingua. Nem conversamos nada.Ficmaos asism até ele ficar duro. Passava a maõ no meu corpo, na minah bunda, pernas, barriguinha. e eu faziua a mesma coisa nele .Aí ele mejoga pra cima dele e me boa na posição do 69. Tiramos as roupas e comçamos a feta. Ele lambia ocm força meu cuzinho, soprava, tava um dleicia,. Eu chuapava a rola del com força, era enorme, tinah uam cabeçona vermelha . Ficmaos asim até gozarmos. Nos abraçamos até ficar com paus duro de novo. mas agora eu queria dar o cu. me otei de 4 e empinei a bundinah dizendo, entra em mim, por favor. Ele molha a cabeç da rola dele com saliva e começa e enfiar. Fez um barulho e entrou doendo um pouco,cFoi muito gstoso . Nem lembrava mais d emininas. Variamos nas posições até que ele aceler aoritmo e começar a respiar ofegante. Me levante e com um grito no]s gozams juntos . Voou porra até na cara dele . Ele ficou umo pau no meu cu até amolecer e deposi tirou. Fiamcos no tapete ate umas 5 horas, descansando . Sá deu tempo dele se despedir e ir em embra, que miha mãe cheohu. E assim foi, uam vez eu dava pra ele na minah casa, depois na casa dele´e é asima té hoje,, tp adorando isso.

VISITE NOSSOS PARCEIROS

SELEÇÃO DE CONTOS


Online porn video at mobile phone


contos eroticos putinha video gameDei a um cara que tinha elefantismo no pau contosContos eroticos de solteiras rabudascontos eroticos de iniciação gay: mete devagarconto erotico praia esposa garotosContos eróticos chupei muito e fiquei louco pela bucetinha da sobrinha novinha novinha da minha esposacontos fofinha menina de dez anoszoofilia negao comenorme pau deixando putia loucacontos eróticos - praia de nudismocontos eroticos chorou dormindocontos incesto minha filha fazendo fisting em mimclassificados evangélica procurando cornocontos eróticos dormindo na casa do namorado depois de uma festaContos eroticos poraoeu conto Meu marido saiu meu cunhado me comeuContos eroticos de esposa na estradacomi a melhor amiga da minha mae vai mete seu puto cotos eroticovideos bichobruto cavalo comendo égua joão cavalo quente contos eróticoscontos sobrinha veio cuidar da sograpeguei minha sobrinha do interior matutinhaconto de não aguentei a pica grande de meu avôpapai - contos eroticosconto gay dei dinheirocontos chupei o cu do cachorrobranca gordinha casada estrupada por maniaco no cueu e minha cunhada lesbica fizemos um bacanal com sua irma e mae incestosexo no arpoador conto eroticoela pediu pra parar mas continuei empurrando na putaContos eroticos incesto casos reais pag 170mandei a rola na minha enteadinha de seis anoscontos/ morena com rabo fogosoDominando ela contoscontos eroticos fui putinhaconto erotico gay esconde escondeMulher trepano so com caralhudosmeu ex tem ficou duro eroticos contoscontos de tiosContos.encestos.mae.no.campo.de.futebolcontos sadomasoquista mais uma gorda dominada parte 2contos eróticos longos viagemcontos eroticos reais de mulheres casadas crente que ja enfio o pepino no.cucontosgay comi meu priminho bricando d lutinha contos erotico o coroa me fudeu em cima da sua lanchacontos eróticos o dia que comi o cu da minha sograConto meu tio me fez mulher com seu pau enorme.Vidio de bucetas emchadas napica grosacontos transando com a minha cunhada fernandaconto erotico comviadinhocontos eroticos so era pra ela chuparcontos erotico mulher experimentando um travesticontos sogra e nora lésbicas fazendo tesouraa primeira f*** com travestifnegao fode cu da cadela e gizaminha esposa e sua namoradinha contobosque conto heterocontos eroticos gang bang com os molequesminha irma só de calcinhaporno gorda pula em cima do rosto da amigaContos eroticos gay olixeirorelato erótico real- a visitacontos minha prima defisiete me viu batedo umaContos erotico eu e minha tia no jogo da garrafaela me contou que estava com a buceta toda assada de tanto fuder com elecasadas que postam fotos de itanhaemdp contosconto erotico rabuda cintura fina peituda casada visitacontos eroticos fui comida feito puta e chingada de vadia pelo meu sogroxvidio amaciando a esposaconto brincando de cachorrinhover enfermeiras mostrando a calcinha no hospital de Minasmeu pai batendo punheta.eu foi fala com ele e ele madou eu bate pra eleContos eroticos pai espretado filha a tomar o banhoMeu pai tava em casa comigo e com a minha esposa eu e meu pai fundemos juntos minha esposa conto eroticoeu estava louco pra chupar atravesticonto eróticos lábios românticosf****** e chupando pela primeira vez seu namorado na estrada deserta