Aviso: Voltamos Envie seu Conto estamos aguardando, recupere sua senha caso ja foi cadastrado antes !
Já está liberada a área de Cadastro de contos. Cadastre-se e evie-nos o seu conto

MINHA ESPOSA E 6 GARIMPEIROS

Inventamos de viajar de carro. Eu e minha esposa. Ora eu dirigia, ora era ela. Seguíamos a caminho de Porto Velho, por uma estrada de terra ao lado do Rio Madeira. Tinham nos aconselhado a não cruzar o rio pela terceira ponte, porque justo essa ponte ia dar num garimpo que ficava numa clareira desmatada na floresta. Era um vilarejo cheio de problemas, de abusos sexuais e imoralidades de gente sem-vergonha. Foi o que nos disse uma senhora na cidadezinha anterior.

― Quer saber, é melhor evitar essa ponte ― eu disse. Minha esposa dirigia. ― Pega a quarta ponte, minha flor de maracujá, sá por precaução.

O Rio Madeira passava pela janela do carro me dando sonolência.

― Quer saber ― minha esposa disse ― aquela senhora parecia uma beata de igreja, dessas que cobrem o corpo do calcanhar até o pescoço pra fingir que são certinhas aos olhos do Senhor.

Eu ri do comentário. Ela estava indignada. Não suportava gente moralista.

― Essas beatas, meu bem, cobrem o corpo mas ficam com a boca de fora SABE PRA QUE?!! Pra chupar uns pau depois da celebração. Atrás do altar. O pau do pastor, do padre, o caralho do capeta... Ouve o que eu digo... ― Eu ri de novo. Cochilei um pouco depois.

Sonhei com o que a beata dissera.

Que o garimpo se limitava a uma vila de prostitutas e homens brutos que se enfiavam atrás de lascas de ouro nos buracos das minas improvisadas sá pra trepar com uma, duas, três, ou até cinco prostitutas de uma vez. Era um antro de orgia dos infernos. Então acordei.



Descobri que fiz besteira deixando minha esposa dirigir naquele trecho.

Acordei com a minha esposa gemendo um gemido sofrido e sufocado como se tivesse alguma coisa enchendo a boca. E tinha. Dois cacetes. Ela tinha pego justamente o caminho proibido.

Uns seis sujeitos a estupravam. Fiquei assustado e sem saber o que fazer. Tinha um casebre aqui e outro acolá. Bateias largadas no chão. Umas mulheres vestidas como vadias aqui outras acolá. Uma delas agachou ao lado do carro e mijou na terra com o mato roçando-lhe a vagina. Essa, me disse, vendo minha expressão de pavor diante do gang bang ao vivo que me doía na testa.

― É sua esposa?

― É. ― Respondi, atônito. Minha esposa parecia desvairada no êxtase de tantos cacetes.

― Você vai ter que pagar pelos seis. ― A prostituta me avisou.

― O que?

― Essa vadia aí ta fodendo com seis, vai ter de pagar porque prejudica o nosso rendimento, tá entendendo, corno? ― A prostituta riu mijando um jato que empoçava fazendo lama.

Não teve jeito. Minha esposa voltou toda arrombada pro carro. Toda roxa da pegada dos caras. E eu ainda tive de pagar praquela cafetina mijona o equivalente por a minha esposa ter trepado com os seis garimpeiros sujos naquele lugar primitivo...



Quando dirigíamos já longe dali, ela exibia um sorriso como eu nunca vira de tão feliz. E confessou ter adorado. Não ter resistido. A beata a deixara molhada ao falar em orgia dos infernos, homens brutos e vila de prostitutas... 'Parecia mais o paraíso', ela disse, 'e ninguém nunca saberá, bezinho, relaxa, você ainda podia ter comido aquela puta mijona e a gente até podia ter ficado mais tempo lá...'

A princípio, não respondi...

Mas enquanto eu dirigia, horas depois, já vendo as luzes da cidade de Porto Velho se aproximarem na distância, ela chupava o meu pau tão gostoso que minha mente clareou.

Eu gostei. Disse que na volta passaria por lá de novo. Com uma condição. Que ela mijasse pra eu ver. Eu tinha gostado de ver a puta mijando na terra até fazer lama, como um bicho selvagem, foi o que eu disse, e gostei mesmo mas... Agora não sei direito se naquela hora o meu pau ficou tão duro por vê-la mijando ou por ver minha esposa sendo enrabada com selvageria por aqueles seis garimpeiros. Tanto faz. Ia testar as duas coisas pra descobrir a origem do tesão. Sá de pensar... dei uma estocada do quadril pra cima que pegou no fundo da garganta dela, ela tossiu, babando na minha cueca, mudei a marcha, ela me chupava com o carro rodando a cento e vinte por hora na rodovia. A língua dela ia a duzentos por segundo na cabeça acesa do meu pimentão. --- [email protected]

VISITE NOSSOS PARCEIROS

SELEÇÃO DE CONTOS


Online porn video at mobile phone


conto erotico minha mae chupava minha bucetianha deus de pequenacontos eroticos vovocontos gay luta livrecontos de incestos filho bem dotado paRte 2contoseroticocoroassegurei a pica estranhomeus alunos rasgarao minha bucetinha contosela pediu pra parar mas continuei empurrando na putachantageei e comi a secretariaduas puta no busao contoscontos eroticos bv e virgindadeMinha namorada ela mandou minha cunhada abri bem suas pernas ela disse pra eu tirar o cabaço da buceta da minha cunhada conto eroticocontos de corno esposa com dois e comendo cu do esposoconto erotico emcochando um travesti e fudendo a força em onnibusvolume na calça encoxadaMinha netinha sentou no meu pau contos eróticosconto gay estuprado pelos noiadosvoyeur de esposa conto eroticobuceta contos cornoConto erotico veridico circoCONTOSPORNO.nenémcontos gays gemeosconto erotico fudeno mulher casadaconto ela apostou o cuzinho e perdeuinspetora viu meu pau contosqueria que minha esposa me traísse contosconto erótico assim nasce uma travestiFui arrombadaContos e relatos de incesto entere maes e filhoscunhada baxinha dando a buceta pro cunhado no milharalboquete gozada boca amiga contosContos eróticos primeira vez colégioConto erótico calcinha fedidacomtos d primos d 30 cumemdo cusinho d priminhas d 15viciadopor bundas super rabudascontos veridico nunca tinha experimentado outro pau que nao fosse do meu marido, mas chorei no pau bem dotado da travestigey dando pro cavalo enchendo o cu do gey de porraconto erotico tarado abusou de mimcontos gay me depilando e pego no flagraBucetas aregaladas e raspadibharelatos de ninfetas q foram arrombadas no carnavalcontos eroticos tiacontos eroticos fui comida pelo meu chefe e chingada feito uma puta vadiafuder com padrasto contosporno patricinha chupando cunhado ao lado da irmãconto erotico tia amo meu sobrinhocontos na roça coçando a rolaesposa cheia de porra na praia de nudismo casa dos contoschantagem mãe contoconto erotico tia amo meu sobrinhosobrinha teen durmindo de shortinho curto e tio taradao nao resistecontos eróticos comendo ucontos gay cu arrombadocontos eroticos gays,tio jorge me feis mulhersinhacontos de sexo sogroCasadas com tio contoscontos eroticos primeira gozadaContos eróticos arrombei a linda noiva santinha do meu vizinho ciumentotexto erotico no inverno com o enteadocnto mulher de ssia entra no cineporno pela primeira vez e deu para variosConto mete ai ai uiui no cucontos erotico escondi debaicho da cama fraguei minha esposacontos flagreii meu subrinho mastubando com calcinhanão acredito que dei o cu contos eróticoscontos de encesto casal aproveitando dos filhosvidio porno mulher coloca vibrador de 53 cemtimetro todinho dentro da bucetacontos eróticos adoida meti com meu genroconto erotico tia amo meu sobrinhoA esposa crente e o prazer do gemido na penetraçãovhupou minha buceta lesbicaconto eróticocontos eróticos com mulher baixinhaeu adoro usar calcinha hoje sou travesti fresca afeminadaconto erotico brincando esconde esconde comi o cu da novinha do bairroonto de encesto meu filho mora sosinhoconto heróico de mão de madrugada alisando minha bucetinhaas busetao.mas abertos e mas gostozas do mundo porno ater das eguascache:GAEDmAeFVBUJ:okinawa-ufa.ru/m/conto_18319_fodendo-gostoso-minha-paciente.html