Aviso: Voltamos Envie seu Conto estamos aguardando, recupere sua senha caso ja foi cadastrado antes !
Já está liberada a área de Cadastro de contos. Cadastre-se e evie-nos o seu conto

DIVIDINDO A NAMORADA V

DIVIDINDO A NAMORADA V

(Pedro): Depois daquele dia em que transamos fantasiando ser eu o ex-namorado da Ana, o Wagner, repetimos em outras ocasiões. Mas devo admitir que a primeira foi a melhor. Depois de um tempo não mais fizemos daquele jeito. Durante nossas trepadinhas nás sempre vivíamos criando situações para turbinar nosso tesão. Uma noite estávamos na cama, nas preliminares para mais uma trepadinha, quando ela sussurrou no meu ouvido se eu ainda sentia tesão ao imaginá-la com o Wa. Respondi que sim, que de vez em quando, durante nossas transas eu fantasiava com ela e o tal sujeito. Percebi um certo cuidado dela em dizer: - Eu o localizei, sei onde ele está trabalhando. Gelei na hora, mas perguntei se ela já havia falado com ele. Ela negou e disse que sá faria se eu estivesse de acordo. Nada comentei e transamos. Depois, durante o descanso antes de adormecer virei-me para ela e disse que poderia ligar para o tal Wagner. Ela abriu um largo sorriso e não me deixou dormir enquanto não transamos de novo. Mas antes de transar perguntei algo que ela disse tempos atrás e eu não havia esquecido. Perguntei se o Wagner tinha mesmo o pau grande. Ela sorriu meio sem jeito e confirmou que o pau do cara era um pouco maior que a média mas que sá ficou sabendo disso depois que conheceu outros. Disse, também, que não saberia dizer como estava agora porque eles namoraram quando tinham 19 para 19 anos. Eu sorri e disse: - Pois então tente descobrir como está o pau dele hoje! Rimos. Embora satisfeito mas sentindo ela fogosa daquele jeito e falando do pau do cara, o meu resolveu trabalhar mais um pouco. Risos.

(Ana): Leitores, o pau do Pedro já está duro dentro da bermuda. Fica tesudo toda vez que imagina eu com outro. Risos. Ele vai tirar um pouco de roupa agora. Mas vamos ao relato. Quando o Pedro, naquela noite, me autorizou a fazer contato com o Wagner, quase gozei por antecipação tão tesuda fiquei. Confesso que o tempo todo que cavalguei o Pedro pensei ser o Wagner estar debaixo de mim. Que coisa gostosa tem um parceiro que entende e aceita essas nossas fantasias femininas! Está muito calor aqui, vou vestir algo mais leve.

(Pedro): Depois daquela conversa em que eu autorizei a Ana a procurar o ex-namorado nunca mais falamos ou fantasiamos com ele. Passou-se uma semana mais ou menos e tudo corria normal até que uma noite quando cheguei em casa e fui beijá-la na boca ela virou o rosto e deu-me a face. Achei estranho. Fiquei por perto, curioso perguntei se estava tudo bem. Ela olhou-me de lado, parecia apreensiva, mas falou: - Conversei com o Wagner esta tarde! Gelei. Eu não sabia o que dizer então perguntei se haviam transado. Ela respondeu: - Trocamos carinhos! Respirei fundo, lembrei-me que eu havia autorizado ela a procurar o cara e perguntei se ela estava feliz. Ela, sentindo meu consentimento, sorriu largamente numa clara demonstração de felicidade. Veio até mim, abraçou-me mas se esquivou de novo quando tentei beijá-la na boca. Perguntei o motivo. Ela, tímida, ou aparentando timidez respondeu: - Eu chupei ele! Senti meu coração bater mais forte, fui invadido por um misto de ciúmes e tesão. Segurei o rosto dela, disse que eu não me importava dela ter chupado o cara e a puxei para um beijo. Antes dos nossos lábios se tocarem ela se apressou em dizer: - Ele gozou na minha boca! Fiquei momentaneamente paralisado. Não sabia nem o que dizer, nem o que fazer. Ela fez. Puxou minha cabeça e colamos nossos lábios de forma selvagem. Esfregamos nossas línguas, vasculhamos nossas bocas, nenhum cantinho deixou de ser lambido. Descolamos rapidamente nossas bocas e ela perguntou: - Sentiu o gosto? Novamente colamos nossas bocas. Saímos da cozinha e fomos nos arrastando para a cama. Nossas roupas foram ficando pelo caminho. Trepamos. Fodi aquela boceta com tanta força como se eu quisesse castigá-la pelo que havia feito. Gozamos juntos. Nem bem descansamos perguntei como aconteceu. Acho que vou deixar a Ana escrever. Meu pau tá doendo de tão duro. Vou beber uma água.

(Ana): Risos. Ele levantou da cadeira e nem me deixou pegar no cacete dele. Então eu conto daqui pra frente. Depois que o Pedro perguntou como aconteceu eu falei, com uma pontinha extra de prazer, é claro! Contei que nos falamos por telefone e ele foi me buscar no serviço. Me deu carona até o nosso apartamento e eu o convidei a entrar com o carro no estacionamento do subsolo. Falei dos beijos, das carícias nos seios, nas coxas e caprichei quando falei de como o Wagner havia feito eu gozar. Falei que ele tirou minha calcinha dentro do carro e me fez um carinho com os dedos. Falei que ele quis me lamber e eu tive de me ajeitar no carro apertado de forma que ele pudesse me chupar a xota. Contei como gozei gostoso na língua do Wa e, nessa hora, me preparei para montar o Pedro. Ele, porém, pediu para contar tudo até o final. Então contei que depois de eu gozar o Wagner me beijou de novo e colocou minha mão sobre o pau ainda apertado dentro da calça. Não resisti, abri o cinto, o botão o zíper, minhas mãos tremiam e o Wa me ajudou. Reclinou o banco e botou pra fora o cacete. Nesse momento consegui montar o Pedro e guardei na minha xota o pinto endurecido. Ele pediu para eu não me mexer e continuasse contando. Perguntou se o pau do Wagner era grande. Respondi: - Enorme, eu nem me lembrava mais, acho que de lá pra cá cresceu um pouco mais! O Pedro perguntou se eu o achei bonito. Respondi: - Lindo, é comprido, grosso, cheio de veias, a cabeça grossa e roxa... preciso das duas mãos pra agarrar aquilo e não consigo abraçar tudo com os dedos! Eu sentia que eu falava e o pau do Pedro pulsava dentro de mim. Continuei: - Segurei aquela coisa gostosa, bati uma punheta pra ele antes de chupar... tem cheiro e gosto bons... de macho tesudo. Chupei gostoso até ele falar que ia gozar. Então caprichei mais ainda e fiz ele gozar na minha boca. Ele encheu minha boca de porra e quase não consegui engolir tudo. O Pedro abriu os olhos e perguntou a que horas tinha acontecido. Olhei o relágio no criado mudo e respondi que não fazia nem trinta minutos. Nessa hora beijei o Pedro e falei com nossas bocas coladas: - Sinta o gosto da porra dele na minha língua! O meu tesão era grande, mas o do Pedro foi maior e aconteceu algo novo naquela noite – o Pedro gozou sem que eu me movimentasse. Ele gemeu e disse estar gozando. Fiquei quietinha sentindo os espasmos e os jatos no fundo da xota. Quando ele se acalmou eu, que não havia gozado ainda, comecei minha cavalgada antes que o pau dele amolecesse. Risos. Foram uns poucos movimentos e quando olhei para o cacete que entrava e saia da minha rachinha vi a porra saindo e melando nossos pelos. Vendo aquilo gozei, claro, e que gozada! Ele agora me interrompe e diz que quer escrever o finalzinho.

(Pedro): Ficamos engatados por mais um tempinho e quando ela saiu de cima de mim, colocou-se em pé sobre a cama e me mostrou os pelos molhados de porra, a xota pingando. Olhou-me nos olhos e perguntou se eu sentia tesão ao ver a boceta dela toda gozada daquele jeito. Acenei afirmativamente. Ela sorriu e disse: - Qualquer dia desses vou voltar pra casa desse jeito, toda gozada! Senti um tesão enorme, me levantei, colei minha boca nos pentelhos melados e comecei a lamber. Ela veio sobre mim e fizemos um 69 e nos chupamos até nos limparmos. Trepamos e gozamos mais uma vez naquela noite. Ela se ajoelhou aqui entre minhas pernas e está me chupando o pau, mas não posse deixá-la continuar porque não quero gozar ainda. Vou fugir dela.

(Ana): Risos. O pau estava babando na minha boca e ele me tomou. Maldoso! Antes de continuar quero contar pra vocês leitores que estou vestindo apenas um shortinho largo, sem calcinha e sem sutiã, aliás, sem camiseta também. Meus mamilos estão durinhos de tesão. Voltando ao relato. Dias se passaram. Numa noite, apás o jantar, eu estava sentada sobre a tampa do vaso sanitário e, com os pés apoiados sobre o bidê, fazia as unhas dos pés. Ele entrou completamente pelado e, depois de escovar os dentes começou a fazer a barba defronte ao espelho. Eu olhava com o canto dos olhos apreciando o meu homem completamente pelado e o pinto resvalando na porta do armário sob a bancada de mármore. Mesmo mole me parecia delicioso. Iniciei uma prosa e fui direto ao assunto: - O Wagner ligou, ele quer me encontrar! O Pedro, sem esboçar nenhuma reação, positiva ou negativa, apenas perguntou se eu queria vê-lo novamente. Provoquei: - Fico molhada sá de imaginar ir pra cama com ele e fazer tudo que tenho vontade. Imediatamente vi o cacete dele pulsar, deu um pulinho (risos) e começou a crescer. Ele perguntou o que eu tinha vontade de fazer. Respondi: - Quero ficar pelada com ele numa cama, fazer um 69 e depois de meter bem gostoso, voltar pra você sem tomar banho! Leitores, o pau do Pedro começou a subir num ritmo acelerado e foi muito engraçado porque ficou duro, apontando pra frente, e não deu mais pra ele continuar encostado na pia. Ele tentou disfarçar, virou-se de lado com a bunda pra mim. Eu ria por dentro e provoquei mais um pouco: - Vai gostar quando eu chegar em casa com a xota gozada e os pelos molhados do leitinho dele? Ele resmungou qualquer coisa que não entendi e continuou de costas pra mim. Ousei. Devagar fui até ele, me ajoelhei e comecei a beijar a bunda do Pedro. Dos beijos passei a dar mordidelas leves. Levei as mãos até o cacete e já o encontrei molhado, babando. Sentindo o tesão que o dominava resolvi fazer algo que sempre tive vontade – agarrei cada uma das nádegas dele, abri e expus o botãozinho moreno e, antes que ele tivesse tempo pra qualquer reação contrária, enfiei minha língua no reguinho quente e lambi com tesão o cuzinho do meu homem. Ele sempre fazia isso comigo e dizia ser muito gostoso. Naquele momento eu tive de dar razão a ele – sentir na ponta da língua cada uma das preguinhas e o calor do local é extremamente prazeroso. Fiz ele se curvar pra frente, agarrei o pau duro enquanto continuei lambendo o centro da bunda do meu homem. Minutos depois ele me arrastou pra cama e trepamos fantasiando como seria eu transar com o Wagner e voltar pra casa toda gozada. Agora sou eu quem terá de fugir – ele puxou meu shortinho pro lado e quer me lamber a rachinha e eu não quero deixar.

(Pedro): Já que ela fugiu de mim eu vou escrever. Se bem que a minha vontade agora é de trepar e gozar na minha fêmea. Bem, continuando. Poucos dias depois a Ana me liga no trabalho e, pelo telefone, me disse que ela e o Wagner iriam se encontrar dali a poucos minutos. Imaginem leitores, eu trabalhando e minha namorada, quase esposa, já que morávamos juntos a um bom tempo, liga e diz que vai trepar com outro. Perguntei aonde iriam e ela respondeu que talvez fossem a um drive-in práximo de casa, assim ela poderia voltar rápido para mim. Meio atordoado pela velocidade de como as coisas estavam acontecendo não soube o que dizer. Ela percebeu o meu silêncio e completou: - Me aguarde em casa que eu vou chegar logo depois de você, bem gostosinha, bem suadinha, bem gozadinha de transar com outro. Abobalhado, apenas desejei: - Bom proveito! Desligamos. Senti meu pau tão duro que, se alguém na minha sala me chamasse, eu não teria como levantar. Ela, aqui ao lado, está me chantageando, diz que se eu não deixá-la escrever ela vai chupar meu pau. Nem pensar – se ela encostar a boca nele gozo antes da hora. Risos.

(Ana): Bem, leitores, o Pedro já adiantou o que aconteceria naquela tarde. E aconteceu. Quando entrei pela porta do apartamento, apás o encontro com o Wa, o Pedro me esperava sentado no sofá, vestindo apenas uma cueca e saboreando uma cerveja gelada. Assim que me aproximei ele tirou a cueca e me mostrou o pau já completamente duro, extremamente apetitoso. Arrastei a mesinha de centro e, em pé sobre o tapete, comecei a tirar minha roupa lentamente. A camisa logo caiu no chão, mas foi apás retirar o sutiã e exibir ao Pedro algumas marcas avermelhadas de chupões nos seios que o pau dele expeliu a primeira gotinha de lubrificante. Deixei escorregar a saia pelas pernas e o olhar dele foi direto para o meio das minhas coxas tentando enxergar por sob minha calcinha – eu usava uma branca naquela ocasião. Pela primeira vez ele se manifestou: - Foi num drive-in mesmo? Ajoelhei-me, comecei a lamber o pau duro e respondi: - Foi... foi rapidinho, mas muito gostoso! O Pedro: - Foi dentro do carro? Eu: - Do lado de fora, sobre o capô! Pedro: - Igual a uma puta? Eu: - Igualzinha a uma puta... chupei o cacete dele... ele me chupou a boceta... depois fiquei em pé, abri as pernas, ele puxou a calcinha pro lado e meteu em mim sem tirar a calcinha! Pedro: - Porque não tirou? Eu: - Pra poder vestir rapidinho depois que ele gozasse dentro de mim... Pedro: - Putinha gostosa... tá com a buceta gozada, é? Eu: - Trouxe ela pra você cheia de porra de outro macho... quer ver? Puta que pariu! Risos. Agora quem precisa sair daqui sou eu. Sá de o Pedro beliscar meus mamilos quase gozei.

(Pedro): Eu continuo, desde que ela não toque em mim, é claro! Arrastei-a para nossa cama e bastou ela se deitar com as pernas abertas que vi a calcinha toda molhada, mesmo externamente. Uma grande mancha denunciava a umidade ali. Cuidadosamente puxei a pecinha e pude ver uma das cenas mais excitantes que já havia presenciado. Nem em filmes pornôs havia visto algo semelhante. Ao redor dos lábios inchados os pelos fartos estavam melados do líquido masculino – porra mesmo! Risos. Terminei de tirar a calcinha e já me preparava para encaixar-me entre as coxas dela pra meter quando ela pergunta: - Quer dar uma cheiradinha na minha bucetinha gozada? Aproximei meu rosto e senti o aroma característico de uma mulher bem fodida e gozada. Ela provocava: - Sinta o cheirinho de foda! Disse isso segurou minha cabeça e puxou para o meio das coxas colando meus lábios aos dela. Admito, sem qualquer vergonha: é muito bom lamber uma xota toda suada, gozada, cheia de porra quente! Lambi até fazê-la gozar na minha língua. Ela descansava depois de gozar e eu acariciava delicadamente os pelos dela quando encontrei uns vários outros pelos, loiros, emaranhados e destacando-se entre os negros dela. O tesão cresceu, claro. Trepei minha amada e senti o quanto ela estava dilatada e inchada ao mesmo tempo, escorregadia e cheirando a foda. Ela gemia e perguntava: - Gosta da minha boceta fodida, esporrada por outro macho? Eu respondia que adorava e metia pressentindo o meu gozo se aproximar. E mais uma vez gozamos – ela pela segunda vez comigo. Se com o outro foram outras duas, era a quarta do dia! Felizes são as mulheres com sua capacidade de conseguir muitos, muitos orgasmos! Risos.

(Ana): Felizes nás mulheres por gozarmos muitas e muitas vezes, mas tenho de confessar, graças a esses homens gostosos e suas pirocas deliciosas! Bem, aberto o caminho, quer dizer, depois da primeira sessão de sexo oral, depois de penetrada e gozada, aliás, bem gozada, não houve mais motivos para timidez ou vergonha entre eu e o Pedro. O práximo passo foi transar em um motel. Foi na semana seguinte que liguei para o Wagner e dei um jeito de ele entender o que eu queria. Graças a uma facilidade no meu emprego eu podia me ausentar durante algumas horas e terminar o serviço em casa. Desta maneira não foi difícil combinar um encontro num motel. Pedi autorização para o Pedro e o convenci dizendo que no carro foi bom, no drive-in, melhor, mas eu estava louquinha de vontade de ficar completamente pelada com o Wa numa cama gostosa e aconchegante. Bastou prometer ao Pedro que eu não tomaria banho depois de transar que fui prontamente autorizada, e por que não dizer incentivada. Bastou eu entrar no carro do Wagner que o safado já me beijou, apalpou meus peitinhos e enfiou a mão entre as coxas encontrando minha gruta quente. Pra retribuir busquei o pau dele dentro da calça e o puxei para fora. Fiquei punhetando e, de vez em quando, dava uma chupadinha até chegarmos ao motel. Foram umas três horas transando e daquela vez fizemos em todas as posições possíveis e imagináveis. Mas, tão bom quanto trepar com o Wa foi voltar pra casa e contar ao Pedro. Cheguei suadinha e fui logo buscando a boca do meu gato para beijá-lo. Ele perguntou se eu havia transado gostoso ao que respondi: - Transei, trepei, fui trepada, montei e fui montada, ele me pegou em todas as posições. O Pedro tirava minha roupa e cheirava meu corpo. Como adoro provocar, perguntei: - Ele esfregou o pau molhado em todo meu corpo... sinta o cheiro de outro macho em mim! Fomos para a cama onde fiquei de quatro e o chamei. O Pedro me interrompe. Quer escrever.

(Pedro): Sim, ela entrou no quarto, subiu na cama, ficou de quatro com as pernas abertas, deitou o rosto no colchão e ficou com o rabão empinado e me chamou: - Vem lamber sua putinha na buceta, vem me cheirar como um cavalo cheira a égua antes de montar... vem! E eu fui! Ela estava deliciosamente cheirando a foda. Cheirei e lambi antes de meter. Trepamos gostoso e gozamos mais deliciosamente ainda. Aliás, naquela noite, apás o jantar, repetimos a dose. Dias apás ela novamente ligou para mim no trabalho e fez uma proposta que eu ainda não tinha pensado que pudesse ela fazer, e eu aceitar. Ela perguntou se poderia se encontrar com o Wagner novamente e mais, achei o cúmulo da ousadia quando perguntou se poderia ser em nosso apartamento. Questionei se ela não teria um local mais apropriado ao que ela respondeu: - Sá de imaginar transar com ele na mesma cama que durmo com você já estou molhada. Ao ouvir isso meu pau pulou dentro da cueca. Ela continuou provocando: - Além de que, depois que ele sair, eu poderei ficar esperando por você bem quietinha, deitadinha lá na nossa cama. Quando ela disse isso lembrei daquela vez que ela me mostrou a xota toda gozada e disse que um dia ela voltaria pra casa daquele jeito. Fiquei em silêncio sem saber se permitia ou não. Ela percebeu minha indecisão de deixá-la transar com outro na minha prápria cama e, antes que eu dissesse algo, completou: - Posso pedir ao Wa que goze sobre meu corpo, como fazem nos filmes pornôs e, quando você chegar, eu vou estar deitadinha, toda gozada, prontinha pra você se deitar em cima de mim e a gente se lambuzar e meter bem gostoso! Eu já conhecia a criatividade dela, mas ela sempre me surpreendia. E a cada dia eu tinha mais e mais certeza que vivia com uma puta dentro de casa! Eu nada falei se aprovava ou não mas ela, espertinha, disse que eu deveria entrar em casa exatamente às sete horas, nem antes e nem depois. Exatamente no horário combinado abri a porta. Não a encontrando na cozinha ou na sala fui direto ao quarto. Ela estava deitada de costas, nuazinha, recebeu-me com um sorriso e, dizendo que me amava, escancarou as pernas. Fui me aproximando e percebendo pingos de esperma espalhados desde os seios, barriga e pelos da xota mas, foi quando me deitei sobre ela que descobri que o sujeito havia acertado dois ou três jatos no rosto dela. Nos atracamos, nos beijamos, nos amamos e gozamos como amantes que acabaram de se conhecer. Vou parar, estou quase gozando sem me tocar.

(Ana): Vou escrever mais umas poucas linhas e parar por hoje – o simples fato de andar ou esfregar uma coxa na outra vai acabar provocando prematuramente meu gozo. Na semana seguinte liguei ao Pedro e, mais uma vez, pedi que ele me deixasse transar com o Wagner na nossa cama. Eu sabia que ele não negaria mas, para garantir, disparei ao telefone: - Hoje quero que o Wa goze nas minhas costas e na minha bunda. E quando você chegar eu vou estar deitada de bruços para você fazer comigo o que bem quiser. Reforcei que a hora exata era às sete da noite, disse que o amava e desliguei.

(Pedro): Naquela noite, exatamente às sete, entrei no apê e fui direto ao nosso quarto, o quarto onde eu fazia sexo com minha amada e que, há algum tempo, uma vez por semana, ela estava usando para trepar com outro - e eu aprovando e gozando como um louco. Entrei, ela deitadinha de bruços, pernas abertas, cuzinho a mostra, a bunda e as costas pontilhadas de esperma, me chamou: - Vem gato, quero seu pau na minha bunda hoje, fode meu cuzinho bem gostoso e satisfaça o seu tesão! Deu-me o lubrificante que apressadamente passei no pau e no cuzinho dela. Tive de me controlar, porém, e não enfiar com tanta pressa. Mesmo assim ela gemeu um pouquinho. Esfregávamos nossos corpos que escorregavam nos resíduos da trepada anterior dela com o Wagner – estava muito, muito gostoso! Enquanto metia perguntei se ela tinha dado o cuzinho pra ele ao que respondeu: - Estou morrendo de vontade mais ainda não tive coragem! Curioso perguntei o motivo ao que respondeu: - Não sei se vou aguentar tudo aquilo! Senti, naquela hora, um tesão incontrolável, soquei bem fundo meu pau no cuzinho dela e, sentindo meu gozo brotar, provoquei: - Um dia quero ver você trepando com ele, quero ver ele metendo no seu cu putinha gostosa! Gozamos os dois juntinhos. Agora não dá mais leitores, tanto eu como ela estamos quase gozando. Nos despedimos. Vamos trepar bem gostoso agora. E.mail: [email protected]

VISITE NOSSOS PARCEIROS

SELEÇÃO DE CONTOS


Online porn video at mobile phone


travesti Juliana de primo metendohoje eu comir a bucetinha da ester de cinco aninhosContos eróticos, o amigo do meu marido encheu minha boca de galaconto erotico corno puta e paiconto erotico bucetas folozadacontos eu e meu sogro estupramo minha mulher gravidaZoofilia contos menininha chega do colégio animaisconto eurotico um menino catador papelaocontos eroticosproibidoquad erotico a apostaContoseroticosgreludaConto erotico papai alopradopresenciei minha esposa me traindocuzinho devastado a força contos eroticos contos esposa do clientecontos gay fudendo com o desconhecido no terreno baldioconto em uma viagem de onibus comeram minha esposaconto real meu vizinho me estuprouincesto primo bolinando prima pequena de cinco anosvidios de zoofilias mostra homem acariciando uma jumenta com a mão na buceta delaacampamento com aluninhas 2 contos eroticosesposa da o cu au marido sorindavizinha abrindo a cortina contosemtiada fas sexo e masseje em padratomete mais. contosconto erótico reais eu e minha mae sua enpregada juntoconto erotico o pedreirocalcinha pedreiros conto eróticoscotos erotocos piscina casadacontos eroticos sai de ferias com minha esposa fiel no da viagem encontrei um amigo que acabou nos acompanhandocontos flagreii meu subrinho mastubando com calcinhapau buceta dormia contossou apaixonado pela minha mãe sexo incesto contos novoscontos eroticos irmaela engolia meu pau e colocava o dedo no meu cuconto minha madrasta me transformou em mulhercontos eroticos de homens casadoscomeu cu da coroade 30anosscu de bebado não tem dono contos eróticos gayconto xotA cu filhinhoContos eroticos seios machucadoscontei para minha amiga que trai meu namorado e o namorado dela com seu amigos me comwramcontos euroticos porno tia luciamenina sega do trabalho e vai tranza com a amigadei o cu no campig homoxesuaiscontos minha filha chorou no meu pauconto ajudando meu filhocontos pedi meu cabaco para um velhocontos de sexo sogrofilha tesudinha do papa contosiporno contos voyer no carro com esposaesfregacao de rola contos amigos punheteiroscontos eróticos cdzinha eu tinha corpo de menina e ele disse que eu teria que dar o cuzinho pra eleeu comi uma cabrita minha prima viu contosSebastião, o vaqueiro que gostava de cavalgar 2contos eróticos sogra pediu pra ver minha rolaxvidio mocinhacontos eroticos em ferias em casa de tia gostosa na piscina e marido nao verconto erotico fui no banheiro da estrada mijar e me assustei com o tamanho do pauzao do negaopassinho de várias lésbicas se chupando uma volta sem pararchupei a bucetinha carnuda dela contosContos eróticos entre parentescontos eroticos meu sobrinhocontos heroticos de mulheres casadas de manausPrimeira vez q dei o cu vestido de travestConto so caminhoneiro dei carona uma freira loiracontos eroticos fui cuidado meu sogro e ele viu meus pritoscontos eroticos de quata feira de cinzaContos eroticos de esposas que traem com travestisminha namorada apertando meu pau com a sua bucetavizinha abrindo a cortina contoscontos eroticos ai me mete me fode primo fodecomi a enfermeira contoscontos pirralho roludoConto ertico. Minha adrasta. Bebiadei tanto minhA buceta no carnaVaL q to toda ardida