Aviso: Voltamos Envie seu Conto estamos aguardando, recupere sua senha caso ja foi cadastrado antes !
Já está liberada a área de Cadastro de contos. Cadastre-se e evie-nos o seu conto

O GUTO NA PESCARIA... FINAL

Naquela noite, enquanto eu ouvia os gemidos que vinham da outra barraca, ficava imaginando as cenas do que estaria acontecendo, e na minha imaginação, eu até conseguia ver o Márcio levando o cacete do tio Jacinto, bem no meio daquela bunda gostosa. Enquanto eu me excitava loucamente imaginando aquilo, o Bruno me propiciava mil prazeres e me satisfazia de todas as maneiras, porém, mesmo assim, eu não conseguia afastar os meus desejos ocultos, de trocar o Bruno pelo Márcio.



Depois que eu gozei no cuzinho do Bruno, satisfeito e cansado, logo ele adormeceu, mas eu ainda fiquei acordado e atento, pra escutar os gemidos que às vezes ainda vinham da outra barraca. Aquela foi uma noite longa, e deu pra perceber que o Márcio soltou a franga e gostou de dar o cu. Gostou tanto, que mais tarde, pude perceber que pra eu comer o seu cu, sá iria depender de termos uma oportunidade longe do Bruno.



No dia seguinte, depois de uma noite de putaria, todos nás levantamos tarde e ninguém não quis nem falar de pescaria. Todo mundo estava comportado e com a maior cara de cínico, como se nada tivesse acontecido durante a noite. Eu continuava obcecado pelo Márcio, e quando o Bruno não estava por perto, discretamente eu dava uma cantada nele, e ele retribuía com um sorriso maroto, mostrando que já estava na minha e pronto pra me dar o cu.



No fim da tarde, ainda debaixo de um sol gostoso, desistimos da pescaria e fomos nos refrescar nas margens de águas rasas e límpidas daquele rio. Depois, ficamos espalhados pelas pedras, tomando um banho de sol e nos secando. O tio Jacinto, sentado numa pedra nos observava, e notei que a sua mão por dentro do calção, ficava alisando o pau, enquanto o seu olhar libertino, explorava a lordose do Márcio e devassava a sua bunda gostosa.



Naquele momento, chegaram dois homens montados em cavalos, ambos de corpanzil bem forte e rude, que depois fiquei sabendo, era o Jerônimo, dono da fazenda, e um jagunço apelidado de Ferrão. Enquanto o tio Jacinto conversava com eles,pude perceber que olhavam pra nás com bastante interesse. Então, o tio Jacinto apontou pra mim e para o Bruno, e percebi que com a cabeça, o Jerônimo fez um sinal concordando; em seguida, o tio Jacinto nos chamou. Quando nos aproximamos, ele fez as apresentações, e disse que tinha pedido para o Jerônimo, nos levar pra dar um passeio a cavalo e conhecermos a fazenda. O Márcio veio se aproximando e já reclamava que também queria ir, mas o tio Jacinto disse que sá dava pra levar um em cada cavalo, e que era pra ele esperar uma pouco, que o Jerônimo iria mandar um peão vir busca-lo



Logo entendi, que novamente o tio Jacinto tinha arrumado um jeito de ficar sozinho com o Márcio e com certeza, ele iria aproveitar de todas as maneiras, aqueles momentos que o Márcio seria sá dele. E eu, na verdade, nem estava com vontade de fazer aquele passeio; eu teria preferido ficar, pra levar o Márcio no papo e comer o seu cu, mas, o Bruno estava todo animado e com a ajuda do Ferrão, já foi subindo na montaria e sentou-se na sua frente Meio constrangido, tive que fazer a mesma coisa e como o Jerônimo estava com a camisa toda aberta e eu sem camisa, me senti meio estranho por estar tão intimamente envolvido com o cheiro e o calor daquele homem de sertão, isto porque, enquanto suas mãos seguravam as rédeas do animal, seus cotovelos me mantinham juntinho do seu corpo



Assim acomodados, iniciamos o passeio com os cavalos a passo lento; dei uma última olhada para o nosso acampamento e ainda pude ver que o tio Jacinto já entrava na barraca com o Márcio, e no mesmo instante, fechava a entrada com o zíper. Acho que fiquei com ciúmes, inveja e tudo mais. Eu estava louco pelo Márcio e me sentia meio traido com aquilo; naquele momento, com certeza, o Márcio já estaria deitando de bruços e todo dengoso, estaria se ajeitando pra dar o cu pro tio Jacinto. Novamente a minha fértil imaginação me mostrava tudo aquilo; parecia que eu estava vendo o Márcio arrebitando aquela bunda gostosa, e o seu cuzinho todo melado, já estaria piscando de ansiedade, pra receber a piça do coroa.



Enquanto eu me atormentava com aqueles pensamentos, fiquei meio alheio ao passeio e quando me dei conta, estávamos seguindo por uma trilha que cortava um mato alto e cerrado, e o Ferrão seguia com o Bruno, uns vinte metros à frente. Sá então, eu percebi que com os cotovelos, o Jerônimo cada vez mais me apertava contra o seu corpo, numa posição, que involuntariamente, a minha bunda ficava meio arrebitada, e pude sentir que com roupa e tudo, ele aproveitava o movimento do cavalo, pra me passar o pau. Surpreso com aquilo, eu não conseguia acredir que aquele fazendeiro, já de meia idade, também fosse um sacana.



Tentei acreditar que eu estava com a mente poluida e imaginando coisas, mas, logo não tive mais duvidas; eu vi o Ferrão conduzindo o seu cavalo pra fora da trilha e desaparecer por trás de uma grande moita. Um pouco antes daquele local, o Jerônimo fez a mesma coisa e parou o cavalo no meio de algumas moitas de grande porte, onde o chão era coberto por uma relva macia. Então, o Jerônimo desceu do cavalo e me estendeu a mão, dando a entender que era pra eu descer também. Hesitei em obedecer, mas não tive escolha; ele já estava me puxando e pra não cair, eu fui descendo numa posição que me forçou a ficar de costas pra ele. No mesmo instante, ele já me agarrou e começou a me bolinar pra fazer sodomia.



Tentei me soltar, falei que não queria fazer essas coisas, argumentei que nunca tinha pensado que um fazendeiro respetável como ele, tivesse a intenção de abusar de um menino indefeso como eu, mas, de nada adiantou a minha chantagem emocional; sua mão calejada já entrava pelo meu calção e alisava a minha bunda, enquanto seu dedo médio corria pelo meu rego. Senti o calor da sua boca colada no meu ouvido e ouvi o seu sussurro me dizendo que eu não precisava ter medo, e que desta vez, eu iria sentir um cabra-macho de verdade, dentro de mim. Pra completar, ele ainda me sussurrou que sabia das vezes que eu tinha dado o cu e que todos que me comeram, gostaram muito e me elogiaram bastante, por isso, ele tinha pedido pro Jacinto arranjar aquele passeio comigo.



Fiquei pasmado com aquelas palavras, e sem moral pra continuar negando, comecei a ceder. Ele percebeu que eu estava a sua mercê e virando-me de frente, fez eu me ajoelhar; abriu suas calças e me deixou de cara com uma tremenda pica, equipada com um puta saco peludo e grisalho, que mais parecia um saco de boi, pelo tamanho que tinha. Vendo que eu vacilava, ele segurou minha cabeça e a conduziu, fazendo minha boca abocanhar e chupar aquela puta piça. Depois de alguns instantes, perdi o pudor que ainda me restava e comecei a chupar gostoso, fazendo ele delirar de tesão. Então, suavemente ele afastou minha cabeça e fazendo eu me levantar, posicionou-me de costas com as mãos apoiadas num pequeno barranco. Em seguida, ajoelhado atrás de mim, lentamente ele foi abaixando o meu calção e os seus lábios iam beijando as partes que se mostravam, até que finalmente, completamente pelado, senti suas mãos abrindo o meu rego e a sua língua devassando e lambuzando o meu cuzinho.



Depois de deixar o meu cuzinho todo lambuzado e piscando ansioso pra levar um cacete o Jerônimo foi se posicionando, e pelo vão das minhas pernas, puder ver suas calças sendo arriadas e largadas por cima das botas que ele calçava. Então, enquanto ele dava as últimas punhetadas, estimulando pro cacete ficar estourando de duro, ao mesmo tempo sussurrava consigo mesmo:

- nem acredito que vou comer esse cu novinho ... noooossa ! é um cu de menininho ... que agora vai ser minha mulherzinha ... viu ? amorzinho ... é agora que você vai sentir ... a piça de um fazendeiro respeitável ... todinha dentro de você ... ... ...



Quando ele encostou aquela puta piça no meu cuzinho, já antevendo o meu drama, ele me agarrou firme pelos quadris, e enquanto bombava cuidadosamente, começou a me encorajar, sussurrando no meu ouvido que eu era um menino de ouro e que eu sabia como aguentar uma boa piça. Enquanto ele sussurrava mil elogios, fazendo-me crer que eu realmente estava sendo uma boa mulherzinha, ao mesmo tempo eu sentia o meu cuzinho sendo arregaçado e pouco a pouco, sua piça foi me invadindo, até que finalmente, eu senti aquele saco imenso e peludo encostando atrás do meu saco e me proporcionando uma agradável sensação. Naquele momento, ele começou um vai e vem incrível, como eu nunca tinha sentido antes. Suavemente aquela puta piça deslizava no meu cu e quando encostava saco no saco, ele dava uma pressionada que me fazia suspirar.



Eu me deliciava e me excitava cada vez mais com tudo aquilo, até que num certo momento, eu escutei o Bruno choramingando e suplicando atrás das moitas:

- Ai-AAAiiii !!! ... FERRÃO ! ... PAAARA ! PARA ! ... num tô guentano ... por favor ... paaaara... para... por fa...VOOOORRRR !!! .. Ai-AAAAAiiiii !!! ... TiiiiRA ! TiiiiRA ! ... ai-aiiinn... tiiiira... tiiiira... ai-aaiiiinnn ? ... uusssssfff !!! ... aaiiinn... uusssff ! ... aaiiinn... uusssff ! ... aaiiinnn ... uusssff ! ... aaiiinn... uusssff ! ... ... ...



Ouvindo os gritos e gemidos do Bruno, pensei comigo, foda-se, quem mandou ser viado, e escutando o viadinho choramingar, eu me senti aliviado por não estar naquela roubada; o jagunço era um cara escroto e sá de aparência já assustava, e pelo jeito, o Bruno estava descobrindo porque o seu apelido era Ferrão. Enquanto isso, o Jerônimo continuava bombando no meu cu, e sussurrando me dizia que o Bruno não era um viadinho tão legal quanto eu era, e fazendo questão de elogiar o meu comportamento, disse que eu era forte e corajoso, e que eu tinha muita capacidade pra dar o cu. Aquelas palavras me deixaram confuso; será que eu era mesmo um viadinho ? ...mas ele bombava tão gostoso, que eu deixei as minhas dúvidas de lado e resolvi me soltar. E assim, orgulhoso com aqueles elogios, não sei o que deu em mim; fiquei todo afetado e comecei a gemer que nem uma bichinha louca: - aaiiinn.. uusssff ! ... aaiiinn... uusssff ! ... aaiiinn... uusssff ! ... aaiiinn... uusssff ! ... ... ...



Depois de algum tempo levando aquele cacete gostoso, senti quando o Jerônimo começou a gozar; o seu coração disparou e a sua respiração ofegante e trêmula, soprava um bafo quente no meu ouvido; meu coração também disparou; meu cu contraiu apertando o seu cacete e já comecei a gozar; enquanto isso, suas mãos puxaram fortemente os meus quadris contra o seu cacete, e urrando que nem um animal, ele enterrou tudo, tudo, e esporrou que nem um boi; deu até pra escutar algum jato de porra espirrando pra fora do meu cuzinho arregaçado. E assim, muito exaustos, ficamos imáveis por alguns instantes, enquanto o seu cacete dava as últimas latejadas dentro de mim, até que finalmente, já meio mole, ele escorregou pra fora.



Depois disso, enquanto o Jerônimo urinava feliz da vida, eu me agachei atrás de uma moita, caguei toda aquela porra que tinha me inundado e me limpei com uma folha de mamona. Assim recomposto, me preparei pra novamente montar no cavalo, que em todo tempo, tranquilamente ficou pastando naquela relva macia; mas, ao invés de continuarmos o passeio, o Jerônimo chamou o Ferrão e perguntou:

- E aí Ferrão ? Conseguiu ... ?

Atrás das moitas o Ferrão respondeu:

- Tudo bem patrão ... chorou mas aguentou ...

O Jerônimo completou:

- Beleeeeza ! meu ... vamos trocar de mulherzinha ... agora vai entrar mais fácil ... e vai ser mais gostoso ... ... ...

VISITE NOSSOS PARCEIROS

SELEÇÃO DE CONTOS


Online porn video at mobile phone


dando banho cacula conto eroticos gayCasa dos Contos Eróticos nora do rabo gostosocontoa eróticos de uma mulher dando pra dois home mmmeninas nova levando pica dormindo e gemendo altoContos eróticos Gay Calção Recheado do irmãoencoxada onibus apagado contoscontodeputacontos patrao chantageia funcionário pra comer a mulher gostosa do funcionárioporno.pai.padado.jeu.nabuseta.dafilihahttp://googleweblight.com/?lite_url=http://idlestates.ru/conto_20266_eu-vi-a-mulher-do-meu-tio-chupando-outro-homem-e-s.html&ei=tl_0qaCG&lc=pt-BR&s=1&m=256&host=www.google.com.br&ts=1500401465&sig=ALNZjWmrPJUN7nKOOzozG07QgJgIUnCVKQcontos eróticos esfregaçãobotamos pra fuder contoscontos linguada homemcontos erótico acabei indo pela primeira vez num sítio de naturistaCamila minha enteada com a b********Contos engoli porra grossa grudentacontos comi a internadacontos eroticos meu padrinho na cachoeiraconto erotico chupando pau desde cedocontos erotico grande foda com a minha namoradacuzinho de entiada contos veridicoprofessor de natação metendo a vara na colegaContos eróticos primo comedor comeu o cu da nanemenininhas 10 aninhos fudendo contossexoFodelança contos comendo a mulher e sua amigaconto erótico gay em cinema. De Recifeeu chupo hetero sempreconto erotico viadinho dei meo fu virgeconto erotico;eu e a professora de artesvideo de porno com machos a força brutamenetecomendo aenteada de cbelos cachiadosEu fui trabalhar numa empresa eu comi minha patroa japonesa no motel conto eroticocomi o marido de minha prima ma cama delasegurou a filha para tirar cabaçovhupou minha buceta lesbicaconto eróticome encoxaram a noite bunduda,contos eroticos desvirginadahttps://idlestates.ru/conto_23966_fazendo-amor-com-o-filho-adotivo.htmlconto erótico esposa foi parar no hospital com a buceta sangrandoContos eroticos Tia veridicoemplorando pra ganha leite eroticos contoscontos papai socou tudo no cu da filha ela se cagouconto desde pequena participo de orgias com minha familiaLevou susto más gostou porno empregadacontos eróticos velhinhacontos coxudas de saiasenti aquele pauzao derramando varios jatos no fundo da minha bucetacontos eroticos a buceta da minha mae e a coisa mais gostosa do mundocontos eróticos de gays novinhos bonitos loiras namorado com muitos beijos naconto piao gostoso. no cavaloContos eroticos novinha desmaia de tanto gosacontos eróticos de professoras de cegoscontos sarro gostoso com meu genrocontos menininha curiosa safadinhahomem sendo estrupado en oficinaContos eroticos ai mo seu pau ta me matando mete ai ai deliciosa aiivoyeur de esposa conto eroticoru e a amiga da minha esposa contoconto travesti com menina virgemcache:TjHC3uy6Jc0J:idlestates.ru/conto_5450_comi-xota-e-cu-da-maninha-e-o-cu-do-irmaozinho.html contos minha sogra me vendeu seu cuzinhohetero dando a bunda contocontos eroticos nanybuceta praia toninhas contos eroticos gay o pastor me comeubebê g****** contos eróticosCasa dos contos: Virgem na baladacontos eroticos Araguaina Topaty abriu a buceta com os dedos contosconto gay dando na apostavidio porno enchada qualculadaContos eróticos fui cavalgar com meu marido e o cavalo me comeu zoofiliacontos eróticos do game com medo a namorada