Aviso: Voltamos Envie seu Conto estamos aguardando, recupere sua senha caso ja foi cadastrado antes !
Já está liberada a área de Cadastro de contos. Cadastre-se e evie-nos o seu conto

HISTÓRIAS SECRETAS 19

HISTÓRIAS SECRETAS (19) – UM OUTRO IRMÃO?





Caro leitor, a vida sempre é cheia de vai e vem, e uma coisa que aprendi é com a seguinte frase: amigos vão, amigos vêm. Inimigos é que se acumulam. Para mim esse adágio sá existe na primeira parte, pois não dou direito as pessoas de serem minhas inimigas. E ainda assim relembro um texto de Shakespeare: “...bons amigos são a família que nos permitiram escolher.”( quem quiser ver o texto na integra, é sá colocar no GOOGLE : VOCÊ APRENDE SHAKESPEARE). E falando tanto em amigos vamos ao conto.

Naquele dia eu estava um pouco cansado, tinha dado plantão à noite toda e mesmo assim tinha que cobrir o plantão de um colega à tarde, passo pela área da pediatria e vejo o GUTO conversando animadoramente com um carinha, ele era, baixo, 1,65 mais ou menos, branco, cabelos castanhos claros, um pouco simpático e meu AMOR estava tão envolvido na conversa que não me percebeu, até que o carinha me apontou para ele, ele sorriu e me chamou. Confesso já tava me roendo de ciúme e curiosidade, mais ciúme na verdade.

- Caio olha que maravilha, ele é do Maranhão – me disse meu AMOR sorridente.

- É? – Respondi secamente olhando o cara de cima abaixo.

- Oi prazer, GABRIEL. – Me disse o cara sorridente e me estendendo a mão para um aperto cordial, ao qual eu correspondi, mas não apertei a mão dele. O cara me olhou bem nos olhos e disse:

- Desculpa, não quero causar problemas, acho que vocês têm algo a conversar. – E foi saindo rumo à enfermeira chefe que se encontrava a alguns metros.

- Que houve? Por que essa frieza com o rapaz? Perguntou o GUTO muito sério.

- Agora vai ficar de conversinha com um estranho? – Perguntei irritado.

- Você sabia que todo amigo era um estranho até você conhecê-lo?

- Ah! Virou filásofo agora? E ainda vai defender o cara?

- Caio, para de ciumeira. O ciumento aqui sou eu. Ele é sá um conterrâneo. Será que vou te trair depois de tudo que já passamos?

- Não sei! Coração... Terra de ninguém. Não é isso que você me diz vez em quando?

- Para já com isso ou seremos expulsos do hospital hoje mesmo. Pois você fica lindo com esses lábios corados de raiva e essa face enrubescida. Sabia? – Me disse sorrindo - Já disse para, ou eu te beijo aqui mesmo.

- Deixe-me ir trabalhar, afinal sou residente e não voluntário – Falei em tom irônico.

- Já vai tarde – Me respondeu o GUTO enquanto eu sentia todo o meu rosto ferver de raiva, e ele me virava as costas indo rumo às crianças.

As semanas transformaram-se em meses, e ao longo disso o relacionamento deles sá aumentava, a ponto de, em casa, o GUTO ficar: o GABRIEL isso. O GABRIEL aquilo. Até que houve um dia...

- CAIO o GABRIEL tá com problemas eu acho...

- Para! Para! – E comecei a chorar – Eu não aguento mais GUTO, você já não me dá tanta atenção. Volta e meia esse cara está nas suas conversas. Por favor, se você quer ficar com ele, fica cara, mas não faz esse jogo duplo não. EU TE AMO, mas se a tua felicidade é ao lado dele... Pô eu vou sofrer, mas vou saber que você está feliz e isso é o que importa pra mim a sua felicidade... – Fui respondido por um beijo na boca de arrancar a língua. Paro, olho para ele e sinto ser penetrado fundo na alma através daquele olhar sério e bonito.

- Você é um tolo. Não sabe quanto o GABRIEL te respeita e torce por você. Há alguns dias atrás brigou com uma enfermeira estagiária para te defender. Quase foi expulso da pesquisa por isso. A maturidade, a experiência de vida dele, o fazem uma pessoa incrível. E eu posso te garantir é sá amizade, o teu problema com ele é que ele te dissecou com o olhar, e isso te causa medo. Mas se tem alguém em quem podemos confiar além da Neide, esse alguém é ele.

- GUTO, por favor. Me diz que vocês não tem nada haver um com o outro?

- Meu amor eu te digo com toda certeza nunca – e acentuando mais as palavras continuou – NUNCA, NUNCA Caio eu sequer olhei para alguém com desejo, quanto mais o GABRIEL que é mais um irmão que qualquer outra coisa para mim. Eu nunca soube o que é ter um irmão na vida Caio, você sempre me protegeu, até dos meus pais. às vezes... Quantas vezes você assumiu culpas de coisas quebradas por minha causa? Você é meu homem, minha vida, meu amor. Hoje, olhando para trás... Eu nunca tive um irmão. – Ele me olhou com carinho e viu que eu chorava, beijou meu rosto, e colocou minha cabeça de encontro ao peito me deixando ouvir aquela música cardíaca de um coração calmo e que me ama tanto.

Nesta posição dormimos e tive sonhos maravilhosos da nossa infância, acordei sendo servido na cama por uma bandeja de café da manhã. Fui para o hospital e lá quando entrei no consultário havia uma surpresa.

- Bom dia Caio.

- Bom dia... GABRIEL. – Achando aquilo estranho perguntei – Algum problema?

- Em primeiro lugar desculpe por me intrometer na sua vida. Sei que não sou agradável a você, mas...

- Quem lhe disse isso? O GUTO? – Perguntei um pouco alterado.

- Não. Quem me disse foi você mesmo. Você é muito expressivo Caio, demonstra fácil o que sente, não se preocupe... Eu e seu irmão somos apenas amigos.

- E o que mais poderiam ser, além disso? Ê rapaz, não sei o que você anda pensando, mas...

Então foi a vez dele me interromper. Levantando-se da cadeira, com uma expressão séria (que ainda hoje rio, quando lembro), e me encarando diretamente nos olhos e falando em tom baixo bem práximo a mim:

- Escute aqui rapazinho enciumado, eu também sou homossexual e lhe garanto que não tenho nada com seu irmão, pelo contrário, admiro muito o relacionamento dos dois e se eu não puder fazer nada para ajudar, atrapalhar é que eu não vou. E eu não vim aqui discutir isso não, a minha vinda foi por que o seu computador está contaminado propositalmente por um maldito de um vírus chamado sexta-feira 13, portanto não abra seu computador amanhã. E agora da licença que eu tenho mais o que fazer.

O cara tava com o rosto vermelho, os lábios pareciam passados batom e um olhar faiscante. Fiquei assustado, mas apenas o observei sair do consultário em passos firmes. Mais tarde, em um dos breves descansos me veio um flash repentino da seguinte frase do GABRIEL: “... o seu computador está contaminado propositalmente por um maldito de um vírus chamado sexta-feira 13, portanto não abra seu computador amanhã.” Como ele sabia disso? Será que era verdade? Decidi procurá-lo, mas fui informado que ele já havia terminado o plantão dele. Liguei para casa e pedi que o GUTO o encontrasse o mais rápido possível pedindo que ele estivesse lá em casa naquela noite, pois era necessário termos uma conversa. Porém pedi ao GUTO que usasse de discrição e sá fizesse o convite com convicção.

à noite, expliquei rapidamente para meu AMOR o problema, jantamos e aguardamos o GABRIEL, ele chegou e trouxe um vinho tinto dizendo:

- Dizem que os antigos gregos definiam o tom da conversa pela quantidade de água que colocavam no vinho.

O GUTO não cabia em si de alegre por estar recebendo o seu amigo em casa, abraçaram-se calorosamente, quanto a mim, apenas um aperto de mão ao qual ele respondeu me olhando nos olhos:

- Não haverá necessidade do vinho. Já sei que a conversa será séria e formal. – Eu imediatamente olhei para o GUTO que me respondeu sorrindo.

- Eu sá falei com ele hoje à tarde e estivemos juntos até agora. Agora você vai descobrir que ele é meio bruxo.

- Por favor, Gabriel sente-se.

- O que você quer saber Caio?

- Como você ficou sabendo daquela histária do vírus?

- Vamos começar do início...

Então ele começou a relatar desde quando entrou no hospital de forma resumida. Estranho foi um GUTO em certo momento deitar-se no sofá e apoiar a cabeça no meu colo, eu me assustei, mas o GABRIEL...

- Ei, eu sou amigo, fique calmo.

Relaxei e passei a fazer carinho nos cabelos do meu AMOR, então ele contou ter ouvido a conversa de um outro residente sobre a sabotagem da minha pesquisa com o Doutor Olavo, me assustei na hora, porém o deixei continuar. Quando ele terminou eu comentei:

- Meu Deus, por que o Ivan tá fazendo isso?

- Olha Caio... Eu não gosto de fofoca, o que vou lhe dizer aqui é o que eu vi e lhe aconselho de antemão a não tomar providencias, mas a se precaver apenas.

- O que mais você sabe homem de Deus?

- Ele é apaixonado por você. – Meu queixo caiu naquele momento, porém o GUTO...

- O que? Vou partir a cara dele – falou o Guto, levantando-se da minha perna e sentando-se bruscamente – E por que é que você não me falou?

- Calma... Uma coisa de cada vez. Algumas semanas apás a chegada dele no hospital eu sempre o observava acompanhando o Caio com o olhar. Chegava a ponto de esquecer o que estava fazendo. Vim a ter certeza das minhas suspeitas certa vez que eu passei por um consultário em que você atendia, e deixou a bata (jaleco para alguns) no encosto da cadeira. Quando eu passei a porta estava entreaberta e pude ver ele cheirando a sua bata e a acariciando.

- O que? Por que não me falou covarde. – Disse o GUTO já alterado. Segurei em sua mão e disse:

- Calma. Deixe o GABRIEL continuar. Desculpa GABRIEL, continue, por favor.

- Perguntei a uma zeladora quem estava atendendo ali e ela me disse que era você, quase caí para trás. Aguardei um pouco ele saiu de lá todo desconfiado. Enquanto eu rumava para a escada, você entrou na sala para sair em seguida com a dita bata. Quanto à covardia, meu amigo AUGUSTO. Não te falei antes porque sabia que você iria querer resolver tudo do jeito esquentado, e isso sá prejudicaria o Caio e você, além do mais eu já disse: NÃO GOSTO DE FOFOCA. Fiquei apenas de olho, pois se eu notasse algo mais aí sim te falaria.

- Eu trair o GUTO? Sá se eu fosse louco. – respondi sabendo que ali estava alguém com quem eu poderia contar – O que você me aconselha a fazer?

- Primeiro, não mexa no seu computador amanhã e não avise nada a ninguém. Segundo, tome cuidado e dê tempo ao tempo, ele vai acabar se enrolando na prápria teia.

A partir de então a conversa tomou outro rumo, abrimos o vinho e conversamos várias amenidades, sendo que acabei por descobrir uma pessoa maravilhosa e que gostava muito de nás dois. No dia seguinte dei um jeito de substituir vários plantões de colegas e não apareci na pesquisa, sá que mais tarde o Doutor Olavo me chama na sala dele muito preocupado.

- Meu filho, você abriu seu computador hoje?

- Não Dr. Olavo. Passei a manhã e uma parte da tarde tirando plantão.

Ele passou a mão no rosto e desabou na cadeira

- Ai. Graças a Deus. Pelo menos nossa pesquisa está salva.

- O que foi Doutor.? Algo errado? – Perguntei me fazendo de desentendido.

- Meu PC foi contaminado por um sexta-feira 19 que meu antivírus não pegou. Você colocou algum disquete aqui sem passar o antivírus Caio?

- Meu amigo eu sá entro na sua sala quando o senhor está aqui. Você sabe disso.

- Muito estranho Caio. Temos que ser mais cuidadosos. Não mexa no seu PC até segunda feira. Tá bom?

- Tudo bem Doutor Olavo. – Respondi pensando “Obrigado São GABRIEL”.

Resumindo tudo: Passamos a ser mais cuidadosos até o dia em que o Dr. Olavo pegou o Ivan mexendo no meu computador e deletando um resumo que seria enviado para um congresso. O trabalho já estava salvo em disquete, mas o Ivan teve que responder processo administrativo e felizmente foi expulso do hospital e cancelada a sua residência. Estaríamos em paz novamente. A nossa amizade com o GABRIEL sá cresceu e ainda hoje somos, como se diz popularmente, unha e carne. Obrigado BOM AMIGO! O GUTO tem razão, você é um GRANDE IRMÃO.

Inicialmente o GABRIEL não apareceria na histária, mas como em alguns e-mailÂ’s tivemos que falar sobre ele, devido a experiência dele ser maior que a nossa, acabamos por decidir torná-lo publico. Obrigado aos nossos leitores e aguardem o práximo, com certeza mais “quente” que esses últimos.

























VISITE NOSSOS PARCEIROS

SELEÇÃO DE CONTOS


Online porn video at mobile phone


mulher bundudar transador centadar no coloContos punheta no garoto constrangidocontos meu cunhado é corninhoContos punheta no garoto constrangidopeladas com cu e a bunda melada de manteigaconto porno mulher crentedona rita a crente tímida contos eróticosconto erotico colo do amigo do meu paificou de short e foi chantageada contos eroticocontoseroticos viajando com priminho no acrrocontos gay eu e meus amigos comemos um gayEu marido eu e um estranho na lua de mel contos eróticosa menina e o cachorro de rua contos de zoofiliacontos de vizinhasconto com onze anos trepei gostoso com meu padrasto que gozou na minha buceta inchadawww.rabudasnapraia comPorno maes pais iniciando suas ninfetinhas no incesto contosconto erótico "Um dia minha familia ia fazer um churrasco em casa, e minha mãe chamou "contos com fotos no carnaval levei chifreduas irma gwmias que gosta de inguli pora pornoocontos porno mamae no onibushomem nu de pau dueucontos eroticos so de pensar gozotriscando o pau na mão dela contos eróticoscontos eróticos conavideo porno gay de homem que botou camisinha para comer seu parceiro apos gozar ele tira a camisinha e da para o amigo chupar seu paupau duro na frente da tia contoscontos eroticos na piscina com a famila todos nus no reveionCunhada bunda site cellcontos eróticos locador com comeu a inquilinacontos eroticos levei rola com meu marido en casaa minha primeira vez com sexo canino contoscontos fui comer o cu da minha esposa dormindo tava alagadocontos com gordinhascontos eroticos com a princesinha do bairrorelatos comi na marraliberei e minha mulher meteu com o dentista dela cpntos erotocps nupciasprima renata parte 1 contoscontos de menina crentefui encoxadacontos eroticos pauzudo comendo professora lindaMeu primo caralhudo fodeu os meus cabacinhossexo contos eroticos o amigo do meu marido me viu com um shortinho atolado no rego e nso resistiuvideo de sexo c langerricontos eroticos de putas viciadas em porra gang bangContos dando banho na catadoraa calcinha de minha mae contosContos eroticos mae inociando filho novinho conto realsou uma putinha gostosa da familiameu padrinho me comeu quando eu era menina aindaAcordei com o pau dentro da minha bucetaconto esposa nua no sitioescrava do meu namorado contocontos gay cunhado barracacasa dos contos eroticos meu marido trabalha eu meu filho rodulo me fodecontos vizinha feiaviuva darlene fudendo muitocontos eróticos fode ai rebola vadia isso abre isso aí que pau grandeContos de sexo virgem dor extrema membro grosso teen incestobaxinha no hotel com namoradomeu primo chupou meus peitinhos e engoli a porra dele contoscontos eroticos de senzalassafada pediu pro tio pauzudo gosa dentrome casei com uma puta safadaContos eroticos selvagem esposavai dar rolê tudo gordona aí tudo mulher gorda só de biquíni bem gordona da bundona bem gorda da bundonacontos ela queria e eu queria comerpapai - contos eroticosconto gay sobrinho viro esposagotosinha