Aviso: Voltamos Envie seu Conto estamos aguardando, recupere sua senha caso ja foi cadastrado antes !
Já está liberada a área de Cadastro de contos. Cadastre-se e evie-nos o seu conto

MINHA ESPOSA E 6 GARIMPEIROS

Inventamos de viajar de carro. Eu e minha esposa. Ora eu dirigia, ora era ela. Seguíamos a caminho de Porto Velho, por uma estrada de terra ao lado do Rio Madeira. Tinham nos aconselhado a não cruzar o rio pela terceira ponte, porque justo essa ponte ia dar num garimpo que ficava numa clareira desmatada na floresta. Era um vilarejo cheio de problemas, de abusos sexuais e imoralidades de gente sem-vergonha. Foi o que nos disse uma senhora na cidadezinha anterior.

― Quer saber, é melhor evitar essa ponte ― eu disse. Minha esposa dirigia. ― Pega a quarta ponte, minha flor de maracujá, sá por precaução.

O Rio Madeira passava pela janela do carro me dando sonolência.

― Quer saber ― minha esposa disse ― aquela senhora parecia uma beata de igreja, dessas que cobrem o corpo do calcanhar até o pescoço pra fingir que são certinhas aos olhos do Senhor.

Eu ri do comentário. Ela estava indignada. Não suportava gente moralista.

― Essas beatas, meu bem, cobrem o corpo mas ficam com a boca de fora SABE PRA QUE?!! Pra chupar uns pau depois da celebração. Atrás do altar. O pau do pastor, do padre, o caralho do capeta... Ouve o que eu digo... ― Eu ri de novo. Cochilei um pouco depois.

Sonhei com o que a beata dissera.

Que o garimpo se limitava a uma vila de prostitutas e homens brutos que se enfiavam atrás de lascas de ouro nos buracos das minas improvisadas sá pra trepar com uma, duas, três, ou até cinco prostitutas de uma vez. Era um antro de orgia dos infernos. Então acordei.



Descobri que fiz besteira deixando minha esposa dirigir naquele trecho.

Acordei com a minha esposa gemendo um gemido sofrido e sufocado como se tivesse alguma coisa enchendo a boca. E tinha. Dois cacetes. Ela tinha pego justamente o caminho proibido.

Uns seis sujeitos a estupravam. Fiquei assustado e sem saber o que fazer. Tinha um casebre aqui e outro acolá. Bateias largadas no chão. Umas mulheres vestidas como vadias aqui outras acolá. Uma delas agachou ao lado do carro e mijou na terra com o mato roçando-lhe a vagina. Essa, me disse, vendo minha expressão de pavor diante do gang bang ao vivo que me doía na testa.

― É sua esposa?

― É. ― Respondi, atônito. Minha esposa parecia desvairada no êxtase de tantos cacetes.

― Você vai ter que pagar pelos seis. ― A prostituta me avisou.

― O que?

― Essa vadia aí ta fodendo com seis, vai ter de pagar porque prejudica o nosso rendimento, tá entendendo, corno? ― A prostituta riu mijando um jato que empoçava fazendo lama.

Não teve jeito. Minha esposa voltou toda arrombada pro carro. Toda roxa da pegada dos caras. E eu ainda tive de pagar praquela cafetina mijona o equivalente por a minha esposa ter trepado com os seis garimpeiros sujos naquele lugar primitivo...



Quando dirigíamos já longe dali, ela exibia um sorriso como eu nunca vira de tão feliz. E confessou ter adorado. Não ter resistido. A beata a deixara molhada ao falar em orgia dos infernos, homens brutos e vila de prostitutas... 'Parecia mais o paraíso', ela disse, 'e ninguém nunca saberá, bezinho, relaxa, você ainda podia ter comido aquela puta mijona e a gente até podia ter ficado mais tempo lá...'

A princípio, não respondi...

Mas enquanto eu dirigia, horas depois, já vendo as luzes da cidade de Porto Velho se aproximarem na distância, ela chupava o meu pau tão gostoso que minha mente clareou.

Eu gostei. Disse que na volta passaria por lá de novo. Com uma condição. Que ela mijasse pra eu ver. Eu tinha gostado de ver a puta mijando na terra até fazer lama, como um bicho selvagem, foi o que eu disse, e gostei mesmo mas... Agora não sei direito se naquela hora o meu pau ficou tão duro por vê-la mijando ou por ver minha esposa sendo enrabada com selvageria por aqueles seis garimpeiros. Tanto faz. Ia testar as duas coisas pra descobrir a origem do tesão. Sá de pensar... dei uma estocada do quadril pra cima que pegou no fundo da garganta dela, ela tossiu, babando na minha cueca, mudei a marcha, ela me chupava com o carro rodando a cento e vinte por hora na rodovia. A língua dela ia a duzentos por segundo na cabeça acesa do meu pimentão. --- [email protected]

VISITE NOSSOS PARCEIROS

SELEÇÃO DE CONTOS


Online porn video at mobile phone


contos eróticos de noramulher louca de tesão gozando no peito na boca o dedo na bocaconto erotico viado velho humilhado por macho dominadorliliane sabe quero seu cupunheta com objetos no cu contosSou casada fui pra um acampamento com os colegas a amigas putascontos presenciei minha irmã fudendo com um dogCrossdressing contos eroticoesposa vagabunda contossou puta do meu cachorropassando a mao no grelhocontossexo minha mulher negro pausudovesti as roupas da minha mulher por curiosidade fui flagrado pelo vizinho e virei sua putinha gaycontos eróticos ensaiocontos eroticos minha sogra franciscacontos minha filha olhou em dandoContos de novinha safadacontos eroticos submissa meu dono cortou meu grelocontos eróticos gay advogadobotando a patroa pra gozareu e a tia evangelica casada da minha esposa conto eroticocontos eróticos de gay comi o amigo do meu padrinhogostosinhacontoeroticovideos porno sobrinha branquinha fugindo dos tios negoespau expulsa pau do corno da buceta contosconto minha mulher gostosa da academia trepa com os personais e amigo,scontos eroticos atração enteadocontos casada cago no pau do negraomeu cunhado tirou o cabaço do cú da minha esposacontos eroticos nordesteContos dando banho na catadoraputinhas de quinze anos xexo uricuiamenina novinhas putinha contos eróticos picantescontos eroticos meu amigo e minha mãejoana meu sogro comeu cubucetinhas perusinhochupando pintaooocontos gay fetiche em gordinhoContos pornos novinhas em gang bang c negros dotados de penis grande e grossoDedo na xoxota contoscontos eroticos extremopaty abriu a buceta com os dedos contospeladas com cu e a bunda melada de manteigafotos porno mostrado xoxota pra bater acela puetaPrazer Gay:Contos sobre Valentão da minha vidacontos gay o vizinho cadeiranteconto minha irmanzinha gue dormia comigocomendo cu da sogra da minha sobrinha contosconto erotico eu e meu pai fundemos minha filhaorgias/contosquero contos d prostitudasUni batendo p****** os malhadãosua namorada de chortinho no.carnavalcontos eroticos.o tio da borracharia me mostrou o pauminha esposa e o porteirocacetudos e contos eróticosNovinha virgem da buceta lisiContos eroticos iniciando as meninasposso dilatar a porta do meu anus todo dia?conto erotico piquinique em familia parte 2 incestocontos eróticos de bebados e drogados gayscontos vizinha loira meninavideos de zoofilia cachorrinhos recem nascidos mamando na xoxota da mulherchupando coroa empinadinha boa de f***porteiro fode esposa corno contoprimeiro conto de aline a loirinha mais puta e vadiacontos eroticos exibi minha mulhercanil porn contosflagrei minha esposa dado para nosso filho cotos eroticoFiquei parado olhando a bunda dela