Aviso: Voltamos Envie seu Conto estamos aguardando, recupere sua senha caso ja foi cadastrado antes !
Já está liberada a área de Cadastro de contos. Cadastre-se e evie-nos o seu conto

EU E MAMÃE - PARTE 1

Navegando concentrado na internet, ouvia minha mãe e meu pai discutirem na cozinha. Já estava se tornando normal os dois baterem boca. rnUm casamento de vinte anos, dois filhos adolescentes, uma vida muita boa em termos financeiros, mas ao que me parecia, existia alguma coisa perturbando minha mãe. rnEra meu pai chegar em casa, já começavam as trocas de farpas. Mamãe acusava-o de ter amantes. Papai perdia a paciência e a discussão era inevitável.rnEu havia notado a mamãe impaciente o dia todo. Ela certamente havia descoberto alguma coisa e esperou meu pai chegar para tirar satisfações.rnAcusações daqui, insinuações dali. Resultado: Papai saiu porta a fora, dizendo que ia pousar na casa de vová e minha mãe entra no meu quarto chorando, dizendo quernmeu pai não prestava, que era um traíra, um insencivel e por ai vai. Restou-me apenas tentar consolá-la. Ainda bem que minha maninha estava na casa da tia e chegaria mais tarde. Não presenciou a briga dos dois.rn- Acalme-se, mamãe. Vá tomar um banho e relaxar um pouco. Daqui a pouco isso passa. - falei, tentando esfriar as coisas.rnEla pareceu entender que nada adiantaria chorar as mágoas. - Vou mesmo tomar um bom banho. Sá assim vou esquecer um pouco isso tudo. - disse, saindo do meu quarto.rnEscutei o chuveiro ser ligado. Alguns minutos depois, ela me chamou, solicitando que eu levasse as toalhas, pois havia esquecido de colocar no banheiro.rnProntamente atendi, levando um monte de toalhas que estavam na area de serviço. Não era comum eu vê-la tomando banho mas, vez por outra era normal ela entrar no banheirornenquanto eu ou minha irmã tomávamos banho e também nada de anormal eu vê-la nua. Já acontecera várias vezes isso.rnColoquei as toalhas no lugar e pelo box molhado pelo vapor do chuveiro, vi-a lavando seus cabelos.rn- Pronto mãe. As toalhas estão aqui. Está tudo bem? - questionei.rn- Está sim, filho. Já estou mais calma. Seu pai sabe como me tirar do sério. - disse ela.rn- Não vamos mais falar sobre o papai. Deixa ele lá na vová. Ele vai pensar, se acalmar também - retruquei.rn- Sim, sim. Você tem razão. Mas, é complicado saber das aventuras dele por ai e ficar calada. - falou, com voz de choro.rn- Oh, está vendo? Já vai começar a chorar novamente. Não falemos mais nisso. Depois as coisas se resolvem. - falei, tentando esfriar as coisas.rnNisso, ela abre o box e me pede para eu alcançar a toalha. Entreguei-lhe a toalha e emendei: - Não sei o que o papai vai buscar fora, viu. Olha sá que mulherão que ele tem em casa.rnCom um sorriso no rosto, enxugando o seu corpo delicadamente, falou: - Você acha realmente que sou esse mulherão todo?rn- Claro que é. O pai deve estar é pirado. - continuei.rnToda envaidecida, enrolou os longos cabelos na toalha e embrulhou-se na outra, cobrindo os grandes seios que, apesar dos seus quarenta e quatro anos, ainda estavam no lugar.rnSai do banheiro e fui para o meu quarto, me concentrando novamente na internet.rnPassou-se alguns minutos, ela adentrou o meu quarto, ainda somente de toalha enrolada no corpo. Sentou-se na minha cama e passou a pentear os cabelos.rn- Ainda bem que tenho você, viu. Fico bem mais tranquila quando consigo conversar abertamente sobre problemas. E você sempre pronto para me tranquilizar. - disse ela.rnDeixei a internet de lado, me posicionei a suas costas e peguei a escova. Passei a pentear seus cabelos delicadamente, para demonstrar meu carinho.rnFalamos por quase meia hora. Me contou de suas desconfianças, quase certezas aliás. Papai estava envolvido com uma de suas secretárias. Mamãe, até então, não estava sabendo lidar com tal situação.rnVivera exclusivamente para o lar, o marido e os filhos. E agora, essa situação lhe batia as portas. Mas, consegui manter a conversa em bom nível. rnRelaxada e sentindo-se segura, ficou agradecida por eu tê-la entendido. Escovei os seus cabelos e quando estes estavam bem secos, devidamente escovados, larguei a escova e passei a lhe fazer uma massagem nos ombros. rnEra o que ela estava precisando.rn- Ai, filho. Que bom isso! - exclamou.rn- Vou deixar a senhora ainda mais relaxada. Tem algum creme para massagens? - questionei.rn- Lá no meu quarto, perto do espelho. Pega lá. - pediu, com um sorriso.rnProntamente fui até la e voltei com um frasco de áleo e outro de creme.rn- Qual eu uso? - perguntei.rn- Esse áleo é para massagem e esse creme é para as pernas. - falou, apontando para os frascos.rnLarguei o creme no chão, abri o que tinha áleo e disse: - Agora, deite-se, relaxe. Vou caprichar nessa massagem.rnEla soltou a toalha, deixando os seios a mostra, deitou-se na minha cama, tomando o cuidado para cobrir sua bunda, com a toalha.rnDerramei uma boa porção do áleo e iniciei uma massagem bem suave. Entre suspiros, ela falava que estava muito bom.rn- Fazia tempos que eu não ganhava uma massagem dessas. - disse-me.rnContinuei a lhe massagear as costas, descendo várias vezes até sua bunda, que encontrava-se coberta pela toalha.rnNotei, porem, que quando eu fazia isso, a reação dela era erguer um pouquinho os quadris, empinando levemente a bunda e deixava escapar um suspiro.rnNão estava ali para sacanagem com minha prápria mãe, mas ao observar que ela estava gostando, passei a dar mais atenção a esse fato.rnTanto que passei a empurrar gradativamente a toalha, deixando cada vez mais a mostra, sua bunda branquinha.rnPercebi que ela não estava se importando com o fato de estar ali, deitada, nua, coberta com uma toalha, que aos poucos estava sendo-lhe retirada.rnEm poucos minutos, com muito cuidado e prestando atenção aos mínimos detalhes, a toalha foi retirada completamente. rnEla estava nua, totalmente a vontade e o melhor, curtindo cada momento. Já não abafava mais os suspiros que dava. Nenhuma palavra mais foi pronunciada.rnA massagem se concentrou mais na bunda e coxas. Era nítido que ela estava adorando ser tocada daquele jeito. Resolvi ousar ainda mais. Enchi a mão de áleo, derramei sobre sua coxa e, com as duas mãos, rnpassei a massagear mais intensamente. Devagar e usando um pouco mais de pressão, descia até ao encontro do joelho e logo subia, fazendo com que meus dedos praticamente entrassem no meio de suas pernas, rnquase que tocando em sua buceta. Ela suspirava, quase gemia. Prestei atenção a cada movimento, cada gesto que ela fazia.rnDerramei olho sobre a outra coxa e iniciei o mesmo ritual. Ai, foi que vi o quanto ela estava gostando. Num gesto inesperado, a vi afastar as pernas, convidando-me a lhe satisfazer ainda mais. rnNão me fiz de rogado. Num dado momento, ao subir a massagem, levei minha mão até bem entre as pernas, tocando-lhe a buceta e sentindo o calor que dali emanava.rnSem pudores, ela soltou um gemido e empinou a bunda, deixando a mostra, todo o seu sexo sedento. Lágico que ela estava totalmente excitada. rnProcurei manter a calma, até porque não consegui entender bem o que estava acontecendo. Mas, a cada oportunidade, eu tocava-lhe suavemente a buceta, somente para ouvir os suspiros que ela não se importava mais em deixar escapar.rnEm dado momento, sem falar nada, ela se virou na cama, ajeitando o corpo e deixando-o totalmente a mercê de minhas mãos. Puxou a toalha, enrolou um pouco na cabeça e cobriu apenas os olhos, não se importando mais em mostrar seusrnseios enormes e sua xana peludinha. Entendi que eu poderia ir mais longe do que já havia ido. Atendendo ao seus desejos, derramei uma grande quantidade de áleo sobre seus seios, barriga e até sobre sua xana com poucos pelos.rnMinhas mãos deslizaram sobre seu corpo nu, exposto e pronto a receber carinhos. Primeiramente nos seios, que com os meus toques, se mostraram vivos, com bicos enrijecidos. Depois fui descendo suavemente até sua barriga e rnposteriormente até suas coxa grossas. Então, veio o sinal verde. Ao deslizar as mãos nas coxas e trazer por entre as pernas, passei a tocar-lhe suavemente a bucetinha. Ela soltou um suspiro, passou a segurar os práprios seios, rnpuxando-lhes os biquinhos e, o melhor, foi afastando as pernas, liberando o caminho completamente. Minha mão veio então a descansar entre seus lábios vaginais, que a essa altura estavam totalmente ensopados, rntanto do áleo de massagem quanto do seu práprio mel. Os suspiros transformaram-se em gemidos, que ela não procurava mais esconder. A essa altura ela já não aguentava mais de tesão. Estava quase para ter um orgasmo ali. rnEu, estava a ponto de estourar também. Achei o precioso grelinho dela e passei a lhe dar maior atenção. Durante alguns poucos minutos esfreguei, apertei, massageei, até que ela, não aguentando mais, enrijeceu o corporne num gemido forte, gozou alucinadamente. Relaxou o corpo, pegou minha mão e a pôs sobre seu peito. Senti as batidas do coração, que parecia enlouquecido. Em nenhum momento, ela tirou a toalha de sobre a cabeça, que lhe cobria os olhos.rnCom um sorriso no rosto, deixou o corpo amolecer, soltando os braços e pernas, ficando totalmente relaxada sobre a cama. Deitei-me ao seu lado, de costas pra ela e recebi um gostoso abraço, como recompensa pelo prazer que havia lhe dado.rnFicamos ali quietinhos, sossegados, curtindo aquele momento, por quase meia hora. Então, já totalmente recuperada do gozo que havia tido, passou por cima de mim e sentou-se na beirada da cama.rn- Obrigado filho! Você foi um amor. Vou tomar outro banho, para tirar esse áleo todo. - disse, me dando um beijo. Em seguida levantou-se, embrulhou-se na toalha e saiu do quarto. rnFiquei ali imaginando o que passava pela cabeça dela. Havia realmente gostado? Estava tão carente assim que ao primeiro carinho já se entregara daquele jeito? Haveria outra vez? Restava-me esperar uma oportunidade.rnOuvi o chuveiro ligar e enquanto ela banhava-se, minha irmã chegou da casa da tia. Por sorte não nos pega ali no quarto. Passou na minha porta, disse "oi" e foi ter com a mamãe no banho. rnDurante alguns minutos ficaram lá conversando, até que minha mãe saiu enrolada na toalha, passando no corredor indo em direção a cozinha. A mana ficou tomando banho.rnFui até ao quarto de minha mãe e ela estava ainda nua, procurando roupas. Sussurrando, ela falou: - Seu maluco. Sua irmã não pode saber de nada do que aconteceu, viu? Senão, vamos ter grandes problemas.rnObviamente que concordei. Com um sorriso lindo e um doce beijinho, ela confirmou que havia se deliciado muito com a "massagem". Sussurrando, ainda falou que eu tinha muito jeito para fazê-la chegar ao clímax e que não esqueceria o quantornfoi revigorante aquela massagem. - Agora vai. Saia, senão sua irmã vai desconfiar de alguma coisa. E já sabe: Segredinho absoluto, hein? - preveniu ela.rnAtendendo a seu pedido, saí de mansinho e fui para o meu quarto. Acessei a internet e procurei por Incesto entre filho e mãe. Vi que é muito praticado, pelo menos apareceram inúmeros sites com fotos, links, contos eráticos e vídeos sobrerno assunto. Sá não consegui ter certeza da veracidade de tais informações. Mas, comigo foi real. Eu havia bolinado minha mãe e ela havia se deixado bolinar. Havia gozado gostoso com meus carinhos. E o melhor, ficou no ar a nítidarnpossibilidade de haver outras vezes. Guardaria segredo e aguardaria uma oportunidade futura, que ao meu ver, não demoraria muito a voltar a acontecer.

VISITE NOSSOS PARCEIROS

SELEÇÃO DE CONTOS


Online porn video at mobile phone


contoseroticos primo transou com a prima e ela ficou gravidaesposa novinha gostosa dominada por velho roludo contos eroticoscontos eróticos chupei a b***** da éguacontoerotico.eu.marido e as filhas no forromulhe sora no pau fudedoporno de tia cabelo cachaedo loira meia idade peluda com sobrinhocontos eroticos de travecocomo fazer pra minha sogra ter tezao por mimmeu professor meu namorado contos gayporno conto relava aquele peito em mimminha entiada me pega batedo uma punhetacontos comi minha sogracontos de coroa com novinhocontos eu e meu sogro estupramo minha mulher gravidacarlão socando ate as bolas no cu da vadiapôrno pima maveliacontoseróticos metendo com o bebê no colocuzinho de entiada contos veridicotraficante comendo a travesti conto eroticodei o cu no campig homoxesuaisContos eroticos violento seioscontos eroticos de estrupamendoo amigo do meu marido comeu meu cu/contossexo extremo com meus pais no puteiro meu pai mandou minha mãe cagar na boca dele conto eróticoContos falei parainha comadre que queria transar com ela s nossos maridosVelhos na farmácia chupando seios contos eróticoscontos eroticos minha anjinhaamoitado das morenas no baile funkvideos de garota sendo desvirginadas do cu e buceta elas chorando e gritandocontos eroticos pauzudocontos eróticos fudendova esposa e a filha do amigo Contos eroticos usando botas cano longocasa dos contos de mae fudendo filho e filhacontos.gozou na mendigacontos eróticos leite incestorose empregadinha contosengravidei conto eroticominha patroa gortosa e tarada por pauGGminha irmã no meu colo contisDeusa mulata levando pica branca na bucetaConto erotico de sexo incesto cheiro da buceta suada da irmacontos gay me depilando e pego no flagracontos comendo a sograContos: namorada safadaa primeira vez com homem casadomenino de treze anos gostoso bundinha e cuzinho jeitoso contos eroticosContos gay Massagemcontos dei um beijao na boca do meu tioempregadinha contoeu sei que ele quer um pau, contoscontos de mecânicos casadosfodendo gostosa e esporo contos eróticosminha mae nao gosta de mim contos eroticos incestocontos eróticos de bebados e drogados gayscontos eroticos o porteirocontos dei um beijao na boca do meu tiocontos erótico de velhas que adora ser chingadascontos de atiivo x passivo fodendoandava só de cueca no carro. conto gay teencontos meu filho adora minha bundacontos eroticos meu genro se vestiu de mulhercontos/ morena com rabo fogosoum cavalo fudeu minha buceta contoscontos comi a minha sobrinha filha virginhaescandalosa enrabada contosconto erotico dei meu cu em um.lugar inuzitadoAna tia só de camisola transparenteConto porno marido repartindo a mulher com cachorro de rua zooDesvirginando a sobrinha de 18 anosconto transou com desconhecido na festa de rodeiocontos eróticos de bebados e drogados gaysconto erotico baba bate sirica espiano patroes fudendo