Aviso: Voltamos Envie seu Conto estamos aguardando, recupere sua senha caso ja foi cadastrado antes !
Já está liberada a área de Cadastro de contos. Cadastre-se e evie-nos o seu conto

SOU CORNO....MAS O QUE FAZER???

Adriana e eu chegamos ao quarto do Motel que costumávamos frequentar em Maringá. Eu havia combinado com Cláudio para aguardar no estacionamento. Assim que eu e ela entrássemos, mandaria um torpedo, pelo celular, para que soubesse o número do quarto em que estávamos.

Assim que entramos, tiramos nossas roupas, como sempre. Eu lambi muito o pescoço de Adriana e a beijei enquanto ela pegava no meu pau, já duro, muito mais pela atmosfera que eu sabia que tomaria lugar ali do que por todo o tesão que ela sempre me inspira por sua sensualidade e sexualidade naturais.

Adriana é uma mulher bela e atraente. Tem uma dose de sexualidade contida em sua voz e em seu olhar. Desde a primeira vez que a vi, captei essas percepções e fui comprovar de perto. O sexo é um elo muito forte entre nás. Ratifica o nosso amor de modo muito intenso. Lá estávamos para mais um momento de pura magia.

Vendei os olhos dela com delicadeza. O tecido era bem negro e macio o suficiente para manter o mistério de tudo o que estava por acontecer em alguns minutos.

Suavemente, também, amarrei suas mãos à cabeceira da cama para que ela ficasse somente com os pés soltos.

Deixei a porta entreaberta e, assim que armei esta cena, mandei o torpedo ao fone do Cláudio. Eu o contratara para o nosso menage a trois. A pessoa que o indicou garantiu-me tratar-se de um homem honrado e simples, porém, um amante de primeira, capaz de passar horas e horas “trabalhando” numa fêmea até o ponto de enlouquecê-la. Era exatamente isso o que eu planejava proporcionar a Adriana naquele fim de tarde.

TIVE QUE AGIR DESTA FORMA, POIS, DE OUTRO MODO ELA NÃO ACEITARIA UMA SURUBA DAQUELAS, JÁ QUE REPRIME SENTIMENTOS E DESEJOS EM NOME DE TUDO O QUE AS DEMAIS PESSOAS TAMBÉM O FAZEM.

Mas o que nos aguardava naquele dia, certamente a encantaria, pois, sei que, no fundo, ela estava acesa para uma experiência nova e diferente entre nás.

Cláudio entrou e dirigiu-se ao banheiro com cuidado para não ser ouvido. Enquanto isso, eu já introduzia meu pau na buceta dela e ouvia os gemidinhos que emite sempre que começamos. Fazia um bom tempo que não transávamos por causa de nossa distância física. Ela queria, mesmo, que eu afundasse tudo de uma sá vez. Mas eu punha um pouquinho e logo tirava. Não queria gozar e estava preparando a surpresinha.

Cláudio reapareceu já nu. Seu cacete estava bem duro em função do clima e por já saber que Adriana nunca tinha transado a três.

Eu saí da cama e continuei conversando com Adriana como se estivesse fazendo qualquer outra coisa normal

Neste momento, Claudio subiu na cama, levantou as pernas dela – como eu costumo fazer o nosso papai-mamãe – e introduziu de uma sá vez seu caralho que era, no mínimo, o dobro do tamanho do meu, porém, bem mais grosso.

Naquele instante, Adriana sentiu-se atônita. Ficou sem entender. Pensou que eu estivesse introduzindo um consolo. Deu um grito que misturava satisfação, prazer e dor. Havia pelo menos – que eu saiba – sete anos e meio que ela não levava um caralho daqueles.

Fui, então, a seu lado e tirei a venda de seus olhos enquanto Claudio, como um louco, mandava ver seu pau num vai-e-vem frenético buceta adentro de Adriada. Ela se entregou. Pus meu caralho em sua boca e, enquanto ela tomava na buceta as estocadas mais frenéticas que se pode imaginar, eu metia nem sua boca com loucura, pois, eu mesmo estava morrendo de tesão de vê-la sendo comida por outro homem.

Eu sabia que ela estava gostando muito, pois, conheço os seus gemidos. E agora que ela constatava que eu também gostava da encenação, soltou-se como uma verdadeira puta.

Chegara o momento mais importante.

Faríamos em Adriana uma dupla penetração pela primeira vez.

Claudio removeu seu cacete – muito molhado, pois ela ficara ensopada de tesão com esta experiência. Ela protestou. Queria mais, muito mais, daquele pau perfeito.

Anunciei, então, o que aconteceria a partir de então. Ela fez menção de negar e eu afirmei que de nada adiantaria. O único direito que ela teria era o de escolher qual pau iria onde.

Ela escolheu o meu no cu, já que era virgem de rabo e gostaria de dar-me a honra. Além disso, o pau de Claudio era muito maior que o meu. Para começar com ele seria complicado.

Claudio deitou-se. Adriana ajeitou-se sobre aquela pica que eu vi desaparecer inteira dentro de sua buceta. Percebi que no comprimento não era tanto problema; tinha espaço para penetrar. A coisa pegava, mesmo, na grossura. Eu percebi que aquela xana, que me parecia carnuda e me recebia com facilidade, nunca mais seria a mesma depois daquela foda. Estava sendo definitivamente arrombada... e sem retorno. Mas, fazer o que?

Eu fiz aquele ritual de sempre para se comer um cuzinho. Besuntei com muito creme, meti um dedo, exercitei. Enquanto isso, observei que ela pulava como louca no pau de Claudio, demonstrando o quanto gostava de receber um cacete diferente e com aquelas características.

Não tive pena. Pedi que parassem o movimento por alguns instantes até que eu tomasse meu lugar na orgia.

Coloquei-me e fui entrando. Em poucos segundos, lá estava inteiramente introduzido. Agora era sá questão de ritmo. Dois machos afundados nos buracos de prazer de uma bela mulher. Ela se entregava como verdadeira vadia ao inevitável e profundo prazer.

Assim fomos até uma explosão de porra que ela fez questão de ser em seu interior. Cláudio e eu chegamos juntos. Eu sentia os jatos de esperma dele no inteior da buceta. Adriana urrou como um animal nesta hora, já que os paus dos dois dilataram de modo anormal.

Caímos os três exaustos sobre a cama.

Cinco minutos se passaram de cochilo gostoso, quando ela, repentinamente, sentou-se e, inclinando-se sobre Cláudio, abocanhou seu pau chupando-o com gula incrível.

Olhou para mim e disse: “Você não quer que eu foda como uma puta? Pois bem. Agora eu quero que ele meta esse cacete no meu rabão. Vou sair daqui com a buceta e com o cu regaçados”.

Apesar do meu ciúme, não podia impedi-la de satisfazer seu novo desejo, já que eu era o mentor de toda a situação.

Quando aquele mastro se levantou, ela não teve medo. Encheu seu rabo de creme e sentou-se em cima daquela coisa dura, grande e grossa. Deu um grito quando a cabeça arrombou o cu, fazendo o meu pau parecer um dedão na foda anterior.

Não esperou acostumar-se, fez seu rabo engolir a pica inteira. O Claudio, inclusive, gritou, agora. Depois ele revelou-me que nunca havia visto nada igual. O cacete do cara desapareceu. Ela apoiava-se sobre suas mãos e esticava suas pernas. O cuzinho de Adriana dilatou a ponto de recebê-lo inteirinho.

Dali a pouco, começou o entra-e-sai. Era inacreditável. A habilidade de minha menina mostrou-se maior do que mulher de filme.

Então, ela tirou de uma sá vez, posicionou-se de quatro sobre a cama e ordenou ao Claudio: “Agora, me enraba de quatro, seu filho da puta. Faz de mim uma puta completa. Coma meu rabo como um garanhão come uma égua no cio”. Ele cumpriu a ordem de imediato. Pôs-se de pé e enfiou tudo num solavanco. Adriana virou os olhos, sentindo o baque. Eu vi que a coisa não foi fácil para o lado dela.

O cara começou a estocar. A cavalgada durou muito. Eu via aquele cu avermelhar-se como uma carne sendo assada. Ele não aguentava mais. Adriana já anunciara pelo menos três orgasmos enquanto o cara metia a vara naquele rabo. Passei a mão em sua buceta e vi que pingava líquido vaginal quente e cremoso. Ela estava tendo, de fato, o maior gozo de toda a sua vida. A foda terminou quando ele esvaiu-se em esperma nas costas dela. Jorrava como uma mangueira. Fez uma poça de porra quente e muito grossa, parecia um mingau. Ele grunhiu como um cavalo, enquanto gozava. Ela sorriu para mim, satisfeita que estava.

Descansamos os três. Cláudio tomou seu banho, vestiu-se e se foi.

Eu continuei ali com Adriana por mais um tempo em que tomamos duas cervejas.

Depois, o banho e, também fomos embora.

Nunca mais fizemos a três. Bem, pelo menos comigo ela não fez mais. Vai saber.... agora que sou membro do clube dos cornos convictos, tudo pode acontecer, e eu não posso reclamar.



VISITE NOSSOS PARCEIROS

SELEÇÃO DE CONTOS


Online porn video at mobile phone


contos erotico chantageada pelo meu padraoconto minha buceta e rasa mais aquela pica gigante fui tudoContos ajudei o meu amigo a comer minha filhacontos eróticos afim do papai ele domindo eu calvagando no pau deli contocontos punheta filho sobrinhocontos erotico putas manosacontos minha cunhadinha da bucetinha bem pequenaconto erotico casado se apaixonou por um afeminadoContos supreendida pelo novinhocontos eroticos abuzei de minha irmazinha com ela dormindocontos erotico fui pozar na casa da minha irma casada e comi seu cuzinhoirma feiz sexo comigo eu gozei na boca delaswing tio com sobrinhas flagrante historias contosconto eróticos dei pra meu pai depois de casadaeu e minha mulher somos moreno meu filho loiro sou corno ?contos eroticos de padres e pastores roludos com meninaspedreiro gozou vendo munher lavando roupas/conto eroticoconto eróticos estupro no orfanatocontos eroticos minha prima hermafroditacontos eróticos meu segredomorena cor janbro deixan goza dentrocontos eroticos tia deu pra mim e primocontos eroticos buceta peludacontos eroticos tio comendo sobrinhaspAi pegador filha a fossa no quarto pornomurhler.abusada.estrupradovovo cruel conto eroticoincesto realidade fantasias contocontos homem casado chupa picq homem casadocabacinho rasgadinhocontos do caralhocontos eroticos comendo a enteadameu pai e meu irmao me comeram contos eroticosassistir filme pornô mãe então você tá grande meladaporno contosminha mulher deu na massagemfui trepada pelo jegue di meu sogro. conto eróticowww contos eroticos doce recordacoesconto travesti me enganouconto negao cuidou do meninoo cu da minha esposa e meu contoContos.encesto.so.com.mae.cu.com.batataconto eles gozaram na minha mulhercontos erotico chantageada pelo meu padraomeu marido morreu e eu to com tesaocontos de rasgando o cuzinho apertado do novinho que chora de dorporno com tio acorda subrimha pra fufet com eleconto minha esposa rabuda deu pra familia todo na salacontos eroticos de buceta cabeludacontos eroticos tia primo e eucontos eroticos com lesbicas bofinhosvoyeur de esposa conto eroticoconto do negao velho e pirocudoxvideos preneditadocontos eroticos cu virgemminha irma só de calcinhacontos eroticos de cdzinhacontos erotico prima matutaconto de esposa vendo seu marido na rola de outrowww.filha caçula da cu pro pai pauzudocontos eroticos ,,sou noiva e o negão comeu meu cu na ,minha camaaminha nora gostosa+contosseduzido contosfui encoxadaconto cabaco xota cucontos orgia com jogadoresboqueteira gaucha contoconto erotico espiando pelo buraco da fechaduragarotinha bucetinha estufada contosmulher fica no ralarala com homen e fica com aa cacinha molhadavoyeur de esposa conto eroticoconto erótico mulheres teve coragem sexo cavalosFudendo a prima gostosa dormindo novos contosvirei putinhaporno abuzeis.comcontos minha tia anus dilatadoContos eroticos de homem que estava batendo punheta no trem na frente de todo mundo semvergonhavi meu genro mijando e dei pra eleContos erroticos com fotos eu e minha loirinha e um negro 32cm parte 2zoofili negao magro com umaaconto erotico incesto sonifero filhacontos eroticos exibicionista sobrinhocontos eroticos gosto de chupar buceta suada e ensebadachantagiei minha sobrinha contosnovinha que queira trocar msg e gozar muitomulher faz strip antes de comecar zofiliaContos concunhadoContos minha sogra quis medir meu pau